Rádio Observador

Michel Houellebecq

As vantagens da submissão

Autor
216

Em "Submissão", Michel Houellebecq desfaz as últimas ilusões: nem uma revolução islâmica libertaria a França e a Europa da sua velha oligarquia política.

Os franceses não têm sorte com a literatura. O seu maior escritor do século XX, Louis-Ferdinand Céline, era um anti-semita, e não pode ser comemorado, nem sequer publicado integralmente. Agora, o único escritor francês cujos livros suscitam recensões em Inglaterra e nos Estados Unidos mesmo antes de serem traduzidos, Michel Houellebecq, tem a reputação de detestar, em medidas iguais, o Progresso e o Islão, o que já o levou a tribunal por “incitação ao ódio”. No entanto, a indústria cultural francesa precisa de Houellebecq (mais do que do benigno Patrick Modiano, Prémio Nobel) e da sua auréola de escândalo, sem a qual hoje não há sucesso, e portanto há que resgatá-lo, arranjar-lhe um lugar.

E a melhor maneira é não o levar muito a sério, tratá-lo como um comediante. Houellebecq, no seu último romance, Submissão, agora publicado em português, imagina a França submetida a um regime islâmico? Costumava ser, se a memória não me falha, um slogan de Le Pen (qualquer coisa como “vote Frente Nacional para a França não se tornar uma república islâmica”…). Mas, dizem-nos agora os comentadores, Houellebecq não é bem a versão literária de Marine Le Pen: Submissão é apenas um livro irónico, divertido, para rir, com que não nos devemos preocupar. Faz lembrar a célebre crítica de André Gide a Bagatelles pour un Massacre de Céline: não pode ser a sério…

Sim, Submissão é uma ficção delirante, uma caricatura divertida. Mas é também uma reflexão séria sobre a Europa contemporânea, e que merece ser examinada seriamente.

Houellebecq parte de uma possibilidade perversa: e se o Islão fosse a solução para os impasses da França? É à direita que o islamismo suscita mais hostilidade. Mas talvez só os islamistas possam proporcionar às direitas o que elas desejam: uma restauração tradicionalista na moral e nos costumes, e uma real liberalização da economia. Em Submissão, Houellebecq imagina o novo governo islâmico, em 2022, a privatizar o ensino e a segurança social, a fazer as mulheres regressarem a casa, e a assentar a economia em pequenas empresas privadas. Tudo justificado pela doutrina islâmica, dispensando as referências ideológicas europeias, e sem “convulsões sociais”, porque a esquerda, intransigente com o FMI, não saberia reagir a uma religião associada ao Terceiro Mundo e às “minorias”.

A segunda provocação do livro de Houellebecq está no seu anticlímax. Submissão não contém as cenas apocalípticas previsíveis. No início, há intimações de guerra civil. Mas pouco acontece. A Fraternidade Muçulmana é um movimento islamista, mas a quem repugnam as brutalidades do jihadismo. Aliás, conquista o poder nas eleições presidenciais de 2022 com os votos dos partidos da V República, socialistas e gaullistas, que decidem votar no candidato muçulmano para impedir a vitória de Marine Le Pen. Le Pen tiraria a França do euro e da União Europeia. O novo presidente islâmico, pelo contrário, é um entusiasta da integração europeia, em que logo procura incluir os Estados muçulmanos do Mediterrâneo. Para primeiro-ministro, escolhe François Bayrou, “centrista” e “europeísta”. O Islão é assim a maneira de a velha oligarquia se conservar no poder e prosseguir os seus projectos internacionalistas. De resto, a vida francesa continua, apenas com algumas erratas: as secções “kosher” desaparecem dos supermercados, e as mulheres vestem-se com mais resguardo.

