Penso na vida árdua de quem vive nas grandes cidades, em particular dos pobres. As deslocações de um extremo ao outro, demoradas e com os seus custos, farão optar quando possível por ocupações profissionais no local onde vivem, mesmo menos compensadoras. Os organismos de Governo local, aqui na Índia, estão a dar a maior atenção a tais problemas, tentando melhorar a situação dos transportes intra-cidades.

Nas cidades pequenas, com menos de um milhão de habitantes, tudo é mais acessível, sobretudo se há uma boa integração dos meios de deslocação coletiva dentro dela.

Em Lisboa como noutras cidades há passes multi-modais que permitem tomar diferentes meios de transporte, conforme a conveniência. E se não há motivos fortes para se deslocar em carro próprio, pode fazer-se com eficiência nos transportes coletivos.

O Metropolitano é uma grande ajuda

Nas cidades paquidérmicas como Delhi, deu boa prova de rapidez e conforto o metropolitano, com longos troços à superfície, nas partes novas da cidade, e subterrâneos nas zonas antigas, mais populosas e de maior tráfego. O seu valor percebido despertou grande interesse e levou a lançar um vasto Programa de metropolitanos nas grandes cidades da Índia.

A rapidez da construção e a perfeição do seu funcionamento, fizeram que em menos de 20 anos do seu lançamento, ele se estenda por mais de 400 kms. A capacidade de planeamento e realização demonstradas pelo seu Primeiro Presidente, o  Dr. Shreedaran, a ponto de terminar as duas primeiras fases com quase 2,75 anos de antecipação sobre a data estipulada, e estritamente dentro dos custos orçamentados, fizeram acreditar que era possível na Índia fazer obras de grande envergadura, com qualidade, rapidez e a custos controlados. É o meio de transporte muito utilizado, a custos acessíveis e com grande frequência de circulação de comboios (de 2 em 2 minutos, 6 carruagens, nas horas de maior tráfego).

Inevitável fazer beneficiar as outras grandes cidades das vantagens de um extenso metro. Estão assim a avançar com rapidez as obras do metro de Mumbai, com troços já em funcionamento. Também o Metro de Bangalore, de Chennai, de Hyderabad, de Kolkota, de Pune e de Jaipur vão a boa velocidade.

Em complemento, todas as grandes cidades tem uma rede de autocarros, com e sem ar condicionado, em paralelo com os comboios nalguns casos. Viajam sempre superlotados e há muito ultrapassaram o tempo da sua vida útil. Para se chegar ao destino final, à ultima milha, organizam-se com espontaneidade serviços de ricksaws ou de táxis, dos pontos de afluência para onde organismos administrativos, atrativos turísticos e comerciais ou hoteleiros se situam.

Apesar disso tudo, a vida não deixa de ter a sua dureza com longas deslocações e, muitas vezes, com calor e chuva.

Ordenamento do território e planos para o futuro

É da maior importância um bom ordenamento do espaço, com a criação de polos de certa autosuficiência, dentro da grande cidade. Melhor ainda se eles são pensados e começados com antecedência, para que tudo cresça de modo harmónico. Assim, quem procura trabalho pode ter em conta um local de residência onde encontre serviços que necessitará, como as escolas para os filhos, os centros de saúde, hospitais, mercados e zonas comerciais.

Uma ideia assim levou à criação de duas cidades satélites de Delhi: Noida e Gurgaon. Essas cidades cresceram sem medida, dadas as muitas atividades de IT e I&D que lá se foram instalar. Têm autonomia e vida própria e o metro de Delhi tem extensões para elas e para outras pequenas cidades que se desenham nos arredores da Grande Delhi.

Cada Estado terá, suponho, um plano para ordenar o desenvolvimento futuro, fomentando o surgir de cidades de média dimensão ou pequenas, com vida própria, com indústrias, serviços, zonas residenciais, entertainment, mercados de abastecimento de produtos agrícolas e alimentares, etc. Estando nelas, as pessoas  não terão porque mudar-se para as grandes cidades.

Tal planeamento é urgente, com os dados que se dispõem, mas virado para o futuro, com a previsão de futuras Instituições de carácter social, como as Escolas, Universidades e Institutos Universitários de prestígio, Hospitais, que se instalarão na sua área de influência.

Com os progressos tecnológicos e a sua rápida difusão a ter lugar na Índia é de prever que apareçam muitas cidades-inteligentes, amigas do cidadão, que tornem a sua vida mais suportável. Talvez com lentidão nos primeiros passos, mas com rapidez depois, uma vez adquirida experiência e estando a tecnologia mais madura. As fontes de energia renovável são como uma obrigação, já com elevada procura e custos a decrescer, no campo solar, eólico e hidráulico. Falta uma contínua R&D para melhorar a eficiência de captação e transformação, sobretudo na energia do sol.

As empresas de ITC-Tecnologias de Informação e Comunicação na Índia continuam a aumentar os novos recrutamentos e formação de efectivos, treinando-os para os desafios da digitalização, da Inteligência Artificial, das Máquinas a aprender, dos big data, etc., para se criar a infraestrutura que as cidades inteligentes irão utilizar tanto para identificar problemas e encontrar-lhes soluções, como para melhorar incessantemente as condições de vida dos cidadãos, para as fazer mais saudáveis, menos estressantes e a baixos custos. Há um plano para se começar com 100 smart-cities, e ampliar depois para 4.000. Não falta ambição.

Delhi, 24 de Outubro de 2019