Greve

Avaliar os Sindicatos de Professores /premium

Autor
133

Há estudos que apontam para que as greves dos professores tenham impactos negativos e duradouros na vida dos estudantes, impactos que são mais graves nos rapazes e entre os que pertencem a minorias.

Qualquer professor se questiona de vez em quando sobre qual a utilidade das suas aulas. Quanto perderão os alunos se perderem uma aula? Devo dizer que eu, enquanto estudante, quando tive essa liberdade, ou seja, na universidade, era selectivo com as aulas a que ia. Havia dois professores que eram tão maus que, em vez de ir às suas aulas, preferia ir para a biblioteca estudar a matéria que estavam a leccionar. Mas, claro, em média, era preferível ir às aulas. E eu lá ia a bastantes, na verdade.

Mas a questão mantém-se: qual o impacto de um dia sem aulas? É, notoriamente, uma questão cuja formulação é bem mais simples do que a sua resposta, mas sem esta é impossível  estimar o prejuízo que uma greve de professores causa aos alunos. Há uns anos, o professor da Universidade de Toronto Michael Baker publicou um artigo no Canadian Journal of Economics onde estudou o impacto das greves dos professores nos resultados dos estudantes. Usou dados sobre 100 greves de professores que aconteceram ao longo de 30 anos. Diga-se que estas greves eram a sério e não daquelas que mais parecem servir para aproveitar uma ponte. Em média, cada uma das paralisações durou 19 dias, havendo algumas que duraram mais de 50 dias.

Para estimar o efeito das greves, Baker socorreu-se de uma estratégia bastante engenhosa. Estudou a evolução das notas dos alunos em exames que ocorrem no 3º e no 6º ano de escolaridade. Estudou essa evolução em anos em que houve greves e comparou com anos sem greves. Os resultados foram concludentes, especialmente em Matemática, ficando demonstrado que os alunos que tinham apanhado com greves (volto a lembrar que estamos a falar de greves bastante longas) tinham performances significativamente piores.

Apesar de interessante, o resultado descrito no parágrafo anterior refere-se apenas a exames de crianças bastante novas. Ou seja, têm muitos anos para recuperar desse revés e é possível que quando chegarem à vida adulta tais greves não tenham qualquer impacto. Há no entanto um outro estudo, de dois estudantes de doutoramento da Cornell University. Este, usando dados para a Argentina, onde entre 1983 e 2014 houve 1500 greves de professores, procura estimar o impacto que aquelas têm 30 anos depois, quando os alunos afectados já estão no mercado de trabalho. Este artigo, que deverá ser publicado no Journal of Labor Economics, é particularmente interessante.

Para identificarem os efeitos das greves dos professores, os autores, David Jaume e Alexander Willén, recorreram a duas fontes de variação: (1) para cada província, compararam gerações de estudantes que enfrentaram um número diferente de dias de greve, e (2) para cada geração de estudantes, compararam províncias que tinham enfrentado diferentes dias de greve. As conclusões foram, mais uma vez, importantes. Um estudante que na escola primária tenha, em 4 anos, apanhado com 88 dias de greve (a média para a Argentina), 30 anos depois tem rendimentos anuais inferiores em 3,2% (se for homem) e em 1,9% (se for mulher) do que teria se não tivesse havido greves. Como se vê, trata-se de um impacto muito significativo, que vem agravado pelo facto de os autores também evidenciarem o facto de que os filhos destas pessoas têm igualmente performances escolares inferiores. Ou seja, o prejuízo passa para as gerações seguintes.

