Rádio Observador

Neurociência

A necessidade de acreditar e a morte da Ciência

Autor
  • Miguel Mealha Estrada
473

A necessidade de acreditar é fundamental. Mas acreditar nos peritos, na ciência, aprender a ter opinião dá muito trabalho. Acreditar em algo simplista ou sem nexo não dá trabalho, tal como o populismo

Uma questão pertinente, a qual engloba várias variáveis, é como pessoas que vivem no mesmo século, frequentam um sistema de ensino maioritariamente idêntico, com acesso fácil a informação correta, podem ser tão díspares no seu conhecimento e no que sabem ou decidem acreditar?

O ato de acreditar é inato ao ser humano e essencial no processo evolutivo.

À nascença, o bebé em conjunto com a mãe, ambos entram numa dança afetiva mutua, para o bem ou para o mal, no que diz respeito ao desenvolvimento emocional, cognitivo e mental, não só do bebé, mas como de ambos.

No entanto, dentro de uma relação protetora, suficientemente segura e essencial ao desenvolvimento dos afetos, o bebé desenvolve um sentimento de segurança perante o mundo, construído na confiança adquirida através da relação com a mãe.

É, neste passo importante no desenvolvimento, que o bebé desenvolve as capacidades cognitivas e emocionais no ato de acreditar.

A fantasia, é uma ferramenta essencial para auxiliar os humanos a formarem a coerência do mundo e diminuir a ansiedade.

Com a capacidade de fantasia vem a idealização, ou seja, uma identificação com partes (fantasiadas ou reais) da personalidade, capacidades ou status de outros, os quais servem um propósito de defesa contra ansiedades existenciais e um sentimento de auto-valorização. Por exemplo, a idealização de pertença a um grupo a qual um adolescente associa dotes mágicos, fora da realidade, mas que o sentimento de identificação ao grupo idealizado serve o propósito de fazer sentir poder e subir a sua auto- estima, e, muito importantemente, um sentimento de pertença.

Acreditar Como Construção Social Identitária

Talvez uma grande fatia da responsabilidade em incentivar parte da população em construir livremente aquilo em que acredita, sem base científica ou com informação falsa (além da religião), pode, sem dúvida, ser atribuída ao pós-modernismo. O pós-modernismo formou-se como movimento após a Segunda Guerra Mundial. Foi, na sua essência, uma resposta reacionária à perceção enviesada de alguns em relação a percalços e falhas nos avanços do modernismo e nas leis universais que governam a natureza. Foi, também, um ataque a cientistas e à ciência, os quais e a qual se focam em provas objetivas como definição do que é a realidade.

De um ponto de vista pós-moderno, grupos e sociedade, constroem aquilo em que acreditam acerca do que é a realidade, sendo aquilo em que acreditam reforçado pela interpretação das suas experiências pessoais mundanas. Na visão do pós-modernismo, a realidade é aquilo que compreendemos ou imaginamos ser. O pensamento pós-moderno, porem com peso significativo na literatura, arte, arquitetura e humanidades, não explica absolutamente nada acerca do que é a realidade, a qual só há uma, regida por leis da física, as quais são irrevogáveis e constantes, independentemente daquilo em que um prefere acreditar.

Acreditar Como Recurso Evolutivo e Sentimento de Pertença

Muito antes do Homo Sapiens cruzar a terra, desde os primeiros hominídeos até aos nossos primos mais próximos como o Homo Habilis, a evidência científica e transversal entre espécies e culturas aponta para um fator essencial em relação à nossa ancestral e moderna sobrevivência: somos animais sociais os quais necessitamos de estar em grupo para sobreviver. A confiança e acreditar nas capacidades de um grupo são inatas no reino animal e no ser humano. A pertença a um grupo serve como uma estratégia de adaptação para as mais variadas espécies, incluindo os humanos. Grupos são críticos para a sobrevivência dos humanos e sua reprodução. Nos dias de hoje, ainda dependemos dos mais variados grupos e subgrupos para a nossa sobrevivência. Contudo, a questão aqui foca-se na necessidade de acreditar e de pertencer a um grupo identitário.

