Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Terá lugar no final desta semana em Lisboa, no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica,  a 10a conferência (bienal) da Michael Oakeshott Association. É de certa forma uma feliz coincidência: há poucas semanas, a revista The Economist dedicava um editorial e um longo ensaio ao conservadorismo liberal, colocando Oakeshott, ao lado de Burke, como nobres referências cruciais dessa tradição política (que a revista elogiava).

Diferentemente de Edmund Burke (1729-1797), todavia, Michael Oakeshott (1901-1990) não teve intervenção político-partidária. A paixão da sua vida foi a Universidade, que serviu primeiro em Cambridge (onde dirigiu durante muitos anos o prestigiado Cambridge Journal), e depois na London School of Economics, onde dirigiu o Departamento de Ciência Política (1948-1969). Durante a II Guerra, serviu como voluntário nas Forças Armadas britânicas — tendo sido sempre um crítico intransigente do nacional-socialismo nazi e do comunismo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.