Crónica

O templo do saber: subsídios para uma visão menos apalermada da universidade em contexto nacional contemporâneo

Autor
1.711

O problema maior é a crença generalizada de que a universidade – a exacta universidade que aceita sumidades como o dr. Vale de Almeida – é um abrigo de inquestionável erudição. E de “prestígio”.

Tenho tantas saudades da universidade quanto da varicela, com a agravante de que, ao contrário do que sucedeu com a segunda, ainda não esqueci a primeira. Lembro-me dos professores, na maioria semi-alfabetizados. Lembro-me das aulas, repetições de cartilhas caducas e puras alucinações. Lembro-me das “referências teóricas”, quase sempre maluquitos franceses, argentinos e até portugueses. Lembro-me das ocasiões em que me perguntei o que fazia ali. E lembro-me de desistir de fazer: a partir de certa altura, decidi dedicar-me a conversas com um punhado de colegas, nas horas livres e nas restantes.

Passei os últimos três anos do curso no café vizinho, a trocar impressões, livros e cassetes. Ao longe, no interior de um barracão lindíssimo, decorriam prelecções fascinantes em redor de trabalhos com as palavras “subsídios” ou “contributos” no subtítulo. À aproximação dos exames, eu folheava anotações alheias e fotocópias de maoistas parisienses, despejava o entulho nos testes e, menos devido à inteligência própria do que à boçalidade daquilo, obtinha uma nota distinta. Um magnífico dia, o suplício acabou. O vetusto barracão emitiu um diploma em pergaminho a declarar-me licenciado. Por mim, nunca levantei o diploma e jurei, embora não fosse preciso, que a experiência académica terminaria ali.

É verdade que a minha “formação” (digamos) aconteceu em sociologia, matéria propensa ao burlesco. Nos anos seguintes, porém, aprendi (a aprendizagem é um processo) que, por incrível que pareça (e parece), há pior. Não desejo a ninguém o contacto directo com a realidade: um passeio pelos sites dos “estabelecimentos” disponíveis, com consulta dos cursos disponíveis, dos programas disponíveis e dos docentes disponíveis, é suficiente para esclarecer os incautos. Se os incautos insistirem, eles que se inscrevam em certas coisas que há por aí.

Não valeria a pena dar exemplos. Mas dou um. Nas últimas semanas, causou escândalo a notícia de que Pedro Passos Coelho iria providenciar lições num tal Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa (ISCSP). As patrulhas ideológicas, sob a forma dos professores que subscreveram um protesto alusivo, correram logo a chamar a atenção para a falta de credenciações do ex-primeiro-ministro. Conseguiram chamar a atenção para a falta de juízo de quem confunde educação com o evangelismo das “causas”. Na tentativa de denunciar uma hipotética fraude, recordaram a fraude real a que, com as excepções da praxe (sem trocadilho), se chama “ensino superior”.

Dos indignados, o mais “público” é talvez o deputado, ou antigo deputado, socialista Miguel Vale de Almeida. Dos estudos que publicou, destaco “Ser mas não ser, eis a questão. O problema persistente do essencialismo estratégico”; “A teoria queer e a contestação da categoria ‘género’” e “O esperma sagrado: algumas ambiguidades da homoparentalidade em contextos euro-americanos contemporâneos”. Cito um resumo do último, escarrapachado na página “Ciência-IUL – A excelência da investigação e ciência no ISCTE”: “Igualmete (sic), quanto menos provisâo (sic) legal exista, menos parece haver una cultura de como fazer e proceder em situaçoes (sic) de disputa de paternidade entre gays e lésbicas, assistindo-se ao recurso ou à normativade (sic) legal, ou à normatividade moral (e necessariamente heteronormativa (sic), androcêntrica e patrilinear) a ela associada.” Concedo uma pausa para o aplauso da forma e do conteúdo. E depois um minuto de silêncio para evocarmos o abaixo-assinado e reflectirmos na “dignidade dos profissionais da ciência e do ensino”.

