Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Chegou o momento em que escrevo o meu artigo anual sobre futebol para felicitar o campeão nacional. Faço-o com muito mais gosto quando é o Porto. Mas no futebol devemos felicitar os campeões, sobretudo quando merecem. E o Sporting mereceu ser campeão este ano. Aliás, é um campeão extraordinário: ainda não sofreu qualquer derrota. Um campeão invencível é sempre um grande vencedor.

Mas há outras razões que justificam a vitória do Sporting. O principal mérito vai para o treinador, Rúben Amorim. Está no princípio da carreira (apenas a segunda temporada na primeira divisão), mas já se percebeu que será um grande treinador. Tem um sistema de jogo bem definido, vê-se que os jogadores sabem o que devem fazer. Soube ainda dar confiança e espírito de luta a jovens jogadores. O que não é nada fácil, especialmente quando a equipa abanou com três empates seguidos. Na minha opinião, o jogo decisivo foi em Braga. O Sporting jogou com 10 jogadores durante mais de 70 minutos, após uma expulsão injusta. O Sporting defendeu e lutou como só as equipas que acreditam plenamente no seu treinador o fazem. Frederico Varandas também teve mérito porque arriscou na contratação de um treinador jovem, e foi atacado por muitos que agora celebram o campeonato.

Há outra razão porque a vitória do Sporting é impressionante. Gastou pouco dinheiro nas contratações (apesar dos 15 milhões pelo Paulinho). Comparem com as 100 milhões gastos pelo Benfica, o que mostra que o dinheiro não é tudo no futebol, e ainda bem. Com pouco dinheiro para gastar, o Sporting apostou em jogadores portugueses e muitos formados nas suas escolas. No jogo de ontem com o Boavista, o Sporting começou o jogo com sete portugueses, e foi assim na maioria dos jogos. O Benfica e o Porto começam normalmente com dois ou três portugueses. Os seus dirigentes deviam pensar sobre isso e fazer menos negócios com empresários.

O Sporting revelou grandes jogadores portugueses. Começando na defesa, Nuno Mendes, com 18 anos, é um jogador extraordinário. Será titular da seleção durante mais de dez anos. Gonçalo Amorim também é um jogador de seleção para o futuro. No meio campo, Palhinha já merece ser o titular indiscutível da seleção a trinco (desculpem pela palavra, mas este artigo é mesmo para os adeptos de futebol). Por fim, no ataque, a maior revelação foi Pedro Gonçalves. Um jogador extraordinário (não imaginam as vezes que lamentei que o Porto não o tivesse contratado, ele que é portista, ou era…). E Nuno Santos é outro grande jogador, menos regular, mas com um enorme talento (outro que o Porto deixou fugir).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.