Logo Observador

A noite de terror em Figueiró dos Vinhos

18 Junho 20171.420

Na estrada há carros totalmente carbonizados. Em Figueiró dos Vinhos, a população passou a noite em desespero a tentar salvar as suas casas, com poucos bombeiros para ajudar.

A estrada que liga as vilas de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, no nordeste do distrito de Leiria, é talvez o cenário mais desolador do incêndio que matou pelo menos 57 pessoas na noite deste sábado. De um lado e de outro, o preto e branco das árvores carbonizadas, do fumo e da cinza. No tapete de alcatrão, um amontoado de cabos elétricos derretidos caídos dos postes de eletricidade incinerados que estão tombados ao longo do caminho. No centro da estrada, aqui e ali, carros e camiões totalmente carbonizados. Foi nesta estrada que morreram 47 pessoas (30 encontradas dentro de viaturas, 17 na estrada ou nas margens) que, cercadas pelas chamas, não conseguiram fugir.

A zona mais crítica — onde estão as dezenas de veículos carbonizados em que morreram as vítimas — está vedada pela polícia. Para lá das fitas, os inspetores da PJ vão analisando ao detalhe e fotografando cada carro queimado: a força das chamas foi tal que deixou os veículos num estado de destruição completo, levando à morte imediata dos seus ocupantes.

O incêndio começou em Pedrógão Grande no fim da tarde de sábado, mas rapidamente se alastrou aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, onde arderam dezenas de casas e terrenos. Foi em Figueiró dos Vinhos que o Observador testemunhou uma noite de desespero em que escasseavam os bombeiros, restando apenas os baldes de água, as mangueiras domésticas e os ramos verdes nas mãos dos residentes para tentar, muitas vezes em vão, afastar as chamas das suas próprias casas.

“Preferia que ardessem os meus terrenos do que ver esta gente a morrer”

Numa das aldeias junto à vila de Figueiró dos Vinhos, meia dúzia de homens usavam dois extintores e alguns baldes de água para tentar impedir uma frente do incêndio de atingir os campos de cultivo e as habitações do outro lado da estrada. “Já não há mais água, pá”, ouve-se a dada altura. “É correr, temos que fugir daqui!”, grita outro.

A menos de cinco metros, uma pequena oficina repleta de materiais inflamáveis já estava cercada pelas chamas. Só faltava mesmo entrar, algo que há muito os donos e os vizinhos tinham considerado inevitável. Aconteceu pouco antes das cinco da manhã, perante o desespero do dono e da sua família.

Ali perto, junto ao café “Figueiras” — que se manteve aberto durante toda a noite, apesar de cercado por chamas, para oferecer água e comida a quem ficou sem nada — o sentimento era de impotência, diante da ausência de qualquer bombeiro naquele lugar. Fernando Moreira, 61 anos, reformado da GNR, passou toda a tarde e toda a noite na rua. É da Sertã, que fica a cerca de 30 quilómetros dali, mas assim que soube da tragédia veio para ajudar um amigo a tirar as máquinas agrícolas do centro do incêndio.

“Acabei agora de ligar pela décima vez para o 112 para chamar bombeiros para aqui”, conta ao Observador, ainda com o telemóvel na mão. “Há muita falta de organização dos bombeiros. Há 22 anos que aqui ando e sempre que vejo incêndios é sempre assim, têm de ser as pessoas a apagar o fogo”, lamenta. É ele quem conta às cerca de quinze pessoas que ali se aglomeram que “provavelmente estava lá gente dentro”. “O dono da oficina tem a casa lá junto da oficina, e a família vive mais para cá”, vai detalhando, enquanto aponta para as chamas que já envolvem por completo o negócio.

Fernando depois de ligar "pela décima vez" para o 117

Dono de vários hectares de terrenos naquela zona, o homem garante que “ainda não ardeu nada” seu. “Mas amanhã é capaz de arder. É a vida”, desabafa. “Ainda assim, preferia que ardessem para ali os meus terrenos, do outro lado do rio, do que ver esta gente a morrer aqui”. Residente desde sempre na região, Fernando diz não se lembrar de um incêndio como este. “Só nos anos 80, em Vila de Rei, é que vi alguma coisa parecida a isto, mas mesmo assim este é muito maior. Muito maior”, recorda.

Impedido de regressar a casa devido ao corte do IC8 — a via rápida que liga muitas das vilas e cidades desta zona — Fernando vai ajudando como pode, nomeadamente continuando a telefonar para os bombeiros. Aparentemente, com efeito. Vinte minutos depois do momento em que as chamas destruíram a oficina, chegou o primeiro carro de bombeiros ao local.