Como se percebe pelos parágrafos anteriores, as greves dos professores têm impactos negativos e duradouros na vida dos estudantes. Mas há que reconhecer que estamos a falar de greves que são muito mais longas do que aquelas a que estamos habituados, pelo que não podemos pôr de parte a hipótese de que em Portugal os efeitos negativos das greves sejam negligenciáveis. Há no entanto um outro estudo, feito por um professor da Cornell (Michael Lovenheim) com Alexander Willén (co-autor do trabalho referido antes), que procura estimar o impacto do poder dos sindicatos dos professores nas futuras remunerações dos seus alunos. Este trabalho, que deverá ser publicado no American Economic Journal: Economic Policy, recorre a alterações legislativas que ocorreram nos Estados dos Estados Unidos. Estas mudanças legislativas davam mais força negocial aos sindicatos ao obrigar os distritos educacionais a negociar com eles  (duty-to-bargain laws).

Como estas leis foram sendo implementadas ao longo de 40 anos em diferentes Estados, os autores puderam, usando técnicas econométricas adequadas, calcular os seus efeitos, estudando o impacto diferencial de Estado para Estado.


Fonte: o artigo linkado no texto

Mais uma vez, os resultados são muito interessantes (de outro modo não seriam publicados em revistas científicas tão boas). Os efeitos foram especialmente fortes para os homens. Dez anos depois da entrada em vigor destas leis, os autores estimam que a remuneração dos ex-alunos cai 3,64%. Igualmente importante, os efeitos são ainda mais fortes entre negros e hispânicos (8,77%), ficando a ideia de que as minorias são mais afectadas. Possivelmente, e estou a especular, isso terá a ver com o facto de terem menos hipóteses de frequentarem o ensino privado. Esta ideia de que as minorias são mais afectadas é reforçada pelo facto de, no lado das mulheres, os autores apenas terem encontrado efeitos negativos para negras e hispânicas (enquanto as caucasianas não parecem ser afectadas).

Como é comum, este tipo de estudos não existe para Portugal (pelo menos de que eu tenha conhecimento), pelo que temos sempre de ter cuidado com a transposição dos resultados para a nossa realidade. Em especial, porque, apesar de haver uma relação de causalidade bem estabelecida, os autores ainda não compreenderam o mecanismo pelo qual o aumento do poder sindical parece prejudicar a vida profissional dos alunos. Mas, no mínimo, estes estudos mostram que os interesses dos professores, ou dos seus sindicatos, nem sempre coincidem com os dos estudantes.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

O sexo e a concorrência /premium

Luís Aguiar-Conraria
141

Se até algo como a simplificação burocrática na criação de empresas teve efeitos na redução da desigualdade de género dos salários, percebe-se o absurdo da ideia de que não há discriminação salarial.

António Costa

Três perguntas, três não-respostas /premium

Luís Aguiar-Conraria
307

Os desafios da nossa evolução demográfica não são compatíveis com um discurso puramente conjuntural de “vamos lá fazer com que alguns jovens regressem ao país e diversificar algumas fontes de receita"

Orçamento do Estado

Por um IVA civilizado /premium

Luís Aguiar-Conraria
2.744

Se for a um restaurante de luxo, o IVA que é pago é de 13%. Se beber uma cerveja, paga 23% de IVA, já se beber um vinho de 150€ paga apenas 13%. Ou seja, andamos a subsidiar gastos de gente rica.

PSD

Cá a direita vale menos do que na Venezuela? /premium

Miguel Pinheiro
100

Se o PSD é um partido de esquerda, então a direita em Portugal está reduzida ao CDS. Ou seja, vale 7%. Ou menos. Como nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua, alguém anda enganado.

Política

A direita deve unir-se num só partido /premium

André Abrantes Amaral

Perante a bipolarização escamoteada da política portuguesa uma coligação pré-eleitoral, de preferência uma fusão do PSD, CDS e Aliança num só partido de direita não só se torna necessária como natural

Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Tiago Dores
437

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

PSD

A importância da regra do jogo /premium

Maria João Avillez

Eis Montenegro, com uma velocidade igual á infelicidade: que o faz correr agora? Mas o que ele disse foi inversamente proporcional ao estrépito com que galopou para a sela do PSD (que não a do país).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)