Rádio Observador

Natureza

Naturalmente

Autor
  • Ricardo Mendes Ribeiro

A natureza é resiliente, capaz de adaptar-se às asneiras que fazemos. O que não muda são as suas leis. Por isso, as tentativas de redefinir o ser humano mais tarde ou mais cedo chocam com a realidade

Temos de cuidar da natureza. Temos de cuidar da natureza que há em nós, do que somos. Para isso precisamos primeiro de ver, ouvir, sentir. Vivemos muitas vezes numa realidade virtual; não só por termos os olhos fixos nos ecrãs de computador ou telemóvel.

O ambiente das nossas cidades, dos nossos locais de trabalho, muitas vezes é uma realidade virtual, um mundo mais surreal do que real, sem espaço nem tempo para a contemplação. Precisamos de parar para ver a natureza que nos rodeia, ouvi-la, senti-la. Reparar na beleza de uma árvore, de um animal, dos próprios seres inanimados que nos rodeiam.

Também precisamos de voltar o olhar para nós próprios e dar-nos conta da natureza esplêndida que têm os seres humanos. Depois de ver a natureza é preciso reconhecer as suas leis e regras.

A natureza é frágil. Não podemos fazer o que queremos com ela. Já comprovamos como é fácil estragá-la, destruindo ecossistemas, poluindo de diversas formas. Mas se nos confinarmos às suas leis, podemos criar maravilhas sem a destruir, acrescentando à natureza a arte que a inteligência nos dá.

A nossa natureza humana também tem as suas leis, e não podemos fazer com ela o que quisermos. Vale a pena pararmos um pouco e meditarmos na extraordinária beleza que constitui o nosso ser. O corpo que é cada um de nós, com as suas diversas partes, com as suas funções, numa harmonia fantástica. O nosso espírito, com a sua impressionante capacidade criativa, a inteligência, a capacidade de abstração.

Sem esta contemplação da nossa natureza humana, podemos facilmente descuidar as regras que a regem. Podemos atropelar o nosso ser humano, no seu corpo ou no seu espírito. Podemos destruir ou deformar órgãos e faculdades. Como com os outros seres, temos de nos conformarmos à nossa natureza, aceitá-la, aprender dela, amá-la.

As nossas tentativas de destruição podem levar a uma resposta brusca da natureza, avassaladora. E temos a degradação de terrenos, o desaparecimento de águas, o avanço do deserto, o esgotamento de recursos. A nossa natureza humana tem mais dimensões, e podemos destruí-la no corpo e no espírito. Pode ser que quando nos perguntarmos “O que fizemos?!”, já seja tarde demais.

A natureza é também resiliente. Tem capacidade de adaptar-se às asneiras que fazemos, de recuperar, quando lhe permitimos. O que não muda são as suas leis, as regras que a regem. Por isso, as tentativas de redefinir o ser humano, mais tarde ou mais cedo chocam com a realidade de que a sua natureza é imutável.

Naturalmente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

História extraordinária /premium

Ricardo Mendes Ribeiro

Devemos basear as nossas políticas públicas em estudos bem cimentados, com avaliações frequentes, aprendendo da própria experiência e da alheia, e não em utopias, em mitos ou em ideologias caducas. 

Eleições Europeias

Dois liberalismos

Ricardo Mendes Ribeiro
217

Temos dois partidos nestas eleições que se dizem liberais e no entanto são muito diferentes: o Iniciativa Liberal e o Aliança. O que distingue estes liberalismos são os limites que colocam à liberdade

Salários

Um salário mínimo motivante

Ricardo Mendes Ribeiro

A contraposição socialista entre empregador e empregado é fundamentalmente errada: quanto mais feliz o empregado estiver com o seu trabalho, mais e melhor produz.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)