Houellebecq põe o protagonista e narrador do romance, um professor catedrático de literatura, na pista dos escritores convertidos ao Catolicismo no fim do século XIX, como J. K. Huysmans. Huysmans aderiu a uma religião que, como todos os cavalheiros progressistas, se habituara a menosprezar como uma simples crendice, mas que finalmente lhe surgiu como a única via para ultrapassar o mundo decadente do liberalismo e da ciência moderna. Para o protagonista de Submissão, porém, o Catolicismo, despojado entretanto do seu lado “misterioso, sacerdotal e monárquico”, faz agora parte desse mundo decadente. Não é alternativa. A alternativa é o Islão.

A questão de Houellebecq não é nova. Auguste Comte foi o primeiro a ensinar que a humanidade podia descartar o Cristianismo, mas não o dogmatismo religioso. Para Comte, um dogma de tipo medieval era indispensável à vida “normal” dos seres humanos. Um regime sem uma autoridade espiritual protegida do choque das opiniões, seria apenas uma receita de divisão, instabilidade e angústia. Submissão desenvolve-se à volta desta tese de Comte, de quem Houellebecq prefaciou há uns anos uma pequena reedição. Comte ainda pensou criar uma nova religião fundada na ciência e no “culto da humanidade”. Mas o pressentimento de que o verdadeiro sucessor do Cristianismo medieval poderia ser o Islão é antigo. Joseph de Maistre admitiu algures que talvez tivesse sido preferível uma vitória muçulmana em Tours em 732, para poupar a Europa às revoluções protestante e liberal.

Mas não vive a Europa num ambiente de “descrença” já sem remédio? Como nota um dos personagens de Submissão, precisamente o reitor da nova Universidade Islâmica da Sorbonne, o ateísmo contemporâneo é demasiado “superficial” para resistir. Os secularistas europeus, uma vez no poder, usaram o Estado para fazer recuar o Cristianismo, sem perceberem que, recorrendo aos mesmos meios, o seu “homem novo” será igualmente reversível.

Tudo isto é inquietantemente plausível, não apenas graças à arte de Houellebecq, mas porque para nós, modernos, a questão neste assunto não é tanto a verdade, mas o poder. Afastámo-nos do Cristianismo, não por nos parecer uma religião falsa, mas por nos parecer uma religião fraca, de “profetas desarmados”, que Gibbon chegou a responsabilizar pela queda do império romano. Maquiavel propôs o patriotismo da antiguidade clássica como uma “religião” mais efectiva para integrar os indivíduos num movimento imperioso. Desde então, várias ideologias têm pretendido desempenhar esse papel. Hoje, o Islão, com a sua demografia, o seu petróleo, e os seus fanáticos, permite imaginar uma submissão interessante, até pela curiosa possibilidade, a que o herói de Houellebecq naturalmente não resiste (ou este não fosse um romance de Houellebecq), de interpretar o islamismo à luz da História de O (o homem submete-se a Deus, mas para que a mulher se submeta ao homem). O professor convertido de Submissão não só obtém, como contrapartida da sua nova fé, um salário triplicado, mas também três esposas escolhidas entre as alunas da universidade.

Lido assim, este não é um romance sobre uma qualquer “ameaça islâmica”, mas sobre a tentação do poder, e principalmente sobre a venalidade e o oportunismo da oligarquia política e intelectual contemporânea, de quem é possível suspeitar que esteja disposta a todas as sujeições para manter e acrescentar os seus privilégios. Houellebecq apaga as últimas ilusões: mesmo que tudo aparentemente mudasse, os nossos oligarcas continuariam na mesma.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O país onde a política morreu /premium

Rui Ramos
165

As más finanças, a estagnação económica e o envelhecimento demográfico tiraram oxigénio a tudo o que relacionávamos com direita e esquerda em Portugal. Há apenas governo e oposição.

Cultura

Pare de acreditar no Governo (e outras sugestões)

André Azevedo Alves
665

Subscrevo o desejo de que “meio milénio depois da viagem de Pedro Álvares Cabral” o livro "Pare de acreditar no Governo" possa "fazer a viagem em sentido inverso e chegar também a Portugal”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)