Carlos César

Para além dos Césares

Autor
649

Em Portugal, há demasiados indivíduos e grupos de interesse cujas posições, estatutos e rendimentos dependem da sua relação com o poder político e representam um custo excessivo para a sociedade.

O apelido do líder parlamentar socialista permitiu esta semana as mais variadas referências clássicas, desde a “mulher de César” até ao “cavalo de Calígula” (Gaio César, dito Calígula). Não quero perturbar a alegria dos comentários sobre a alegada frequência com que os contribuintes têm sido chamados a sustentar os parentes do Dr. Carlos César. Mas interessa-me sobretudo o que esta história diz do regime e das chamadas “reformas estruturais”.

Em Portugal, não são apenas umas quantas famílias que vivem do Estado, ou para ser mais exacto, da capacidade do Estado para extrair rendas à sociedade. São os partidos, financiados pelos contribuintes; são empresas, com rendas asseguradas; são classes profissionais, com empregos, rendimentos e garantias dependentes do Estado; são até gerações, com pensões para que nunca descontaram – são, enfim, todos aqueles que, de um modo ou outro, adquiriram posições, estatutos e rendimentos que só podem ser explicados pela sua relação com o poder político ou pelo interesse deste em criar uma relação clientelar com eles.

Quando esses indivíduos ou grupos admitem que no “privado” ou no “mercado” não obteriam os lugares e proventos de que beneficiam graças ao Estado, fazem-no geralmente para sublinhar as insuficiências do “privado” ou do “mercado”, uma vez que estão convencidos da justiça ou da utilidade dos favores de que gozam. Mas descodifiquemos o “privado” e o “mercado”. Se concebermos o “privado” como consistindo nas relações entre os cidadãos sem a intermediação directa do poder político, e o “mercado” como abrangendo as múltiplas escolhas dos cidadãos dentro da lei, então o que os favoritos do poder estão a reconhecer é que os seus concidadãos não lhes dariam o emprego, nem lhes garantiriam o rendimento, sem a coacção do Estado.

Não estou a dizer que a sociedade está sempre certa. Muitas vezes não está. Mas em geral, paga pelo que faz. Um empresário pode criar um emprego desnecessário para um parente incapaz, mas a conta é sua. Os titulares do poder político, além de também errarem, têm os meios de fazer pagar pelos outros as suas opções. Quando um político dá um emprego ou legisla uma vantagem a favor de um grupo ou de uma empresa, é a sociedade que terá de suportar o custo do emprego ou do privilégio.

O problema maior da sociedade portuguesa, neste momento, é este: uma grande massa de indivíduos, organizações e grupos de interesse de todo o tipo (sindicais, empresariais, corporativos, partidários, etc.) usam a sua relação com o poder político para imporem à sociedade os custos de posições, estatutos e rendimentos, que não são verdadeiramente sustentáveis ou não geram qualquer benefício, a não ser para os próprios. A sociedade portuguesa, se fosse um atleta numa prova de velocidade, estaria a competir com uma enorme bola de ferro chumbada a um pé.

As chamadas “reformas estruturais” visam diminuir essa carga, de forma a baixar os custos de viver, trabalhar e investir em Portugal. Os oligarcas resistem, não apenas porque muitos têm interesse directo na actual situação, mas porque não conseguem imaginar outra relação com a sociedade, senão através de uma massa de clientes, a quem favorecem e de quem depois esperam, em troca, uma boa votação e uma boa opinião. Tem sido esta, aliás, a filosofia do presente governo. É por isso que a árvore dos Césares, por mais curiosa que seja, não deve esconder a floresta.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Governo

O país pequenino onde uma mão lava a outra

José Manuel Fernandes
986

A Raríssimas não é raríssima. Pior: se virmos como desde o topo do Governo a um pouco por todo o Estado há demasiados amigos e familiares, percebe-se que o exemplo até vem de cima. E ninguém estranha.

Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site