Nestes dias de final de verão, mais tristes pela morte de Isabel II, Rainha de Inglaterra, a quem presto sentidíssima homenagem, faço o elogio público do seu serviço de muitos anos aos países e povos de que era soberana.

Do seu exemplo de dignidade, dedicação, inabalável bonomia, simplicidade e abnegação, que inspirou tantos.

Modesto e sério, verdadeiramente real.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.