Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1 Regra nº 1: só têm relevância os assuntos que o BE e seus compagnons definem como relevantes.

Grupo de 20 homens cerca polícias e liberta detido em Almada. Suspeito conseguiu escapar. PSP chamou reforços mas teve de libertar o homem.” — Supor-se-ia que um grupo de vinte homens a cercar dois agentes da polícia a meio da tarde em Almada seria por si um facto capaz de suscitar várias perguntas: donde apareceram os vinte homens? Como é que a polícia apesar de ter recebido reforços não foi capaz de manter detido o homem que acabara de prender? O que levara à detenção do homem?…

Na verdade supõe-se mal: o caso não mereceu atenção. Esta desatenção é tanto mais estranha quanto na zona de Almada se acumulam casos que provam não só que a lei não se aplica a todos de igual modo mas também  que alguns impõem já sem qualquer entrave a sua própria lei: há dois meses um grupo de sete homens invadiu a casa de uma agente da GNR durante a noite.  Um grupo de sete homens a entrarem a meio da noite na casa de uma agente da GNR não é banal nem pode ser banalizado. Nem sequer o facto de o marido da agente ter sido barbaramente agredido e de na casa se encontrarem duas crianças, as filhas do casal, foi suficiente para que a notícia saísse das páginas do Correio da Manhã.  O país debate amestradamente a violência que os observatórios, o ISCTE e os diversos departamentos universitários que parecem secções do BE dizem ser uma chaga. Sobre o resto impera o silêncio.

2 Regra nº 2: perante o falhanço das políticas socialistas repetir três vezes a palavra “desigualdades”. 

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.