Rádio Observador

Alterações Climáticas

O tempo está esquisito /premium

Autor
1.371

De proibições está a História cheia, e seria expectável que os avanços científicos, que as sofreram, contribuíssem para um clima de liberdade. Ironicamente, se a ciência é isto, a ciência enganou-nos.

Eu não sei se o aquecimento global existe. Provavelmente não, já que a própria ortodoxia passou a substituir o termo por “alterações climáticas”, expressão que acolhe mais ou menos tudo o que acontece das nuvens para baixo. Também não sei se as alterações climáticas existem. Provavelmente sim, já que sempre existiram desde que a Terra é Terra, e não há nenhum motivo para terem terminado justamente há dez minutos ou um século. A benefício da conversa, vamos todos admitir que as alterações climáticas são reais. E que são provocadas pelo Homem. E que o Homem é o sr. Trump. Ou o clã Bush. Ou Ronald Reagan. Ou qualquer presidente americano e republicano dos últimos oitenta anos, os rostos naturais do capitalismo selvagem que ameaça o futuro dos nossos filhinhos, coitadinhos.

Nem assim se justifica o empenho de umas dezenas de cientistas portugueses em impedir uma conferência na Faculdade de Letras do Porto, a realizar no corrente fim-de-semana. Pretexto? Ora essa: a conferência é protagonizada por um “lóbi” de “negacionistas” das alterações climáticas, leia-se os sujeitos não gozam de “credibilidade” e “favorecem a desinformação” através de “ideias cientificamente infundadas”, leia-se aquilo é uma gente que não respeita o IPCC (Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas), leia-se os biltres discordam dos inquestionáveis vultos que assinaram uma “carta aberta” ao reitor da instituição.

Não tenciono discutir o conceito de credibilidade científica em matérias que mudam tão depressa quanto um dia soalheiro cede lugar à trovoada (analogia deliberada). Ou evocar o currículo de impoluta seriedade do referido IPCC. Ou recordar com saudade as falecidas previsões do marido de Tipper Gore, a criadora do código moral para as letras das canções pop. Ou duvidar que técnicos esclarecidos receiem ver as respectivas convicções abaladas por um punhado de alegadas patranhas. Para facilitar, continuo a aceitar que os nevões e as secas têm origem antropogénica e perversa, e que a vida era boa era no Paleolítico e que urge acabar com as fontes poluidoras, excepto os aviões que carregam com cientistas para seminários onde se debate, em plena concórdia, os perigos do progresso.

Porém, porque é que a ciência se indigna com os ditos charlatães do clima e deixa em paz os charlatães restantes, no mínimo igualmente ameaçadores? Não conheço muitas cartas abertas contra certas vigarices, mentiras e equívocos que andam por aí à solta, sem contraditório nem sombra de razoabilidade. As “medicinas alternativas”. A Festa do “Avante!”. O “Avante!”. O candomblé. A importância dos “afectos”. Os “cantautores”. O “fervor clubístico”. A propaganda do governo. O patriotismo. O exotismo. Os tarólogos. O “anti-sionismo”. As Irmãs Mortágua. As “dietas milagrosas”. A “informação” das televisões. A “auto-ajuda”. A “auto-estima”. A auto-peças Teixeira e Filhos. Etc. Etc. Etc.

Se descessem do púlpito para me responder, os veneráveis cientistas explicariam que as calamidades acima não lhes dizem respeito na medida em que não decorrem sob legitimação académica, a qual deveria estar reservada ao Saber com “s” grande e à Razão com “r” maior. O problema, diriam, é o acolhimento da Universidade aos terríveis “negacionistas” das alterações climáticas. Muito bem.

Por acaso, frequentei durante meia década a exacta instituição agora criticada. Na Faculdade de Letras do Porto, tentaram, e presumo que ainda tentem, ensinar-me Marx como se Marx fosse para levar a sério, e não enquanto uma curiosidade folclórica equivalente à dança da chuva (analogia forçada) ou aos faquires. Pior, além de Marx perpetrava-se e perpetra-se o estudo de “pensadores” marxistas, cada um mais atreito a alucinações do que o anterior. Ó Deus do Céu: cheguei a ouvir por ali referências bibliográficas ao hoje ministro Santos Silva e referências não jocosas ao prof. Boaventura “de” Sousa Santos. O que nunca ouvi foi um grupo de cientistas furiosos e prontos a salvar a juventude de semelhantes trafulhices. Na época, vi-me obrigado a salvar-me sozinho, tarefa simples numa matéria que, ao contrário das alterações climáticas, não se limita a um aparentemente sólido quadro teórico: a fraude socialista está provada na prática.

Contas feitas, não me queixo. Excepto para os pacóvios dispostos a acreditar nelas, a exposição a extravagâncias sortidas diverte e, principalmente, assegura o direito à atoarda que quase todos prezam e quase ninguém defende. Se negar as alterações climáticas for uma tolice, não é diferente de tantas tolices que preenchem a nossa vida em sociedade – e na Universidade. Uma coisa é poder rir das tolices, outra é querer proibi-las. De proibições está a História cheia, e seria expectável que os avanços científicos, que muito as sofreram, contribuíssem para um clima (repararam?) de liberdade. Ironicamente, se a ciência é isto, a ciência enganou-nos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

A evaporação da democracia /premium

Alberto Gonçalves
1.472

Cantando e rindo, os portugueses marcham para o abismo e só darão por ele quando se esbardalharem lá em baixo. Ou, palpita-me, nem aí. Não seria a primeira vez.  

Universidade de Coimbra

Coimbra: Especulações sobre um bife

Ricardo Pinheiro Alves

Porque é que uma instituição veneranda e centenária, criada em Lisboa em 1290 pelo Rei D. Dinis, abandona o reino do saber para entrar no activismo demagógico em que a ciência dá lugar ao marketing?

Minas

O lítio. Contra a desinformação marchar, marchar!

Filipe Anacoreta Correia

A extração do lítio não representa um retorno elevado e a acontecer seria o mais grave atentado à riqueza do nosso país: o desenvolvimento sustentável e a preservação do seu património natural.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)