Rádio Observador

Sistema Financeiro

Goodhart na regulação bancária

Autor

Se é esta a regulação que temos, para que serve a regulação? Será apenas para iludir o povo com a impressão de que políticos e Governos levam a sério a estabilidade do setor financeiro?

A política económica e a gestão empresarial são, cada vez mais, formuladas e executadas com base em indicadores numéricos. O que seria muito bom, se os gestores percebessem o que os números e rácios que geralmente usam realmente significam, o que frequentemente não acontece. E que seria excelente, se esses indicadores mantivessem alguma relação com o objetivo que se pretende atingir.

Infelizmente, mesmo quando pudesse haver, originalmente, alguma relação entre indicador e alvo a atingir, essa relação perde-se no momento em que o indicador é estabelecido como objetivo. Esta é a essência da Lei de Goodhart, que na sua formulação mais simples estabelece que “quando um indicador se torna objetivo, deixa de ser bom indicador”, e que, no enunciado original, postula que “qualquer regularidade estatística tenderá a colapsar quando pressionada para servir de controlo”. Charles Goodhart explica a perda do conteúdo informacional, que parecia tornar um indicador relevante, por as pessoas alterarem o seu comportamento quando lhes é dado um objetivo a atingir. Note-se que o propósito de estabelecer objetivos é justamente alterar comportamentos. Mas estas alterações de conduta têm, por sua vez, o efeito de mudar a relação que podia existir entre o indicador adotado e o objetivo a alcançar. O que torna o indicador, na melhor das hipóteses, irrelevante, e muitas vezes, contraproducente na prossecução do fim que se pretende.

Goodhart formulou este princípio fundamental, mas quase universalmente ignorado, no contexto da política monetária. No entanto, ele afeta todas as políticas públicas e toda a gestão privada. Uma das áreas mais óbvias tem sido o da regulação prudencial dos bancos. Os Acordos de Basileia III surgiram em resposta a deficiências detetadas na regulação proposta nos Acordos de Basileia II e Basileia I. Fizeram-no estabelecendo novos rácios de capital, alavancamento e liquidez. Porquê? Porque, ao serem adotados como objetivo, os rácios e métricas estabelecidos nos acordos anteriores tinham perdido qualquer relação que pudessem ter tido com a solidez financeira dos bancos.

Alguém duvida que, depois da próxima crise financeira, nos venham dizer que, afinal, é preciso que a regulação adote novos rácios e métricas “mais adaptados à realidade”? Se é esta a regulação que temos, para que serve a regulação? Será apenas para iludir o povo com a impressão de que políticos e Governos levam a sério a estabilidade do setor financeiro?

Professor de Finanças, AESE Business School

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Viana do Castelo

As rãs e o prédio Coutinho

José Miguel Pinto dos Santos
618

Sobra a questão: como pode isto acontecer num Estado dito de direito? E não só isto, mas toda a arbitrariedade estatal e impunidade dos detentores de cargos públicos que constantemente é noticiada?

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Economia

Não nos deixemos iludir /premium

Helena Garrido
279

Para que a próxima crise nos apanhe menos desprevenidos do que a anterior é preciso ser capaz de gerir a perda de poder de compra. Os alertas do FMI sobre Portugal mostram um país ainda muito frágil.

Sistema Financeiro

Chegados ao ponto de vertigem do Dólar…

Jorge Silveira Botelho

Na prática, a FED devolveu a flexibilidade necessária à sua política monetária para assegurar a longevidade do atual ciclo económico global, revelando assim o desejo secreto de um Dólar mais débil.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)