Neste texto vou apresentar-vos uma aventura histórica de um líder nato. Um político flexível, o único que consegue agradar a gregos e a troianos. Consegue também agradar aos lusos, esse povo difícil de cativar. No mais recente campo de batalha europeu, batalha esta que substitui cabeças a rolar, pontes a cair, igrejas em chamas e tanques a desembarcar, por uma videochamada com instruções para manter o micro desligado para não se ouvir ruído, surgiu então o nobre lusitano para defender esta ocidental praia e seus históricos aliados contra os palavrões repugnantes do agressor neerlandês. Vamos então tentar avaliar este episódio que segundo a aparente opinião pública, dá a vitória ao paladino português, com honras de ser recebido em casa da Cristina.

Cá vai então uma opinião impopular: apesar de alegadamente repugnantes, as palavras de Wopke Hoekstra parecem-me razoáveis. Antes que me retirem a nacionalidade e me expropriem os bens, eu passo a explicar o meu ponto de vista. Não ouvindo, mas admitindo que as palavras dele foram num tom incendiário, é algo a reprovar pelo momento delicado que todos passamos. Mas retiremos as palavras do senhor do contexto hiperbolizado pela extrema sensibilidade em que toda a gente se encontra e vamos por partes. O ministro das finanças holandês vem de um país onde o governo é liberal. E já aqui, temos de fazer uma pausa para entender a palavra mais misteriosa das últimas semanas — talvez meses — desde que foi eleito um deputado liberal no parlamento português. Liberal significa, em termos bem simples, que o que se pretende é uma participação diminuída do Estado na economia e nas regras da sociedade.

Penso que é aqui que as dúvidas surgem: diminuída não significa inexistente. Nem fraca, antes pelo contrário. Se é verdade que, ao contrário do Estado, os mercados geralmente ajudam a alocar mais eficientemente os recursos entre as pessoas conforme as suas necessidades, também é verdade que isso não é indiscutivelmente sempre o caso. E é isso que distancia um liberal de um socialista ou de um libertário. É reconhecer que, para a generalidade dos casos e das interações entre pessoas (até na saúde), é bom haver propriedade privada e preços, mas que há alguns casos onde isso simplesmente não basta para se atingir um maior bem-estar. Então em casos de saúde pública está encontrada uma exceção à intervenção meramente privada. Em casos de crise económica também. Quando há crises é preciso o Estado intervir. Um facto com um ponto final assumido com todo o orgulho e naturalidade pelos liberais. Não percebo então como é que um líder tão sábio e tão bom para as suas gentes confunde Iniciativa Liberal com Iniciativa Estatal. Mas vamos desculpar, podia só estar cansado das suas batalhas contra as ameaças externas.

Voltando à Holanda, a sua resposta às crises e desempenho nos períodos de expansão económica é interessante e bate certo com a teoria liberal: simplesmente, em tempos de crise, a Holanda aumenta a dívida relativamente à produção de riqueza e em tempos de prosperidade económica global diminui. Simples. Quando voltam os períodos sombrios, a Holanda volta a investir nos serviços públicos para fazer face à iminente miséria que sabemos bem que uma crise económica significa. Quando passam as trevas, o Estado sai de cena e deixa as pessoas fazerem as suas escolhas e terem as suas próprias iniciativas, libertando-as dos fardos tanto de um governo gordinho, como de empresas lobistas bem alimentadas.

Olhando para Portugal, Espanha e Itália — os novos aliados contra os cruéis nortenhos — vemos que, desde a última grande crise, assertivamente aumentam a despesa pública tal como mandam os manuais, mas nos tempos de prosperidade que se seguiram parecem não fazer muito para descolar o Estado da vida económica, ou se o fazem, fazem-no “poucochinho” como diria o nosso guardião. Assim pelo menos indicam os níveis de dívida pública/PIB. Inclusivamente, até o nosso guarda-Costas reivindica ter virado a página da austeridade sozinho, qual Hércules das Finanças Públicas, e lançado o país para uma estabilidade económica olímpica, nunca vista, apoiado apenas com a sua clava, o Estado claro.

Começa a ficar então cada vez mais razoável a declaração de Wopke Hoekstra, pois parece que o Estado de uns anda a poupar em tempos bons para enfrentar tempos maus e o Estado de outros anda a gastar em tempos bons e a estender a mão em tempos maus. Umas cigarras e outras formigas, portanto.

A situação ainda se agrava mais quando vemos quem são os contribuintes e beneficiários líquidos dos fundos comunitários da União. Talvez com surpresa para alguns com o sentido de justiça social mais apurado nos últimos tempos, a Holanda posiciona-se no topo dos contribuintes líquidos: paga mais do que o que recebe. Já Portugal, sem surpresa, posiciona-se confortavelmente entre o topo dos beneficiários líquidos: recebe mais do que o que paga.

Numa altura em que a solidariedade deveria reinar, deveria imperar também a capacidade de nos colocarmos nos pés não só dos nossos compatriotas, mas também nos dos nossos concidadãos europeus. E com isto não estou a querer dizer que este é o momento para consolidar as contas públicas e apertar o cinto da austeridade. Pelo contrário: este é o momento de investir fortemente (e mais importante até, inteligentemente) na nossa economia e nos nossos serviços públicos para termos uma recuperação mais suave. Mas ao mesmo tempo não podemos descartar a hipótese de os holandeses sentirem que os nossos governantes cantam muitas cantigas de punho erguido durante o verão, porque sabem que no inverno serão resgatados com a mão estendida. O que diríamos nós se estivéssemos na mesma posição?

Infelizmente para nós, o que o nosso herói não nos diz é que não estamos em posição para aumentar a nossa despesa. Estamos até numa posição tremendamente desconfortável, estando no top-10 dos países relativamente mais endividados do mundo. Muito provavelmente, depois desta quarentena vamos acordar para uma realidade conhecida e ameaçadora. Significa o que estão a pensar: Troika. Significa o que temem: austeridade. Isto não nos diz Costa.

Quem nos dera a nós que Costa não fosse forçado a estender a mão à procura da única solução que lhe, nos, pode salvar a pele: a emissão de dívida conjunta pela União. Uma solução que não vai acontecer sem consequências para a nossa soberania orçamental e fiscal. Porque desengane-se que as formigas europeias aceitam tal partilha de risco sem exigir que aqui as cigarras abram mão da sua gestão do país. Não gerimos bem a bem, gerimos bem a mal. E se os Venturas já crescem sem intervenções externas na nossa economia e no nosso dia a dia, que será quando tivermos ainda mais fortes restrições impostas pelos estrangeiros. Isto não nos diz Costa.

Quem nos dera a nós que durante estes últimos anos tivéssemos ganho margem para agora podermos com ou sem ajudas recuperar as nossas empresas, os nossos empregos e enfim, o nosso País. Perdemos a maior oportunidade que nos foi dada. A instalação da Geringonça levou-nos a um previsível beco sem saída, à construção de um frágil castelo de cartas em que só bastava uma rajada de instabilidade da janela exterior para se desmoronar. Mas isto, Costa, mesmo sabendo desde o início, não nos disse.

Nós, os portugueses, precisamos de uma autêntica vaca voadora. Eles, os holandeses, não precisam. Isto é que é repugnante.