Geralmente, nos dias de hoje e mais precisamente referindo grupos ideológicos com atributos identitários, existe uma base de coesão num grupo: o acreditar em algo. Tal fenómeno pode ser facilmente observado no que diz respeito a temáticas na saúde. Existem grupos, com crenças (geralmente com informação falsa e não-científica), baseados em teorias da conspiração e/ou deturpação dos factos, os quais necessitam de um Bode Expiatório, ao qual atribuem a culpabilidade de um mal para terem significado existencial. A inserção num grupo com tais motivações traz aos seus membros um áurea angelical, os quais faz sentir os membros como iluminados santos pecadores lutando contra o mal.

Tal fenómeno pode ser facilmente observado nos grupos anti vacinas, homeopatia, dietas e pseudonutricionismo, medicina tradicional chinesa, naturopatia e outras terapias que se autoproclamam de ‘alternativas’ (que nada realidade a ciência demonstra que não são alternativa a nada, nem complementam absolutamente nada).

Este sentido de união, que facilmente pode levar ao fanatismo, desperta nos membros um sentimento de raiva ou repulsa cada vez que a sua crença é atacada, trazendo aos membros um sentimento de perseguição por parte do grupo dos maus (Ex: médicos, cientistas), fazendo sentir os seus membros como puros santos pecadores, destinados a lutar um combate injusto, no qual tentam salvar a humanidade da tirania. Carregam a bandeira do grupo ao peito (geralmente em forma de um mantra (Ex: ‘vacinas causam autismo’; ‘a ritalina faz mal’, ‘as alternativas ajudam na doença’) e sentem uma necessidade intrínseca e, como já vimos, evolutiva, em defender a sua tribo.

O problema consiste em que, na sua generalidade, desde os terapeutas ‘alternativos’ (e quem os apoia) até políticos e jornalistas, o seu conhecimento científico é, no máximo, rudimentar. Só que eles não o sabem, pois não podem saber aquilo que não sabem. Não compreendem o quanto rudimentar ou até nulo o seu conhecimento científico é, pois não têm conhecimento científico mínimo para poderem fazer a discrepância e analisar o seu próprio conhecimento. A fantasia e idealização surge aqui, com o pensamento mágico de que sabem.

Do Acreditar ao Tribalismo e Populismo

Como vimos anteriormente, quem necessita de ter uma crença, vai inevitavelmente encontrar, ou pelo menos, procurar, um grupo identitário que tenha a mesma fonte de pensamento. Tais grupos em relação à ciência encontram-se e proliferam em redes sociais, também com apoio de figuras mediáticas e alguns partidos políticos que baseiam as suas crenças em pseudociência e teorias da conspiração. Por exemplo, é muito comum encontrar mitos de pseudociência e teorias da conspiração em partidos ambientalistas e mais extremistas, onde o raciocínio fácil substitui a complexidade da ciência.

Estando servidos de uma crença, que une a tribo com a qual se identificam, recorrem com as suas crenças a um moralismo fantasioso, com intenções aparentemente nobres, que coloca a tribo como uma força moralmente pura e unificada, a qual luta contra ‘elites’ corruptas e moralmente inferiores- a base do populismo e da infantilização da população.

Os populistas das tribos ambientalistas acreditam piamente que são poços de sabedoria; muitos estão absolutamente convictos que sabem melhor que os peritos, e que o que defendem é o mais justo para todos. Isto demonstra que as redes sociais têm o potencial de serem dominadas por aglomerados tribais heterogéneos de pessoas mal informadas, iludidas, e as quais rejeitam o iluminismo e o progresso científico. A desinformação parece ser agora tão válida como o conhecimento.

Como disse uma vez José Ortega y Gasset, assim, na vida intelectual, que na sua essência requer e pressupõe a qualificação, nota-se o progressivo triunfo dos pseudointelectuais sem qualificações, inqualificáveis e desqualificados pelo seu próprio contexto mental. Posso estar enganado, mas o escritor moderno, ao pegar na pena para escrever sobre um tema que estudou profundamente, tem de pensar que o leitor médio, que nunca se dedicou ao assunto, se o lê, não é com o intuito de aprender alguma coisa com ele, mas, pelo contrário, para o julgar quando este não concorda com os lugares-comuns que o referido leitor tem na cabeça.

