Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

Há um nome por detrás de Berardo: Sócrates /premium

Autor
8.841

É justo que Berardo cause indignação. Mas é também exigível que esta se alargue a quem tenta convencer-nos que Portugal é o país dos enganados – onde ninguém sabia de nada e ninguém desconfiou de nada

O país abraçou um consenso nacional sob a forma de indignação contra Joe Berardo. A questão é que esse consenso cheira a podre: chegou com 10 anos de atraso e aconteceu por mero acaso – na sua audição parlamentar, o empresário não trouxe novidades de conteúdo, mas errou na forma e atropelou os limites da desfaçatez de tal modo que ascendeu a inimigo n.º1 do regime. E, mais importante ainda, a indignação falhou o alvo e esconde a parte maior do problema. Essa parte é que Joe Berardo só é o que é (e deve o que deve) porque houve quem na esfera do Estado o permitisse e até o promovesse em nome dos seus planos de poder. Sim, Berardo merece que a espada da justiça lhe caia em cima sem contemplações. Mas fazer de Berardo o vilão de um período negro da nossa vida colectiva (2006-2009) é esquecer que ele foi sobretudo o protagonista visível de um esquadrão de tomada de poder na sociedade portuguesa. Liderado por quem? É só seguir o trilho do dinheiro em três episódios.

Primeiro episódio: o assalto ao BCP. Joe Berardo é um grande devedor da Caixa Geral de Depósitos (CGD) – cerca de 400 milhões de euros, obtidos entre 2006 e 2007, contornando todas as regras e critérios de prudência definidos pela CGD (ou seja, com interferência superior). Obteve ainda mais 600 milhões de euros entre o BCP e o BES. Esse dinheiro foi utilizado para comprar acções do BCP (um negócio ruinoso) quando o banco vivia internamente uma guerra de poder entre o seu fundador (Jardim Gonçalves) e um grupo de accionistas (Berardo, Mexia, Nuno Vasconcelos da Ongoing, e Carlos Santos Ferreira líder da CGD à época, Armando Vara, entre outros). A operação foi um sucesso político (Jardim Gonçalves saiu do BCP, entrando Carlos Santos Ferreira e Armando Vara) e uma desgraça financeira, com a desvalorização acelerada do BCP. Em Novembro de 2008, Berardo entra em incumprimento mas nunca as garantias bancárias que deu foram executadas. O golpe tinha uma razão de ser, como explicou recentemente o próprio Jardim Gonçalves: “o primeiro-ministro [José Sócrates] e o ministro das Finanças [Fernando Teixeira dos Santos] precisavam de ter um controlo mais fino do sistema financeiro para fazerem a colocação da dívida pública; mandavam na CGD e o BES [Ricardo Salgado] era dócil e tomava a dívida pública e o BCP era independente”. Ou seja, Berardo integrou um golpe de controlo político do sistema bancário que escavou um gigantesco buraco de dívidas.

Segundo episódio: a derrota da OPA da SONAE à Portugal Telecom (PT). Em 2006, a SONAE lançou uma Oferta Pública de Aquisição sobre a PT. Nessa altura, Berardo adquiriu acções da PT e rapidamente se colocou do lado contrário ao da SONAE, opondo-se à venda da PT. Foi o rosto público da defesa desse lado, juntamente com Zeinal Bava e Henrique Granadeiro – assim como o BES de Ricardo Salgado, a CGD e a Ongoing de Nuno Vasconcelos. Foi o lado vencedor, mas a um preço: em troca da oposição à venda, Zeinal Bava distribuiu dividendos aos apoiantes e alinhou nas instrumentalizações políticas que, anos depois, viriam a destruir a empresa (fragilizada pela queda do BES e a perda dos empréstimos que havia feito ao banco de Ricardo Salgado). Felizmente para Berardo, o empresário vendeu as suas acções antes do descalabro – e com ganhos.

Terceiro episódio: a colecção Berardo no CCB. Abdiquem-se dos rodeios: foi extremamente polémica a decisão, em 2006, de entregar o centro de exposições do CCB à Fundação Colecção Berardo (uma entidade privada) e atribuir-lhe poderes de gestão de um espaço que era público e onde surgiu um museu com o nome do empresário madeirense. O Presidente da República de então, Cavaco Silva, promulgou com reservas face aos poderes demasiado amplos de Berardo na gestão do museu. A Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, diz-se ter sido ultrapassada no processo negocial pelo próprio primeiro-ministro José Sócrates. Mais ainda: os termos dessa negociação demoraram anos a tornar-se claros e públicos, ficando posteriormente evidente que o Estado havia assumido responsabilidades de investimento (500 mil euros anuais, que entretanto deixou de se aplicar) e encargos de manutenção (que superaram o milhão de euros) – num museu cuja entrada era gratuita por vontade irredutível do empresário. Balanço: Berardo conseguiu um acordo que sobrecarregou o orçamento do CCB, poupou nos seus próprios custos de manutenção das obras e ganhou um enorme prestígio social ao ter no CCB um museu com o seu nome.

Estes três episódios, todos passados entre 2006 e 2008, têm um elemento em comum: José Sócrates, o primeiro-ministro que, aliás, Berardo nunca se inibiu de elogiar – “se queremos acompanhar a competitividade do mundo, temos que ter líderes como ele [Sócrates] senão estamos tramados”. E, com Sócrates, todos os nomes do poder financeiro e empresarial que, com estreitas ligações ao PS, alinharam nos seus esquemas de controlo dos vários domínios da sociedade portuguesa. A história de Berardo é, portanto, a de um empresário que serviu o poder político enquanto deste também se conseguiu servir. Sob a liderança de Sócrates e da sua rede, esse serviço foi generosamente recompensado.

Sim, é justo que o desplante de Berardo cause indignação. Mas é igualmente exigível que a indignação se alargue a quem hoje tenta convencer-nos que Portugal é o país dos enganados – onde ninguém sabia de nada, ninguém viu nada e ninguém desconfiou de nada. É que, se Sócrates é o nome por detrás de Berardo, ao lado de Sócrates surgem muitos outros nomes de que não se fala. Alguns caíram nas malhas da Justiça (Armando Vara e Ricardo Salgado) ou foram proscritos enquanto coveiros do património empresarial português (Zeinal Bava). Mas muitos outros continuam por aí, na política activa, no governo e nos mais altos cargos públicos, agindo como se nada fosse com eles. Mas também foi com eles (ou com a sua tolerância) que um projecto de poder e corrupção tentou controlar a sociedade portuguesa. Quando acabar esta história, é tão importante que Berardo não se fique a rir como é fundamental que tantos outros prestem contas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Regionalização

O multiplicador de tachos /premium

Alexandre Homem Cristo
615

PSD e PS patrocinam o debate da regionalização que, traduzido para politiquês, não é mais do que um multiplicador de cargos políticos, nomeações e despesa pública – de tachos, portanto. Não, obrigado.

Ana Gomes

A boa socialista /premium

Alexandre Homem Cristo
555

O PS não perde uma oportunidade para se desvincular de Ana Gomes. Isso diz muito mais sobre o PS do que sobre ela – mostra como a ética republicana é incompatível com o actual aparelho socialista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)