Orçamento do Estado

Os tempos e as medidas de um novo tempo

Autor

Um pantanoso e degradante mercantilismo dos interesses vai-se esparramando imparavelmente sobre a complacente inércia de demasiada gente.

Com a esperada aprovação do Orçamento do Estado para 2019 e de todas as suas promessas falsas e cortinas de fumo, o Governo de António Costa e a maioria parlamentar que o suporta preparam-se, ladinamente, para bisar a legislatura e governar até pelo menos 2023.
Na gestão corrente das remunerações, abonos e gratificações dos dependurados do Orçamento não sobra tempo para mais nada na acção governativa.
Ninguém quer mudar, reformar, fazer mais e melhor, voar ou crescer.
Um pantanoso e degradante mercantilismo dos interesses vai-se esparramando imparavelmente sobre a complacente inércia de demasiados que existem para olhar para os pés, investir no shopping ou comprar carros de marca.
Este atascal – que Guterres já tinha diagnosticado – é a mais forte marca de água da geringonça.
Mas esta visão beatífica e jubilosa de uma nova legislatura à esquerda é um insuportável pesadelo.
Porque esconde o essencial.
Porque nega a realidade.
Porque é uma contabilidade a crédito só de alguns.
Sucede que Portugal é um país uno e soberano, um povo livre, uma história gloriosa.
Não é uma ONG da tanga, nem um rebanho de alguns beneficiados, nem uma narrativa socrática ou dos seus amigos e sucessores.
Não pode, nem quer ser uma academia de tipo desportiva gerida por dirigentes malfeitores, não é um presídio de interesses mais e menos escondidos.
Não é uma malhada de gado.
Temos memória.
Temos vergonha na cara.
O governo e a maioria de esquerda que o suportam assobiam para o lado e mobilizam o entorpecimento colectivo para 2019.
Mas não vamos deixar.
Dizemos não à desonestidade e à inconsciência.
Basta parar e olhar para duas tragédias que literalmente ainda gritam por justiça.
O incêndio de Pedrógão Grande, de Junho de 2017, que contabilizou 66 mortos.
Mais de 500 casas de habitação parcial ou totalmente destruídas pelo fogo.
Prejuízos materiais na ordem dos 500 milhões de euros.
Os incêndios florestais de outubro de 2017 que causaram 50 vítimas mortais confirmadas.
Sobre estas desgraças o governo do partido socialista e a maioria de esquerda que o suporta limitaram-se a um vergonhoso e insuportável e tardio jogo do passa culpas, a assinar alguns cheques de má vontade e a esconder todo o lixo debaixo do tapete.
Nada de realmente decisivo e estrutural foi entretanto estudado a sério ou feito para que a tragédia não voltasse a acontecer.
O povo desprezado e abandonado do interior rural incendiado nunca interessou, nem interessa nada a este governo e a esta mesquinha maioria de esquerda sem alma que o suporta.
Um touro corrido em Lisboa numa quinta-feira à noite, um gatinho empoleirado numa árvore em Alcântara, um revés de dois ou três turistas num tuk-tuk no Chiado ou mais um “projecto” de engenharia social-familiar mexem mais com as castradas e remordidas consciências desta maioria urbanista e animalista.
Mas nós, também com os nossos votos, vamos impedir que o pesadelo vença.
Em Outubro de 2019, não passarão.

Miguel Alvim é advogado

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Portugal 2019

Miguel Alvim

As eleições ganham-se com trabalho. Na medida da preparação, do empenho e do esforço de todos os protagonistas. Mas não basta. O outro lado da receita tem nome: convicções fortes e boas ideias.

Acidentes e Desastres

A ponte

Miguel Alvim

Em Borba, não há volta a dar, nem panos quentes, nem as conversas redondas, moles e fiadas do costume. Toda a gente sabe. Toda a gente viu.

Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Benefícios Fiscais

Se calhar mais valia ter ido…

António Maria Cabral
177

Por que motivo um jogador de futebol (Pepe) que receberá milhões de euros afinal “só” vai pagar metade de IRS? A resposta é nos dada pela Lei de Orçamento de Estado de 2019...

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)