Humor

Elogio de Bruno Aleixo

Autor
224

Bruno Aleixo alivia, e muito. Permite perceber algo de profundo que se encontra tiranicamente no fundo de cada um de nós e fá-lo em puro gozo e sem didactismo nenhum. Não percam.

Apesar dos valorosos esforços das claques de futebol e da temível claque do PS, que é, como a outra, digna de extensos estudos sociológicos, impera em Portugal a mais extrema bondade. A piedade vigente manifesta-se antes de mais, como convém, no jornalismo televisivo. Uma pessoa não pode ver um telejornal sem se deparar a todo o momento com uma intensa paixão pelo Bem, que não hesita nunca, quando se trata de exibir bons sentimentos, de recorrer ao literário artifício do lirismo. É impossível não estarmos constantemente a tropeçar nele. O lirismo televisivo voa com facilidade e liberta-nos do fardo da gravidade. É, por assim dizer, a “Praça da Canção” possível do nosso dia-a-dia. Um espírito desprevenido julgaria talvez que se trata de falta de respeito pela objectividade. Os espíritos desprevenidos tendem para o prosaico.

Seria sumamente injusto, no entanto, pôr a culpa toda no jornalismo. Se há oferta é porque há procura. E, tendo em conta a dimensão da oferta, a procura é obviamente de monta. É de supor que algo em nós aspira a encontrar no desembaraço lírico um alimento qualquer para o nosso espírito. Qualquer coisa que nos conforte na intuição da nossa própria bondade. Que, de obscura, a torne clara e nítida. Que lhe dê causas na qual se reveja e que a preencham. Do estado geral do planeta às mais minúsculas aspirações, tudo serve. E tudo é convenientemente servido em abundância.

Não quero ser mal compreendido. Não sou cínico e as várias manifestações de bondade de que os humanos são capazes parecem-me admiráveis. Ao ponto de, como toda a gente, viver com desagrado a lembrança dos muitos momentos em que, ao longo da vida, delas não fui capaz, por pura e simples estupidez ou por outras razões talvez menos confessáveis. O meu problema é outro. É que, além da tal perda de objectividade que o acento excessivo no sentimento fatalmente induz, há algo de vagamente opressivo na permanente campanha pelo Bem que a todo o momento nos rodeia. Se calhar sou, à minha maneira, excessivamente sensível, embora não me pareça: creio que muita gente reage a isto como eu. Muita gente a quem os excessos da sensibilidade demonstrativa cansam, porque tanta mobilização cansa mesmo e tende paradoxalmente a engendrar uma reacção de indiferença com a qual, de tempos a tempos, não sabe bem viver.

Por esta e por outras é que foi com grande alegria que soube do retorno, na SIC Radical, do grande, enormíssimo, Bruno Aleixo. Para quem não o souber, Bruno Aleixo é um personagem em forma de cão criado já há vários anos por João Moreira, João Pombeiro e Pedro Santo (espero não me ter esquecido de ninguém importante). Ele representa o antídoto perfeito para o mal-estar que mencionei antes. Porquê? Porque é magnificamente péssimo. Egoísta até mais não, é por inteiro destituído de super-ego. Não respeitando ninguém, manipula tudo e todos, não por cálculo mas por uma espécie de absoluta convicção da inexistência real de qualquer vontade alheia à sua. Ao mesmo tempo, é um pocinho de preconceitos e rejeita impiedosamente tudo aquilo que se encontra fora do seu conhecimento e do seu interesse. Não se pode falar sequer de maldade: ele está antes do Bem e do Mal, como o inconsciente de Freud.

O que faz com que haja nas suas relações com os outros personagens do programa uma inquietante estranheza. Os seus interesses são os mais triviais que se pode imaginar, mas, dado o seu absoluto desrespeito pelos outros, um desrespeito tão extremo que dele ele é tudo menos consciente, rapidamente os diálogos se tornam delirantes. E, repito, aquilo resulta mesmo inquietante de estranho. A vulgaridade dos seus objectivos acentua até essa estranheza e o génio dos seus autores manifesta-se, entre outras coisas, em terem percebido o potencial desse facto. Retire-se a completa falta de vergonha que ele exibe e encontramos quase a gente do dia-a-dia.

Bruno Aleixo alivia, e muito. Permite perceber algo de profundo que se encontra tiranicamente no fundo de cada um de nós e fá-lo em puro gozo e sem didactismo nenhum. O humor é, como se sabe, das coisas mais difíceis do mundo. É preciso encontrar um assento qualquer de incoincidência com a realidade que mantenha no entanto com ela alguma afinidade misteriosa. Os criadores do Bruno Aleixo descobriram-no. Ao vê-lo, nada se perde em desejo de bondade. Pelo contrário, ganha-se. E, o que é o melhor dos métodos, a rir. Não percam.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Debate

Desimportantizar os caraoqueiros

Paulo Tunhas

O pensamento-karaoke funciona como obstáculo a que se procure entender o que se passa à nossa volta. Os caraoqueiros estão-se, de resto, nas tintas. Só querem caraocar mais alto do que os outros.

Hollywood

Fragilidade ou impureza?

Paulo Tunhas

Hollywood segrega agora um macartismo da sua própria lavra, talvez não menos horrível do que o outro e recebendo a beatífica unção do “anti-trumpismo”. O grotesco passou a ter ali um lugar de eleição.

Política

Partidos e vizinhos

Paulo Tunhas

A associação secreta vulgarmente referida por Assembleia da República e a Câmara de Lisboa decidiram contribuir generosamente para confortar os cidadãos na sua pouco simpática visão da classe política

Pobreza

Em nome dos filhos

Diogo Prates

Esta é a oportunidade da direita portuguesa, conseguir com um discurso simples mas eficaz apagar de vez a imagem de que a esquerda é a única que se preocupa com os mais pobres e desfavorecidos. Não é.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site