Orçamento do Estado

Os tempos e as medidas de um novo tempo

Autor

Um pantanoso e degradante mercantilismo dos interesses vai-se esparramando imparavelmente sobre a complacente inércia de demasiada gente.

Com a esperada aprovação do Orçamento do Estado para 2019 e de todas as suas promessas falsas e cortinas de fumo, o Governo de António Costa e a maioria parlamentar que o suporta preparam-se, ladinamente, para bisar a legislatura e governar até pelo menos 2023.
Na gestão corrente das remunerações, abonos e gratificações dos dependurados do Orçamento não sobra tempo para mais nada na acção governativa.
Ninguém quer mudar, reformar, fazer mais e melhor, voar ou crescer.
Um pantanoso e degradante mercantilismo dos interesses vai-se esparramando imparavelmente sobre a complacente inércia de demasiados que existem para olhar para os pés, investir no shopping ou comprar carros de marca.
Este atascal – que Guterres já tinha diagnosticado – é a mais forte marca de água da geringonça.
Mas esta visão beatífica e jubilosa de uma nova legislatura à esquerda é um insuportável pesadelo.
Porque esconde o essencial.
Porque nega a realidade.
Porque é uma contabilidade a crédito só de alguns.
Sucede que Portugal é um país uno e soberano, um povo livre, uma história gloriosa.
Não é uma ONG da tanga, nem um rebanho de alguns beneficiados, nem uma narrativa socrática ou dos seus amigos e sucessores.
Não pode, nem quer ser uma academia de tipo desportiva gerida por dirigentes malfeitores, não é um presídio de interesses mais e menos escondidos.
Não é uma malhada de gado.
Temos memória.
Temos vergonha na cara.
O governo e a maioria de esquerda que o suportam assobiam para o lado e mobilizam o entorpecimento colectivo para 2019.
Mas não vamos deixar.
Dizemos não à desonestidade e à inconsciência.
Basta parar e olhar para duas tragédias que literalmente ainda gritam por justiça.
O incêndio de Pedrógão Grande, de Junho de 2017, que contabilizou 66 mortos.
Mais de 500 casas de habitação parcial ou totalmente destruídas pelo fogo.
Prejuízos materiais na ordem dos 500 milhões de euros.
Os incêndios florestais de outubro de 2017 que causaram 50 vítimas mortais confirmadas.
Sobre estas desgraças o governo do partido socialista e a maioria de esquerda que o suporta limitaram-se a um vergonhoso e insuportável e tardio jogo do passa culpas, a assinar alguns cheques de má vontade e a esconder todo o lixo debaixo do tapete.
Nada de realmente decisivo e estrutural foi entretanto estudado a sério ou feito para que a tragédia não voltasse a acontecer.
O povo desprezado e abandonado do interior rural incendiado nunca interessou, nem interessa nada a este governo e a esta mesquinha maioria de esquerda sem alma que o suporta.
Um touro corrido em Lisboa numa quinta-feira à noite, um gatinho empoleirado numa árvore em Alcântara, um revés de dois ou três turistas num tuk-tuk no Chiado ou mais um “projecto” de engenharia social-familiar mexem mais com as castradas e remordidas consciências desta maioria urbanista e animalista.
Mas nós, também com os nossos votos, vamos impedir que o pesadelo vença.
Em Outubro de 2019, não passarão.

Miguel Alvim é advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Animais

Sinais dos tempos

Miguel Alvim

A protecção da totalidade da realidade natural e nela da pessoa, de todas as pessoas sem excepção, é a obrigação mais solene, mais grave e mais urgente do sistema político-partidário português.

CDS-PP

Mudar a bem

Miguel Alvim

Temos de pensar nas pessoas e nos seus problemas mais sérios, da liberdade de escolhas até à vitalização do sistema político e ao futuro económico e institucional da União Europeia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)