PSD

A direita do futuro

Autor
631

O país dispensa uma direita que convenha à esquerda. A direita tem de ser descomplexada e ter alternativas, sem se acantonar no passado. Assim Cristas tirou a maioria a Medina, assim se derrota Costa.

A saída de cena de Pedro Passos Coelho é um enorme terramoto político. Passos é o homem que derrotou Sócrates, venceu o resgate e liderou a oposição, após chefiar dois governos. É difícil escrever-lhe um elogio que não pareça uma despedida. A verdade é que sempre me descobri na posição embaraçosa de admirar nele o que toda a gente detestava: a gravidade institucional, que sempre me pareceu mais respeitável que a política de afectos; o discurso pedagógico, feito para instruir e não para vender; a persistência teimosa, que sobrepunha a ética ao cálculo de ocasião.

Mas, mais do que o homem, interessa-me o seu legado. O afastamento de Passos abre um novo ciclo político no País. O PSD repensará a sua liderança e toda a direita terá de reposicionar-se para crescer. Como não sou do PSD, não discutirei a liderança do PSD. Como sou de direita, tenciono discutir o rumo que ela deve tomar.

Há dias, no Público, Paulo Rangel e Pedro Duarte assinavam duas interessantes reflexões sobre o futuro do PSD e do seu espaço político. De formas distintas, ambos se dão a grandes trabalhos para descolar de Passos. Rangel, mais subtil, afirma que o partido “é pela liberdade, mas não é liberal”. Duarte, mais drástico, quer rejeitar o “dogmatismo financista e neoliberal”.

É curioso que dois dirigentes do PSD recusem o liberalismo com mais veemência do que o socialismo. Contudo, julgo que ambos tocam noutra ferida, mais profunda e mais interessante. Nas suas diatribes contra o liberalismo, criticam uma arena política que, da esquerda à direita, absolutizou a economia como único critério e abandonou qualquer projecto espiritual para o País.

Não é um fenómeno exclusivo do PSD. Parece ser característica das sociedades pós-modernas que os políticos discutam acaloradamente o défice, a dívida e a exportação de hortaliças, mas hesitem em debater questões morais. Não era assim há vinte anos, mas hoje, a direita – e, particularmente, o PSD – não tem uma visão abrangente sobre o homem e a sociedade. As mais escandalosas minudências são votadas com disciplina de voto, mas o PSD não tem uma resposta segura para dar sobre a defesa da vida humana. As dimensões mais fundamentais da nossa sociedade são sistematicamente discutidas às três pancadas, entre pruridos e tabus, e acabam remetidas para o foro da consciência individual dos deputados.

Duarte quer o partido norteado por “valores humanistas” e Rangel invoca “a dignidade da pessoa humana”. Mas o que quer isto dizer, quando levado ao concreto? É o personalismo de Mounier, Maritain e dos grandes democrata-cristãos, ou é o atomismo social-democrata, vestido com embrulho reluzente? É a defesa de uma sociedade centrada na pessoa, que fortaleça as famílias e os laços comunitários, ou a perspectiva individualista, que destrói os corpos intermédios para transformar cada homem num mero decisor económico e num beneficiário directo da acção estatal?

E quanto ao valor do trabalho? Em tempos, esta foi uma argamassa forte, que agregava as direitas e permitia consensos com uma esquerda moderada. Estaremos hoje condenados a discutir o trabalho numa infeliz dicotomia entre a liberalização absoluta e o activismo sindical? Não terá a direita uma palavra a dizer sobre a qualificação de adultos e a reinserção dos desempregados de longa duração? Ou em defesa do mérito no funcionalismo público? Ou sobre a tributação das horas extraordinárias? Ou sobre a precariedade das novas gerações? Ou sobre a Segurança Social?

Também seria importante que a direita olhasse para a cultura sem estigmas e propusesse um programa de recuperação do património histórico, afirmando um patriotismo sereno e descomplexado. No ensino, há tanto caminho a fazer pela avaliação dos professores, pela liberdade das famílias e pela autonomia das escolas. Haverá coragem para isso? Haverá vontade para repensar o Estado Social, favorecendo a descentralização e as sinergias com o Terceiro Sector, como sugeria Santana Lopes? Por fim, terá a direita a audácia de repensar o enquadramento geopolítico português, perseverando na UE, mas redescobrindo pontos de contacto com a lusofonia e os aliados atlânticos?

Com a saída de Passos, alguns descobrem uma oportunidade para encostar o PSD à esquerda. Outros desejam liberalizar a direita e fazer do novo ciclo um aprofundamento do anterior. É prudente resistir a ambas as tentações. Uma direita amestrada pela esquerda não contribui para o debate democrático e está condenada a esmorecer, porque não representa o seu próprio eleitorado. Uma direita exclusivamente liberal, que se deixe enredar no discurso economicista, abdica de ter desígnios abrangentes para o País e torna-se sensaborona e desapontante.

De resto, as derrotas clamorosas de Teresa Leal Coelho e Álvaro Almeida mostram bem como os eleitores – mesmo os eleitores urbanos, burgueses e cosmopolitas – rejeitam candidaturas sem projecto e sem ideias, cuja única bandeira seja a redução fiscal. Por outro lado, o surpreendente resultado de Assunção Cristas introduz um dado importante sobre a vitalidade de um eleitorado conservador e católico, que muitos julgavam em declínio e que não pode ser alienado. Em freguesias como a Estrela ou Belém, o CDS tem mais votos sozinho do que, há quatro anos, em coligação com o PSD. Nas Avenidas Novas, Raquel Abecasis, antiga jornalista da Rádio Renascença, fica a sessenta votos de vencer. São indicadores importantes, que medem o pulso ao eleitorado de direita, e que devem ser tidos em conta no novo ciclo político.

O País não precisa de uma direita sem projecto, à espera que o poder lhe caia nas mãos. Mais do que nunca, a direita deve ser forte e descomplexada, ouvir a sociedade, formular sínteses doutrinárias próprias e construir alternativas, sem se deixar acantonar no passado. Foi assim que Assunção Cristas retirou a maioria absoluta a Fernando Medina. É assim que se pode derrotar António Costa.

Estudante de ciência política, 21 anos

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Web Summit

Quanto custa um País?

António Pedro Barreiro
502

Como diz Michael Sandel, “algumas das coisas boas da vida são corrompidas ou degradadas quando convertidas em mercadorias”, pois expressam valores que o mercado não pode captar. Era o caso do Panteão.

Parentalidade

Eram duas criancinhas, s.f.f.

António Pedro Barreiro
1.613

A ideia de que os filhos são um direito dos pais, que a tecnologia e a lei devem fabricar a pedido, é um dos disparates mais perigosos dos nossos tempos. 

Aborto

O pior aniversário de sempre

António Pedro Barreiro
1.358

O aborto não cumpriu as suas promessas e falhou gravemente às mulheres portuguesas. Ao passarem 10 do referendo, lembremos que pior aniversário é o aniversário dos que nunca poderão fazer anos.

Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site