Rádio Observador

Igualdade

Mulheres no poder /premium

Autor
304

O feminismo transformou a causa justa da igualdade de oportunidades na visão radical da “igualdade de género”. A igualdade de género é um disparate, é falsa e visa alcançar outros objectivos políticos

Ontem, li três notícias que mostram as mudanças das posições das mulheres. A primeira vem de uma sociedade medieval, e com algumas regras detestáveis, a Arábia Saudita. No reino saudita, desde ontem, as mulheres já podem viajar sem autorização de um homem, já podem registar os seus filhos e até já podem pedir o divórcio. A figura do guardião masculino, responsável pelas mulheres, incluindo Mães, irmãs, tias e primas, está a chegar ao fim. Uma notícia óptima para as mulheres sauditas.

A segunda notícia diz que pela primeira vez uma mulher irá arbitrar uma final da supertaça europeia de futebol, entre o Liverpool e o Chelsea. Num país, como o nosso, com tantas polémicas com arbitragens no futebol, seria óptimo se houvesse cada vez mais mulheres a arbitrar os jogos mais importantes e decisivos. Estou convencido de que o nível da arbitragem aumentaria, assim como a disciplina dos jogadores, e de que os casos duvidosos diminuiriam. Parece ser mais difícil corromper as mulheres do que os homens. Pelo menos, não seria fácil oferecer “fruta” às árbitras, e poderia ser o caminho para o fim dos “padres” benfiquistas no futebol. Precisamos de mais mulheres nos relvados portugueses a arbitrar os jogos do Campeonato e das taças.

A terceira notícia diz respeito à escolha, pela União Europeia, de apresentar Kristalina Georgieva como a candidata dos europeus à chefia do FMI. Desconfio que Centeno percebeu que existia uma grande vontade na Europa de escolher uma mulher, e por isso retirou a sua candidatura. A escolha de Georgieva segue-se à de Ursula Von Der Leyen para a presidência da Comissão Europeia e à de Cristine Lagarde para a chefia do Banco Central Europeu. Sobretudo no caso da Comissão Europeia já não era possível adiar a escolha de uma mulher para a sua presidência, visto que nunca tinha acontecido em mais de 60 anos de integração europeia. Foi um sinal importante para uma maior igualdade entre homens e mulheres na Europa.

Devo dizer, no entanto, que sou contra a política de quotas por três razões. Em primeiro lugar, porque viola o princípio da igualdade. E viola-o num duplo sentido. É um acto discriminatório contra os homens e desvaloriza as mulheres que concorrem a esses lugares. Não concebo que se combata uma injustiça criando outras injustiças. Em segundo lugar, a minha oposição resulta de uma atitude conservadora em relação às mudanças sociais. Acho que as alterações por decreto criam desequilíbrios e exageros sociais desnecessários. Por fim, e aqui está a minha costela liberal, considero que as nossas sociedades devem ser reguladas pelo mérito e pelo princípio das oportunidades iguais. Desejo viver numa sociedade onde as mulheres gozam das mesmas oportunidades dos homens e chegam aos lugares de topo devido ao seu valor e aos seus méritos e não pela imposição de quotas.

Esta consideração sobre as quotas leva-me ao tema da emergência da ideologia feminista. Vivemos tempos de ideologias monotemáticas, o que claramente derrota as previsões daqueles que durante décadas têm falado do “fim das ideologias”. O feminismo transformou a causa justa da igualdade de oportunidades na visão radical da “igualdade de género”. A igualdade de género é um disparate, é absolutamente falsa (qualquer pessoa que tenha filhas e filhos percebe imediatamente o meu argumento) e procura alcançar outros objectivos políticos. Na verdade, usa a luta justa pela igualdade de oportunidades para legitimar a conquista do poder por grupos políticos radicais, que pretendem, de resto, acabar com a liberdade individual.

Há ainda uma consideração mais pessoal. Quando observo muitas das feministas, sobretudo as militantes em partidos radicais, parece-me sempre que perderam, algures no passado, o seu lado mais feminino, aquele que distingue as mulheres dos homens por todas as boas razões. Aprenderam muito sobre argumentos ideológicos e formas de luta política, mas esqueceram-se do que de mais elementar existe nas mulheres. Numa das suas melhores canções, “Foi Assim”, Maria Bethânia canta que procura um homem que “pudesse compreender todo o meu Eu.” Bethânia sempre lutou pela igualdade, mas também é sábia. Ao contrário da Bethânia, muitas feministas esqueceram que o Eu feminino é muito mais do que a militância política. Deveriam ouvir mais música e estudar menos ideologia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Pode haver acordo em Bruxelas /premium

João Marques de Almeida

O Brexit já acabou com dois líderes conservadores. Desconfio que também acabará com um líder trabalhista. A Europa não divide apenas os conservadores. Também divide, e muito, os trabalhistas.

Eleições

A grande vitória de Passos Coelho /premium

João Marques de Almeida
841

Costa e o PS não mudaram porque descobriram de repente as virtudes do controlo da despesa pública. Mudaram porque os portugueses os forçaram a mudar e perceberam-no quando perderam as eleições de 2015

Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves
1.568

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Igualdade

Queremos uma sociedade de castas?

João Merino
200

E já que estamos inconstitucionalmente a discriminar com as quotas, porque não juntar também a religião como critério, incluindo católicos, hindus, jeovás, muçulmanos, e ainda ateus e agnósticos?

Igualdade

E os direitos da "senhora lá de casa"?

Maria d'Oliveira Martins
310

É frequente negar a dignidade às prestadoras do serviço doméstico. Todos nos recordamos das expressões “a senhora cá de casa” de Judite de Sousa ou “a senhora que vem ajudar” de Francisco Louçã.

Discriminação

A Universidade e a raça

Ricardo Cabral
643

É pena ver parte dos políticos a não abordar os assuntos raciais com a maturidade necessária. É triste saber que Portugal é governado por quem desconhece a verdadeira e diversa realidade portuguesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)