PSD

Em Portugal a direita vale menos do que na Venezuela? /premium

Autor
  • Miguel Pinheiro
403

Se o PSD é um partido de esquerda, então a direita em Portugal está reduzida ao CDS. Ou seja, vale 7%. Ou menos. Como nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua, alguém anda enganado.

Catarina Martins e Jerónimo de Sousa ter-se-iam sentido em casa no primeiro congresso do PSD, em novembro de 1974. No Pavilhão dos Desportos, em Lisboa, ouviram-se apelos insistentes à “construção de uma sociedade socialista”, críticas ácidas aos “vícios do sistema capitalista”, pedidos repetidos de “socialização dos meios de produção” e declarações de amor incondicional a um sistema de planificação da economia.

Houve arroubos e entusiasmos. Um social-democrata do Algarve particularmente extasiado discursou para exigir a nacionalização “imediata” da indústria hoteleira. E, a dada altura, profundamente embalados neste fervor revolucionário, os delegados ao congresso ficaram tentados a introduzir no programa do partido a defesa da autogestão das empresas — e só a custo se contentaram em ficar um degrau abaixo, na co-gestão. Um excêntrico que se deu ao trabalho de defender medidas económicas liberais — Alfredo de Sousa — nem conseguiu acabar de ler o seu discurso.

Ouvindo tudo isto entre o pasmo e o susto, Mota Pinto (pai do atual presidente da Mesa do Congresso do PSD), virou-se para o lado e sussurrou: “Qualquer dia estamos à esquerda do MRPP…”

De facto, esse dia não parecia estar longe. No encerramento do congresso, o próprio Sá Carneiro defendeu “a construção de uma sociedade socialista em liberdade” (a sério) e criticou o “neocapitalismo” e o “neoliberalismo” (juro pela minha saúde).

Não que Sá Carneiro acreditasse nisso, como é evidente. Uma coisa era o que ele dizia em pleno processo revolucionário, rodeado por perigos e ameaças; outra coisa (muito, muito diferente), era o que ele pensava. Pouco depois do anúncio da fundação do partido, encontrou-se com Barbosa de Melo, entregou-lhe várias folhas com um projecto de programa e pediu-lhe a opinião. Depois de ler o texto com crescente perplexidade, Barbosa de Melo sentou-se com alguns dirigentes do partido e anunciou-lhes: “Tenho muita pena, mas isto não é o programa de um partido social-democrata. O que vocês estão a fazer é um partido liberal. Portanto, não é a minha opção”. Depois de uma conversa urgente pelo telefone com Sá Carneiro, Barbosa de Melo ouviu o recado: “Ó pá, escreve tu umas bases programáticas como entenderes”.

Estas histórias antigas não são mera arqueologia porque mostram uma coisa importante. Sá Carneiro — que Rui Rio e Luís Montenegro invocaram nos últimos dias, tentando arregimentá-lo para as suas campanhas — não dava especial importância ao discurso teórico sobre se o PSD era de direita, de centro, de esquerda ou (porque não?) de extrema-esquerda. Mas ele sabia muito bem quem é que o partido representava. Dentro do PSD estaria algum eleitorado de esquerda, com certeza, mas também estava, seguramente, a esmagadora maioria do eleitorado de direita em Portugal, que queria um país democrático e capitalista.

É, por isso, surpreendente perceber que há hoje figuras relevantes do PSD que de facto acreditam que o PSD não tem nada a ver com a direita. Nem, aliás, sequer, ainda que timidamente, com o centro-direita. Manuela Ferreira Leite disse mesmo, há dias, “preferir” que o PSD tivesse “pior resultado nas eleições” do que exibir um “rótulo de direita”, que se presume, pelas suas palavras, ser portador de peste negra.

Aliás, se levássemos a sério esta peculiar definição daquilo que é o PSD — um partido que execra a direita –, teríamos que chegar à surpreendente conclusão de que, em Portugal, a direita vale os 7% que as sondagens dão ao CDS. Aliás, nem isso, tendo em conta que alguns militantes do partido de Assunção Cristas levam a sério a designação de “centristas” e, por isso, também olham com suspeição para o “rótulo de direita”.

Logo a seguir ao 25 de Abril, sempre se disse que, no PSD e no CDS, os dirigentes estavam à esquerda dos militantes e os militantes à esquerda dos eleitores. Mas convenhamos que agora, em 2019, estamos a chegar a um ponto próximo do ridículo. Sete por cento ou menos? Nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

PCP

Difamação! Calúnia! Perseguição! /premium

Miguel Pinheiro
298

Para o PCP, os jornalistas incómodos são “preconceituosos”, “provocadores”, “ridículos”, “rasteiros” (pausa para respirar), “insidiosos” e (o meu preferido, de longe) “repugnantes”.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
215

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)