Vulnerabilidade e Teorias da Conspiração

O que move então emocionalmente pessoas a acreditar em teorias da conspiração e a duvidar fervorosamente nos peritos?

Um estudo de Jan-Willem van Prooijen, da Universidade de Amsterdão, em que encontrou fatores de vulnerabilidade emocional em pessoas mais suscetíveis em acreditar e defender teorias da conspiração, existem outros fatores emocionais e evolutivos que parecem contribuir à adesão a crenças. Num estudo feito em 2017 na Universidade de Princeton, realizado por psicólogos da universidade, os resultados demonstram que sentimentos de alienação e rejeição contribuem para a adesão em teorias da conspiração. Neste estudo, os pesquisadores usaram grupos de 3 pessoas, onde foi pedido que escrevessem uma descrição em dois parágrafos da personalidade de cada um, sendo de seguida comunicado que a descrição feita seria partilhada com os outros dois membros do grupo, sendo que a informação dada serviria como decisão, para cada membro do grupo, se trabalhariam com determinado membro no futuro, consoante a resposta.

Os participantes que foram ‘rejeitados’, sentindo-se postos de parte e alienados, estavam mais predispostos que os que tinham sido ‘aceites’ em relatar que os cenários tinham por detrás uma teoria da conspiração.

Outro estudo liderado pelo psicólogo Viren Swami em 2016 da Universidade de Anglia Ruskin, demonstra um resultado idêntico. Foram questionados 420 adultos, entre os 20 e os 70 anos de idade, em que os resultados demonstraram uma forte correlação entre stress e acreditar em teorias da conspiração. Ou seja, quem reportava maior stress nas suas vidas, tinha uma maior tendência em acreditar em teorias da conspiração. Interessante frisar que não houve correlação significativa entre status social, apenas as camadas mais jovens demonstraram uma maior adesão a teorias da conspiração.

Viren Swami resume a sua pesquisa da seguinte forma:

“Eventos stressantes na vida diminuem a capacidade de pensar mais analiticamente e racionalmente. Uma pessoa a passar por um evento stressante na sua vida pode começar a pensar em uma maneira peculiar de pensar, tal como ver padrões que não existem. Quando esse tipo de pensamento e maneira de ver o mundo se instala, outras teorias da conspiração serão aceites com mais facilidade.

Alternativamente, não é o stress que guia a maneira de pensar de uma pessoa, mas sim uma ameaça ao seu sentimento de estar em controlo. Após eventos stressantes nas suas vidas, é possível que algumas pessoas procurem explicações conspirativas que reivindiquem de volta um sentimento lógico de ordem e controlo nas suas vidas.”

Concluindo

A necessidade de acreditar é inata no ser humano. Tem um propósito evolutivo de grupo, traz um necessário sentido de pertença e pelo ato de identificação com a crença, traz ao ser humano um sentimento de autovalorizarão e autoestima, especialmente por receber elogios do grupo a que pertence, o alicerce do tribalismo ideológico e populismo dos instintos primários.

A identificação é tão forte que passa a constituir parte do ego da pessoa, e um ataque à crença desperta as suas feridas narcísicas, como se fosse um ataque à própria identidade da pessoa.

Contudo necessitamos de educar cientificamente a população, investir a sério na ciência dentro da educação. Assistimos à democratização da informação e não do conhecimento, o que faz proliferar a pseudociência e a morte do iluminismo, o qual pode custar vidas e seriamente atrasar o progresso do humanismo.

A necessidade de acreditar é fundamental. Mas acreditar nos peritos, na ciência, na lógica e aprender que saber e ter opinião dá muito trabalho. Acreditar em algo simplista ou sem nexo, não dá trabalho, tal como o populismo. É necessário ensinar a aprender a pensar e não a deduzir, a investigar em vez de presumir. É necessário e vital uma nova educação que estimule o pensamento crítico baseado na evidência. E a educação científica e humanística é o avanço do iluminismo e a morte do populismo.

Especialista em Neurodesenvolvimento

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)