Rádio Observador

Ministério da Cultura

Quadros que não sabem estar

Autor
  • Gonçalo Sobral Martins
445

Depois do real estate de Sócrates que não é de Sócrates, dos quadros da «Coleção Berardo» que não são de Berardo, temos agora as 170 obras do Estado que "apenas precisam de uma localização mais exata"

Corria o ano de 1976 e David Mourão-Ferreira, então a liderar a Secretaria de Estado da Cultura, concedia diretrizes para reunir o espólio de Arte Contemporânea do Estado Português. Volvidas mais de 4 décadas após este marco, surge, pela primeira vez (sim, leu bem), a decisão de inventariação deste espólio. Deste processo complexo, resultou uma apreciação simples: ora, das 1367 obras adquiridas, 170 assumem-se pelo relatório governamental em «localização desconhecida», após este processo estar «concluído».

Posto isto, a Direção Geral do Património Cultural descreve, depois de «fazer chegar definitivamente ao fim» (definição de “concluir” pelo Dicionário Priberam) este processo, que as obras estão desaparecidas. Repare-se que estas são definições bastante explícitas, quer por parte da DGPC, quer por parte do Priberam – que, atrevo-me a dizer, cai até numa definição marcadamente pleonástica para o vocábulo “concluir”. Em todo o caso e após o comunicado do Estado, a atual Ministra da Cultura, que tem como uma das suas funções orientar a DGPC, veio acalmar as hostes, desdizendo o dito: «as obras não estão desaparecidas, apenas precisam de uma localização mais exata».

Portanto, depois de já termos visto real estate de Sócrates que, afinal, não é de Sócrates (o que esteve por Évora, não o da Grécia Antiga), quadros de uma «Coleção Berardo» que não são de Berardo, chegam-nos agora obras-de-arte que, segundo a ministra da Cultura, têm uma localização que, apesar de ninguém suspeitar qual é, apenas necessita de ser «mais exata». Compreendo que o leitor se sinta ligeiramente confuso, após o relatar de acontecimentos particularmente estranhos. Porém, em defesa do bom nome da ministra, há que confessar que este fenómeno não é caso único. Por exemplo, sucede, diariamente, a um sem-número de miúdos bem-intencionados pelo mundo algo semelhante. Quando certos professores questionam pela realização dos «trabalhos de casa», estes afirmam que os têm feitos – mas algures numa localização por localizar.

Repare-se, ainda, como o mundo, por vezes, é tão injusto: idolatra-se, há mais de dois milénios, um homem que caminhou sobre a água e que ressuscitava pessoas a um nível tão empenhado quanto o fisco penhora automóveis em operações stop ou interrompe cerimónias de casamento, mas depois não se venera uma devota senhora, de seu nome Graça Fonseca, com este poder sobrenatural e dicotómico para as localizações…

Em suma, paira uma enorme confusão no flanco governativo, que ainda não sabe bem como “emoldurar” tantos e diferentes quadros: os de Berardo, os do Ministério da Cultura e, ainda, os altos-quadros governativos que tem distribuído a familiares, à Lagardère. Questão para se constatar que estamos – relativamente – prejudicados, enquanto contribuintes que vamos pagando as trapalhadas que alguns nos deixam, em movimentos sempre pouco “exatos”, mas com um pendor inegavelmente artístico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins
296

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Combustível

Ensaio sobre a cegueira [governativa]

Gonçalo Sobral Martins
406

Um ministro das Infraestruturas a dizer que a solução passa por «todos termos de nos preparar» é o mesmo que o ministro da Saúde pedir que nos antecipemos a ficar doentes em caso de greve dos médicos.

Mário Centeno

E essa saudinha, como vai?

Gonçalo Sobral Martins
164

Grave é trocarmos a Saúde de um país para termos, por contraparte, um ministro das Finanças que se digna apenas ao atingir de êxitos pessoais, como os fabulosos excedentes orçamentais de que se gaba.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)