Rádio Observador

Vladimir Putin

Até onde poderá ir a ingerência do Kremlin na Europa?

Autor
131

Depois da invasão da Geórgia (2008) e da anexação da Crimeia e de parte do Leste da Ucrânia (2014), os apetites do dirigente russo já transbordaram o espaço pós-soviético e chegam agora aos Balcãs.

A Rússia de Vladimir Putin pode ter interesses internacionais, até porque é um importante jogador na política mundial, mas eles não devem restringir os direitos de países estrangeiros, nomeadamente no que diz respeito à adesão à NATO.

Depois da invasão da Geórgia (2008) e da anexação da Crimeia e de parte do Leste da Ucrânia (2014), os apetites do dirigente russo já transbordaram o espaço pós-soviético e chegam agora aos Balcãs. O Kremlin chama a si o direito de tentar impedir o Montenegro de entrar na Aliança Atlântica.

Em Março de 2014, Milo Jukanovich, primeiro-ministro deste pequeno Estado dos Balcãs, justificou o pedido da adesão com a invasão da Crimeia pelas tropas russas. No ano seguinte, o seu país foi formalmente convidado a aderir à NATO e, em Maio de 2016, foi assinado um protocolo entre as partes.

Este último documento foi levado a votação no Parlamento do Montenegro e retificado, em Abril passado, com os votos de 46 dos 81 deputados desse órgão. No dia 5 de Junho, esse país tornar-se-á o 29º membro da Aliança Atlântica.

Porém, o Kremlin não aceita essa decisão soberana e tenta uma vez mais ditar condições a outros países europeus. Maria Zakharova, porta-voz da diplomacia russa, alegou que, “tendo em conta o potencial do Montenegro, a Aliança Atlântica dificilmente tirará uma “mais valia” significativa [desse passo]” . Se assim é, porque é que a adesão desse país tanto irrita Moscovo?

A diplomacia russa tenta desesperadamente manter ou alargar a sua área de influência nos Balcãs, onde desde há séculos que se procura afirmar. Não o conseguiu durante a existência da Jugoslávia, mas esforça-se por o conseguir em países da região como a Sérvia e o Montenegro.

No caso deste pequeno país, os serviços secretos russos muito têm tentado para afastar do poder as forças que lutam pela integração do país nas estruturas da NATO.

Em Fevereiro do ano passado, o procurador especial de Montenegro. Milivoi Katnic acusou as autoridades russas de prepararem um golpe de Estado nesse país, mas o Kremlin responde que semelhantes acusações são “absurdas”.

Ainda durante a sua visita a Paris, Vladimir Putin tentou convencer-nos de que o seu país não se ingere nos assuntos externos de outros Estados, mas as ameaças feitas por Maria Zakharova no mesmo dia aos dirigentes montenegrinos mostram que na Rússia já nem sequer preocupam com as contradições nos discursos oficiais.

Depois de criticar a decisão das autoridades montenegrinas, a extravagante porta-voz da diplomacia russa aconselhou os cidadãos do seu país a “pensarem duas vezes antes de irem passar férias ao Montenegro”. Tendo em conta que o turismo russo tem um forte peso na economia desse país da costa do Mar Adriático, trata-se claramente de chantagem e de sanções, política que o Kremlin diz repudiar e condenar.

No mesmo dia, a polícia russa deteve num dos aeroportos de Moscovo, sem qualquer tipo de explicação, Miodrag Vukovic, deputado do Partido Democrático do Montenegro, força que apoiou a adesão desse país à NATO. O Ministério montenegrino dos Negócios Estrangeiros apresentou uma nota de protesto, que ainda não teve resposta.

É este tipo de política de Vladimir Putin que continua a justificar cada vez mais a existência de uma Aliança Atlântica forte. Isto não obstante todas as “declarações de paz” do autocrata russo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A hipocrisia da política de sanções /premium

José Milhazes
403

A Europa perdoou à Rússia a agressão à Ucrânia, a invasão da Geórgia em 2018 e dá mais uma prova de “misericórdia” em 2019. A que se deverá este acto que traz à memória o famigerado Acordo de Munique?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)