Rádio Observador

Evasão Fiscal

Quando as pessoas querem pagar impostos

Autor

Haverá um nível abaixo do qual as pessoas fogem à evasão fiscal? E quando os governos começarem a ter em conta este limite, e tributarem de modo socialmente aceitável, que será dos paraísos fiscais?

Em geral, as pessoas sentem aversão a serem tributadas. É uma antipatia que se assemelha à repugnância que têm pela dor. Fere ser obrigado a pagar parte considerável do rendimento, ganho com tanto esforço, em sede de IRS. Magoa ver o preço de um produto, necessário ou simplesmente desejado, 23% mais caro por causa do IVA. No entanto, será que esta repulsa é instintiva, automática e independente da carga fiscal?

Recentemente passou-se a observar o comportamento bizarro de pessoas começarem a querer pagar impostos onde antes os evitavam. Apesar de todos os esforços das finanças, senão em controlar a vida sexual, pelo menos em fiscalizar a atividade económica, ainda são comuns algumas perversões no comportamento tributário dos cidadãos, geralmente denominadas “fuga ao fisco”. Por exemplo, quando se contratam aulas de piano ou serviços de mudanças, no momento de combinar o preço, ainda se ouve a pergunta: “quer fatura?” Esta questão funciona não só como pedido de informação, mas igualmente como aviso, senão mesmo como convite a um ilícito.

Esta prática também é comum na atividade de reabilitação urbana. Quem faz obras em casa ou no prédio, nunca quer fatura. Este comportamento poder-se-ia considerar compreensível se tivéssemos apenas em conta uma poupança de 23% no preço da obra. No entanto, para poupar os 23%, o proprietário está a prescindir de todas as garantias & proteções que uma fatura lhe proporciona, quanto mais não seja contra defeitos na obra. Ao optar por não querer fatura está implicitamente a considerar que os riscos de ter um problema com um cano ou uma janela ou uma inspeção são suficientemente bem compensados por uma poupança de 23% na empreitada.

Mas o verdadeiramente interessante, do ponto de vista fiscal, começou quando o município de Lisboa lançou o programa RE9. Este conjunto de nove medidas, que não abrange toda a cidade, inclui o incentivo fiscal de as obras de reabilitação serem tributadas à taxa reduzida de IVA, isto é, 6%.

O que aconteceu com a sua implementação? Nas áreas não abrangidas pelo RE9, as pessoas continuam a não querer fatura. Mas naquelas outras, do outro lado da rua, onde o programa está a ser aplicado, toda a gente começou a querer pagar IVA. Porquê? Pode ser que o benefício de uma evasão fiscal de 6% não compense a perda das garantias do empreiteiro mais o risco de ser apanhado numa infração tributária, enquanto uma de 23% compensa. Ou pode ser que a maioria considera que um IVA de 23% é opressivo e injusto, imposto apenas devido a uma despesa pública crónica, diarreica e cancerosa, enquanto acham que 6% é um nível aceitável e comportável para o cidadão. O que levanta a questão: haverá um nível abaixo do qual as pessoas passam a querer fugir à evasão fiscal? E quando os governos começarem a ter em conta este limite, e começarem a tributar de modo mais socialmente aceitável, o que irá acontecer aos paraísos fiscais?

Professor de Finanças, AESE Business School, e André Alvim, Empreendedor

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Viana do Castelo

As rãs e o prédio Coutinho

José Miguel Pinto dos Santos
618

Sobra a questão: como pode isto acontecer num Estado dito de direito? E não só isto, mas toda a arbitrariedade estatal e impunidade dos detentores de cargos públicos que constantemente é noticiada?

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)