Crónica

As vantagens dos incêndios

Autor

A economia daquilo a que chamam tragédias é favorável à comunicação social. Enquanto nos períodos normais, vive de luzes e plumas que tem de pagar, nos desastres tudo é a baixo custo.

Há razões para em Portugal se usar a palavra ‘tragédia’ para uma classe larga de acontecimentos, que inclui o genocídio e o desaparecimento do vinho de Carcavelos. As palavras ‘acidente’ ou ‘desastre’ parecem insatisfatórias, porque de facto não prometem nada: apenas indicam que uma coisa violenta, triste, e inesperada aconteceu. ‘Tragédia’ pelo contrário garante que aquilo que aconteceu é um episódio numa história muitíssimo maior, normalmente oculta, e por isso susceptível de ser revelada.

Encarregam-se das revelações os jornalistas, que explicam o sentido do que acabou de se passar e transmitem histórias de interesse humano. O trabalho de jornalista cobre de uma capa de vileza moral tudo o que é o caso: sugere que há uma explicação para os acontecimentos, que naturalmente é a que ocorre aos jornalistas; e transforma tudo o que lhes interessa em interesse. Os jornalistas alegarão que a sua profissão se ocupa do interesse humano: mas na realidade o interesse humano de tudo o que acontece coincide sempre com o seu interesse profissional; nada do que é profissional lhes é estranho.

A economia daquilo a que chamam tragédias é favorável à comunicação social. Enquanto nos períodos normais a televisão e a imprensa vivem de luzes, música, plumas, comentadores e lantejoulas, que têm de ser pagos e custam muito dinheiro, um acontecimento imprevisto fornece grandes cenários naturais e humanos a baixo custo. A consequência evidente para quem presta atenção a esses acontecimentos é a atenção extraordinariamente demorada a tudo aquilo que sai de graça. Num barranco em chamas, e entre blocos de publicidade, o mesmo jornalista improvisa infinitamente sobre o barranco em chamas; e quando escasseiam imagens variadas de barrancos em chamas, o mesmo jornalista improvisa infinitamente sobre as mesmas imagens. O seu género é a stand-up tragedy.

Mas são os cenários humanos obtidos de graça que tornam o espectáculo mais repelente. Nessas alturas o jornalista aproxima-se pé ante pé e faz perguntas que sabe antecipadamente serem de êxito garantido. É o herdeiro das mães que gostam de ver os filhos a chorar, e das crianças que arrancam as pernas às moscas. A sua vileza maior consiste em tornar pessoas vis: em deliberadamente e com premeditação converter o mundo num repositório de figurantes em que cada pessoa paga o seu aparecimento na televisão com o espectáculo público daquilo que em circunstâncias normais lhe deveria aparecer apenas em sonhos.

Embora alguns jornalistas gostem de se mostrar entre pessoas mortas, são os barulhos e os gestos das pessoas vivas que lhes permitem ocupar o tempo de emissão com mais proveito; e são eles que mobilam com conteúdos o que de qualquer maneira os jornalistas nunca conseguiriam por si só imaginar: um cão, um filho, um tractor, uma mala de roupa. Visto o que se tem visto, os acontecimentos recentes sugerem que nem sempre será boa ideia não matar o mensageiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Os brasileiros que me envergonham

Ruth Manus
3.609

Existe uma leva de brasileiros que há 10 ou 15 anos se mudaria para Miami, mas que agora decidiu vir para Portugal para “se livrar do terceiro mundo”. Têm muito dinheiro, mas pouco na cabeça. 

Crónica

É difícil ser adulto em Portugal

Ruth Manus
1.470

A vida é levada muito mais a sério pelos portugueses do que pelos brasileiros. Por isso, em Portugal, quando abandonamos a infância temos que abandonar tudo o que se relacionava com ela. 

Crónica

Crónica pascal: a raiz quadrada de zero

Paulo de Almeida Sande
142

A vida é um mosaico sem fim de rostos como os nossos, da nossa gente, boa ou má. Mas o ódio e o amor não se devem confundir, sob pena de ser zero a sua soma. E o zero não se multiplica, nem se divide.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site