Logo Observador
Casa Branca

Departamento de Estado dos EUA divulgou mais 7.000 páginas de emails de Hillary Clinton

O Departamento de Estado dos EUA publicou hoje mais de 7.000 páginas de correios eletrónicos de Hillary Clinton, o grupo mais extenso até agora divulgado de mensagens da candidata presidencial democrata.

O Departamento de Estado dos EUA publicou hoje mais de 7.000 páginas de correios eletrónicos de Hillary Clinton, o grupo mais extenso até agora divulgado de mensagens da candidata presidencial democrata, enviadas quando era secretária de Estado.

A divulgação vem no seguimento da ordem do juiz federal Rudolph Contreras, que instruiu o Departamento de Estado no sentido da publicação mensal até janeiro de 2016 dos emails de Hillary Clinton, depois de ter sido revelado que tinha utilizado uma conta privada de correio eletrónico para assuntos de interesse nacional, enquanto estava no Governo.

Este é o primeiro grupo de mensagens publicado desde a intervenção da política perante o Congresso, na semana passada, acerca da utilização do seu correio eletrónico e do ataque de 2012 contra o consulado norte-americano em Bengazi, na Líbia, um discurso de que saiu reforçada.

A maioria das mensagens agora divulgadas datam de 2011 e 2012, embora também haja algumas enviadas em 2009 e 2010, explicou aos jornalistas o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby.

Entre 200 e 300 dos correios eletrónicos do grupo daqueles hoje conhecidos tinham a categoria de “classificados” por conterem informação confidencial, depois de serem revistos pelo Departamento de Estado, segundo o porta-voz.

John Kirby referiu que nenhum deles estava marcado como classificado no momento de ser enviado ou recebido por Hillary Clinton.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

T2: Trump e Temer

João Marques de Almeida

Os líderes europeus, apesar da antipatia que sentem contra Trump, estão nervosos com a possibilidade de um impeachment nos Estados Unidos. Sabem que o processo poderia prejudicar a economia europeia.