Rádio Observador

Global Shapers

Liderança climática /premium

Autor
131

É inspirador para o país o surgimento de iniciativas lideradas por empresas que procurem antecipar o futuro e trabalhar na criação e aplicação de políticas sustentáveis.

Decorre esta semana no Porto a Conferência Climate Change Leadership que tem nesta edição como principal orador Al Gore, antigo vice-presidente dos Estados Unidos, prémio Nobel da Paz e um dos mais destacados ativistas na luta contra as alterações climáticas. Esta conferência é promovida por uma das mais antigas casas de Vinho do Porto e tem como tema, para além das alterações climáticas, soluções para a indústria do vinho enfrentar esta nova realidade.

O vinho está intimamente ligado ao local onde as suas uvas crescem e a condições como temperatura, humidade, tipo de solo, topografia, entre muitos outros atributos naturais. Estes elementos são parte importante do terroir associado a um determinado tipo de vinho e fundamentais para tornar um vinho especial e excepcional. O inegável aumento das temperaturas médias, com anos cada vez mais quentes, provoca um aumento de situações de seca e faz com que cada vez mais água seja absorvida dos oceanos, fazendo com que fenómenos extremos como incêndios, tempestades e inundações sejam também cada vez mais frequentes. Estas alterações num sistema tão frágil colocam em causa o património único que muitas regiões vinícolas possuem e que as diferenciam, influenciado a qualidade e a quantidade das suas produções.

No caso do vinho, Portugal conta com produtos com uma forte ligação à região em que são produzidos e que os tornam excepcionais, casos como as encostas do Douro e as planícies do Alentejo, que cada vez mais conquistam um reconhecimento pela maneira como as condições únicas destes territórios influenciam a qualidade dos vinhos aí produzidos. Estas condições estão ameaçadas, fazendo com que o tema da vulnerabilidade às alterações climáticas seja cada vez mais importante, não só pela necessidade de estarmos preparados para incêndios, secas e tempestades cada vez mais fortes, mas também para os efeitos provocados nos recursos naturais e consequentemente no desenvolvimento de atividades económicas que partem da exploração dos mesmos.

É por isso inspirador para o país o surgimento de iniciativas lideradas por empresas que procurem antecipar o futuro e trabalhar na criação e aplicação de políticas sustentáveis. Esta discussão não pode mais continuar abandonada a um debate político mundial e abstrato, mas precisa de cada vez mais ser liderada pela sociedade civil — pelos seus cidadãos e empresas — com propostas e exigindo ações concretas que permitam preparar-nos para esta nova realidade.

Portugal foi capaz de se tornar um exemplo na adoção de energias renováveis, mais de 50% da energia consumida o ano passado foi produzida a partir de fontes renováveis. Seguindo este exemplo devemos procurar trabalhar para além dos setores mais óbvios, como a energia e mobilidade, e apostar em tornar o país como o local para o desenvolvimento e teste de tecnologias limpas e políticas sustentáveis em conjugação com as indústrias de diferentes setores, como agricultura, construção, floresta, mar, alimentar, entre outras.

Perante a dimensão da ameaça das alterações climáticas e no impacto que estas terão no nosso país, ao trabalharmos neste tema estaremos a trabalhar em causa própria. Ao procurarmos criar um modelo de desenvolvimento económico com uma base alternativa aos combustíveis fósseis estaremos também a abrir uma janela de oportunidade para uma nova economia, mais competitiva e sustentável, tirando partido do conhecimento científico e aproveitando e protegendo os nossos recursos endógenos. Brindemos a isso e ajamos para tal.

Simão Soares tem 33 anos e é CEO da SilicoLife, uma empresa que combina inteligência artificial com biologia para o desenho de processos biológicos sustentáveis para a produção de químicos. Tem formação em bioinformática pela Universidade do Minho, pós-graduação em gestão pela NOVA School of Business and Economics e formação em Blue Ocean Strategy pelo INSEAD. É membro da direção da P-BIO, Associação Portuguesa de Bioindústrias, e Climate Reality Leader.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Onde fica Portugal na bioeconomia

Simão Soares
203

Olhando para as condições únicas que temos para a bioeconomia deveremos ambicionar colocar Portugal no centro desta nova economia e revolução tecnológica.

Global Shapers

O futuro será fermentado

Simão Soares
165

O mercado da biotecnologia industrial gera atualmente mais de 30 mil milhões de euros para a economia europeia e espera-se que em 2030 valha já mais de 100 mil milhões de euros.

Global Shapers

Aproximar a lei dos cidadãos

Mariana Melo Egídio

Actualmente os cidadãos podem mais facilmente participar no processo legislativo e regulamentar, registando-se e seguindo o diploma ou comentando-o, isto é, enviando os seus contributos.

Global Shapers

10 medidas para revolucionar o SNS

Francisco Goiana da Silva
626

De uma vez por todas, o financiamento tem de acompanhar as escolhas dos utentes do SNS. Nesse dia, teremos um sistema em que o utente é realmente quem manda. Há algo mais democrático do que isso?

Global Shapers

O urinol que é arte /premium

Pedro Líbano Monteiro
115

Em que medida pode um urinol ser arte? Porque razão um urinol há de ser menos arte que um Picasso? Foi esta problemática que levou muitos artistas, no século XX, a expor obras como uma cama por fazer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)