Rádio Observador

Bullying

Outra Verónica decide morrer

Autor
  • Sónia Rolland Sobral
5.831

A Veronica suicidou-se. Pobres crianças que ficaram sem mãe numa sociedade que não se importa em magoar o próximo e replica todos os disparates nas redes sociais só para passar o tempo e se divertir.

A Veronica do livro do escritor Paulo Coelho queria suicidar-se sem que os outros percebessem bem porquê. Esta semana uma outra Veronica suicidou-se e ainda estaremos para perceber porquê.

Veronica, a verdadeira não a de ficção, era uma espanhola de 32 anos, mãe de dois filhos de 4 anos e 9 meses, funcionária da Iveco perto de Madrid. Tinha começado cedo a trabalhar na linha de montagem e por ali tinha ficado. A vida de Veronica era a de muitas outras mulheres: casa, trabalho e família. Esta semana Veronica saiu da Iveco um par de horas mais cedo, foi para casa e enforcou-se.

Há uns anos Veronica teve um namorado, colega da mesma empresa, a quem enviou uns vídeos por whatsapp onde aparecia sozinha a auto-satisfazer-se. Quando a relação acabou, os vídeos foram enviados para um grupo de 20 funcionários da Iveco que enviaram a outros tantos e estes a mais outros tantos. Diz-se que mais de 80% dos 2500 funcionários da Iveco viu o vídeo. O fantasma do passado de Veronica que tinha ficado fechado lá longe voltou recentemente. Um colega despeitado ou um ex-namorado ressabiado. A polícia o descobrirá.

Os culpados serão exemplarmente punidos porque Espanha já teve o caso Olvido Hormigos. Pelo mundo fora há diversos casos com desfechos idênticos ao de Veronica. Lembro-me de Amanda Todd e a italiana Tiziana Cantane, por exemplo.

Veronica sentia-se apontada: alguns colegas iam propositadamente ao seu departamento vê-la e mandar umas bocas. A gota de água foi a cunhada ter recebido o vídeo e o ter enviado ao Irmão, todos funcionários da Iveco. Ao que parece o marido de Veronica não reagiu nada bem.

A discussão aberta nas televisões e redes sociais espanholas está ao rubro. Há quem compare os trabalhadores da iveco com os violadores da manada; escrevem-se palavras de ordem; gritam-se “assassinos”; destroem-se carros de funcionários. Do outro lado agora ninguém viu nada, ninguém reenviou nada, ninguém apontou o dedo à maluca dos vídeos. Um toureiro culpa Veronica que se pôs a jeito e se devia dar ao respeito.

No fim a culpa ainda vai ser das tecnologias. Nunca das pessoas que (mal) as utilizam. Pobres crianças que ficaram sem mãe numa sociedade que pouco se importa em magoar o próximo e que replica todos os disparates nas redes sociais apenas para passar o tempo e se divertir.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Bullying

Fui vítima de Bullying

Rui Martins
118

Em Portugal, infelizmente, não existe um crime específico de violência escolar ou bullying, o que é de lamentar pois a sua simples existência poderia servir de dissuasor a estes comportamentos.

Politicamente Correto

Morte aos epicenos e a quem os apoiar!

José Ribeiro e Castro

Nunca agradeceremos bastante à 13ª Legislatura por jorrar luz nos pedregosos caminhos da gramática nacional, varrendo o obscurantismo das letras e expurgando de formas traiçoeiras a escrita patriótica

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)