Serviço Nacional de Saúde

PSD acusa Governo de “corte brutal” no Serviço Nacional de Saúde

O PSD acusou o Governo de fazer um "corte brutal" no investimento no Serviço Nacional de Saúde e os partidos de esquerda de serem cúmplices da "agonia para que caminha o sistema público de saúde".

Para o PSD, a atual política de saúde pode descrever-se em três D: "descontrolo, desinvestimento e desespero"

LUÍS FORRA/LUSA

O PSD acusou esta quarta-feira o Governo de fazer um “corte brutal” no investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e os partidos de esquerda de serem cúmplices da “agonia para que caminha o sistema público de saúde”.

“O facto é que o Governo fez um corte brutal no investimento público no SNS”, afirmou o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, no encerramento a uma interpelação ao Governo sobre políticas de saúde. Para o PSD, a esquerda “que outrora se fingia preocupada com o SNS”, é agora “cúmplice da agonia para que caminha” o sistema público de saúde.

Para os sociais-democratas, tem havido uma contradição entre “o discurso político do Governo e dos seus acólitos e a realidade dos factos”.

“Continuaremos fiéis aos princípios do Estado social, cientes de que os portugueses merecem um Governo sério, patriótico e não a troika alegre de Costa, Catarina e Jerónimo. Portugal precisa de um Governo sério e patriótico, mas não de esquerda”, disse Luís Montenegro no final da sua intervenção.

O ministro da Saúde respondeu ao PSD indicando que “um Governo sério e responsável é mais provavelmente um Governo de esquerda do que de direita”.

Adalberto Campos Fernandes lamentou ainda que o PSD tenha agendado uma interpelação ao Governo sobre política de saúde tendo-se centrado a “discutir lateralidades”.

Para o PSD, a atual política de saúde pode descrever-se em três D: “descontrolo, desinvestimento e desespero”.

Descontrolo na execução orçamental e nos pagamentos em atraso e desespero no corte de 35% com a aquisição de profissionais de saúde contratados a empresas. Campos Fernandes devolveu à oposição os três D atribuídos pelo PSD, considerando que houve descontrolo na forma como foi organizado a interpelação de hoje ao Governo e desespero pela “estabilidade política” que existe.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Hospitais, novos e velhos

Fernando Leal da Costa
112

Vai haver verbas para rastreio do cancro. Magnífico. E os doentes dados como “positivos” vão ser investigados e tratados no mês seguinte? É que o número dos que esperam cirurgia não pára de aumentar.

Infarmed

Um país sem remédio

Alberto Gonçalves
220

No fim, como de costume, as coisas ficarão na mesma, com o Infarmed em Lisboa, uma sucursal no Porto para justificar o barulho e cinco comissões inventadas para “articular” o arranjo.

Medicina

Mãe e avó

Pedro Vaz Patto

A respeitável intenção de ter um filho não pode levar a fazer deste um objeto de um desejo ou de um direito, a satisfazer esquecendo ou ultrapassado o seu supremo bem.

Pobreza

O dia mundial dos pobres, uma hipocrisia?!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Com o valor, certamente astronómico, da hipotética venda da Pietà, milhões de pobres, que vivem agora na miséria, poderiam ser significativamente ajudados.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site