O problema não é o dr. Vale de Almeida achar que Pedro Passos Coelho não serve para leccionar na universidade. O problema é o dr. Vale de Almeida achar que o dr. Vale de Almeida serve. Outro problema é a universidade concordar. E o problema maior é a crença generalizada de que a universidade – a exacta universidade que aceita sumidades como o dr. Vale de Almeida – é um abrigo de inquestionável erudição. E de “prestígio”. Pela parte que me toca, só não escondo que frequentei semelhante antro na medida em que seria ridículo, e provavelmente escusado. Mesmo assim, inúmeros compatriotas ostentam as habilitações com orgulho. E uma razoável quantidade finge habilitações com empenho.

Já é rotina. De vez em quando, destapa-se um político que, a bem do gabarito, falsificou o currículo. Esta semana, o destapado foi um Feliciano Barreiras Duarte, pelos vistos o novíssimo secretário-geral do PSD. Evito os detalhes, entretanto divulgados com abundância, e noto apenas que, em lugar de inventar uma licenciatura, o prof. dr. Feliciano optou por inventar um emprego numa universidade californiana, a de Berkeley. Ah, Berkeley… Também andei por lá – durante dez minutos, perdido após escolher a saída errada para o aeroporto de São Francisco. Ao que consta, o prof. dr. arq. Feliciano nem isso: as suas conexões à instituição especializada em censurar oradores pró-Trump são meramente platónicas, o bastante para definir um carácter e, em Portugal, uma carreira.

Repleta de maluquices (“…tem 21 livros publicados, prefaciou vários trabalhos de investigação, foi conferencista e moderador em 164 conferencias, seminários e afins, publicou cerca de 750 artigos e cronicas em jornais e revistas, e tem variadas intervenções no plano profissional, extraprofissional, publica, política e de outras tipologias”), dadaísmo (“…a elaboração deste relatório, com os fins e objectivos anteriormente referidos, pretende-se que seja consabido, o relacionamento entre a primeira e a segunda parte do mesmo, com a evidência principal, que de entre a multiplicidade do currículo do seu autor, poderá sobressair e outrossim destacar, o fio condutor de que…”) e desafios à língua (ver acima), a “Conclusão” da tese de mestrado do prof. dr. arq. juiz Feliciano, avaliada com 18 valores pela ex-ministra dos incêndios,  é um regalo.

A moral da história é que, com frequência, um percurso académico simulado não produz resultados muito diferentes dos percursos académicos autênticos. Sobretudo no vago universo das “humanidades”, onde a distância da trafulhice à pertinência é subtil, não há escassez de vultos incapazes de amanhar uma redacção da “primária”. Curiosamente, essas limitações não suscitam engulhos até ao momento em que o vulto saltita para a política, por acaso das raras áreas do saber que não carece de saber nenhum. Quem a sabe toda é o bastonário da Ordem dos Médicos, que há tempos, por vergonha, pediu alternativas ao tratamento por “dr.”. O homem tem a mania e tem razão.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ano Novo

2019 é quando, e se, um homem quiser /premium

Alberto Gonçalves
1.226

O importante é rompermos com as representações que o “sistema” nos atribui e assumirmos a essência do que realmente nos representa. E eu, ao invés do que o Estado presume, não me sinto contribuinte.

António Costa

Portugal é uma notícia falsa /premium

Alberto Gonçalves
2.730

Se, conforme proclama o Indicador Supremo da Felicidade, os portugueses gastaram mais dinheiro no Natal, não é virtude de Costa, mas defeito dos portugueses. E todos sabem que não nos restam muitos.

Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Tiago Dores
1.861

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

Crónica

Os "influencers" ou o Portugal dos Pequeninos

António de Souza-Cardoso
414

Cristina Ferreira a Mulher mais influente do nação? Pedi, com incontida revolta, explicações. Que me foram dadas, julgo que com a paciente condescendência que se devota às pessoas achacadas pela idade

Crónica

O Programa do Marcelo /premium

Tiago Dores
170

Se em Portugal sempre tivemos razões de queixa da ingerência dos governos na programação do canal público, agora temos um Presidente que se intromete na programação dos canais privados. Refrescante.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)