Amélia fugiu de autocaravana e não sabe se a sua casa ardeu ou não

Amélia Rocha, de 60 anos, chora junto à autocaravana com que fugiu, com o seu marido, da casa em chamas. “Eu estava em casa com o meu neto e de repente o miúdo sai cá para fora e começa a dizer ‘Ó avó, estão ali chamas'”, lembra, no meio de lágrimas. “Quando vamos a ver já estavam quase as chamas em casa. Foi pegar no carro e viemos para aqui”, afirma a mulher, explicando que o neto “é diabético e como nunca tinha visto nada disto, começou a ficar assustado”. “Se não fosse o meu neto estávamos mortos”, garante.

Naquele momento, não sabia nada sobre a sua casa. “Não sabemos de nada, não faço ideia”, lamenta, acrescentando que não foi autorizada a aproximar-se da habitação. “Não me deixam passar, dizem que se passar a responsabilidade é minha”, sublinha. “Não sei se ardeu ou não”, diz a mulher. Ao mesmo tempo, Amélia está também preocupada com os seus animais — três cabras, quatro cabritos pequenos e ainda 15 vacas noutra quinta separada, que teve de soltar. “O gado nós soltámo-lo, mas agora onde é que está não sei.”

Amélia esteve sem comer desde as 19h00 — falou ao Observador já às cinco da manhã — e não tinha vontade de comer. “Quem é que quer comer com esta tragédia?”, questiona. Também os medicamentos que tem de tomar todas as noites ficaram por tomar desta vez, porque ficaram em casa. “Primeiro a doença e agora o fogo em casa, já só me faltava mais esta”, lamenta a mulher — Amélia foi operada recentemente a dois tumores no nariz e está à espera de uma segunda operação.

Amélia fugiu com a sua autocaravana. Não sabe se a casa ardeu ou não

“Tínhamos morrido lá. Estávamos mortos”, repete Amélia. “O meu filho tinha ido a Cabeças [outra aldeia ali perto], quando veio isto já estava tudo a arder. Só gritou ‘fujam, fujam, fujam'”, recorda. O filho levou o neto e Amélia e o marido pegaram na autocaravana e fugiram para o topo da rua. Mas não vão abandonar a terra enquanto não conseguirem regressar a casa, garante a mulher.

O candidato à câmara que andou a apagar o fogo

Ali, mesmo no meio do pânico e da tristeza que assola os moradores da vila, já chamam a Carlos Lopes “o próximo presidente da câmara”. Carlos é candidato independente à autarquia de Figueiró dos Vinhos nas próximas eleições autárquicas, mas hoje é apenas um morador preocupado com as chamas a 400 metros da sua casa. “Felizmente, o fogo não chegou ali acima, mas houve muita gente da nossa terra que perdeu muita coisa”, conta ao Observador.

Carlos é candidato à câmara, mas esta noite foi apenas um morador preocupado com as chamas a 400 metros de casa

“É uma tragédia no nosso concelho, uma tragédia de que não tenho memória, mesmo recuando a 2005 quando tivemos aqui fogos que acabaram por destruir uma parte significativa do nosso território”, lembra Carlos Lopes, sublinhando que as populações de todas as aldeias e lugares estão “sem dúvida num sobressalto enorme”.

Sobre a atuação dos bombeiros, Carlos Lopes prefere não alinhar nas críticas: “Isto costuma-se dizer que em casa em que não há pão todos ralham e ninguém tem razão. Acho que os bombeiros têm feito o seu trabalho na medida do que é possível e têm feito um esforço sobre-humano para acudir àquilo que foi de facto uma tragédia e que está a pôr em causa uma mancha verde muito importante do nosso concelho.”

Texto de João Francisco Gomes, fotografia de João Porfírio, vídeo de Júlio Lobo Pimentel.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Fogo de Pedrógão Grande

Morrer entre brutos é triste

Alberto Gonçalves
1.043

Portugal não cede à baixa política, leia-se permite a impunidade geral. Portugal, repete-se, é uma nação muito forte, leia-se um recreio de oportunistas, desnorteados ao primeiro assomo da realidade.

Igreja Católica

O diabo existe… graças a Deus!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

As nossas representações do diabo são ‘figuras simbólicas’, mas não o próprio demónio, cuja realidade e actuação são verdades de fé reveladas na Bíblia.