Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Eu, Jesus de Nazaré, também chamado Cristo, filho de Maria, casada com José, da casa e família de David (Lc 1, 27), na iminência da minha morte, em voluntário sacrifício de obediência a meu Pai Deus, pela redenção da humanidade, determino ser minha última vontade dispor de mim mesmo e dos meus bens da forma que aqui determino.

Deixo, aos que foram traídos pelos seus familiares e amigos, o beijo que recebi de Judas Iscariotes (Mt 26, 47-56; Mc 14, 43-52; Lc 22, 47-53; Jo 18, 3-11), para que, do mesmo modo como eu, sabendo-o traidor, lhe lavei os pés, os saibam perdoar e amar.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.