Enquanto entre a União Europeia e os Estados Unidos não acalmam as discussões sobre a construção do North Stream-2, segundo gasoduto que irá transportar gás russo para a Alemanha através do Báltico, enquanto a Polónia e a Ucrânia tentam encontrar alternativas aos fornecimentos de gás pelo vizinho do Leste, Moscovo arranja mercados alternativos na Ásia para os seus combustíveis.

“A torneira está aberta! (…) o gás entrou na China”, declarou solenemente o presidente da empresa estatal russa Gazprom, Alexei Miller, no momento da inauguração do gasoduto que passou a ligar a Sibéria ao “Império do Meio”.

Trata-se de uma obra gigantesca. Os russos tiveram de construir um tubo, a que deram o nome de “Força da Sibéria”, com um comprimento de cerca de 3000 km. Os chineses irão acrescentar mais 3370 km para que o gás siberiano chegue até Xangai.  O contrato com a China, avaliado em mais de 350 mil milhões de euros, foi assinado por um período-recorde de 30 anos e prevê o fornecimento anual de 38 mil milhões de metros cúbicos de gás.

Entretanto, Moscovo e Pequim já negoceiam a construção de um novo gasoduto “Força da Sibéria – 2”, que irá transportar combustível da Sibéria para a costa leste da China. Além disso, estes tubos poderão servir para levar o gás até outros países da Região Asiática do Pacífico, onde ele goza de uma procura cada vez maior.

Até agora os chineses importavam gás natural da Turcoménia através de um gasoduto que atravessa o Uzbequistão e o Cazaquistão, mas esses fornecimentos estão longe de cobrir as necessidades da indústria chinesa, que aposta cada vez mais neste combustível para substituir o carvão e, desse modo, combater a poluição.

Não se pense, porém, que a China passará a depender completamente do gás russo, pois continuará a importar grandes quantidades de gás condensado da Austrália, Qatar, Malásia e Indonésia.

E para a Rússia este projecto não parece ser muito rentável, visto que, segundo cálculos da própria “Gazprom”, ele só começará a pagar os investimentos feitos em 2048.

Segundo alguns analistas, esta obra visa prevenir problemas que poderão surgir no futuro. Para a Rússia é uma garantia de que terá para onde escoar o gás caso surjam problemas no flanco ocidental. A pressão de Washington, principalmente após a chegada de Donald Trump ao poder, sobre a União Europeia é cada vez maior no sentido de obrigar os países europeus a substituírem o gás russo pelo mesmo combustível norte-americano. Trump ameaça com sanções empresas que participam na construção do North-Stream-2, gasoduto paralelo ao North-Stream – 1, que transporta directamente gás russo para a Alemanha através do Mar Báltico. As autoridades da Polónia já anunciaram que não vão comprar gás à Rússia, substituindo-o por combustível vindo da Noruega através de um gasoduto e pelo gás condensado dos Estados Unidos. A Ucrânia pretende também renunciar aos fornecimentos russos neste campo, mas aqui o processo será mais complicado, pois através deste país passa um importante gasoduto da Rússia para a Europa. O contrato de transito de gás por este tubo termina a 31 de Dezembro do ano corrente e as partes ainda não chegaram a acordo sobre o seu prolongamento.

Com a entrada em funcionamento do “Força da Sibéria”, o Kremlin poderá fazer de conta que não está preocupado com o escoamento do seu gás.

Para a China, trata-se também de uma medida de prevenção face a problemas de caráter político-militar que poderão dificultar os fornecimentos de gás condensado por mar.

Seja como for, a construção do novo gasoduto vem reforçar as relações entre a China e a Rússia, mas continua a ser difícil imaginar que se volte a gritar a palavra de ordem proclamada por Estaline e Mao: “Russos e chineses, irmãos para sempre!” A não ser que Vladimir Putin queira desempenhar o papel de “irmão mais novo”.

P.S. A julgar pelo que se vê, lê e ouve, os problemas globais como o acima referido parecem não nos dizer respeito. É mais importante assistir à telenovela: “Livre e Joacine, história de um breve amor” ou à “Chegada de uma Dona Sebastiana ao Tejo”.