Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A empresa vendia serviços de consultoria financeira e os seus consultores prometiam aos clientes endividados a resolução de todos os seus problemas. Até ao dia em que os clientes perceberam ter ainda mais dívidas. As suspeitas de que estavam a ser burlados foram esta semana confirmadas pela PJ: os dois consultores aproveitavam a confiança com os clientes, e o acesso à suas contas, para desviarem dinheiro para contas próprias. Pelo menos, oito clientes foram enganados num total de 150 mil euros. A PJ procura mais vítimas.

O caso aconteceu na zona de Sintra e culminou terça-feira na detenção de um homem de 44 anos e uma mulher de 38. Os dois eram consultores de uma empresa cuja atividade, nos últimos tempos, se limitou a este tipo de burlas, apurou o Observador junto de fonte da Polícia Judiciária.

As vítimas eram clientes que enfrentavam problemas económicos. “Alguns tinham vários créditos para pagar”, explica a fonte. Os consultores propunham consolidar os créditos, através de um empréstimo que globalizasse o valor total, se estendesse no tempo e cujas prestações fossem, por isso, mais baixas.

“Os suspeitos tinham acesso às contas dos clientes. Quando entrava o valor do crédito, eles retiravam uma parte para as suas contas. Não sendo os créditos liquidados. Noutros casos, chegaram a apoderar-se de valores já existentes nas contas das vítimas”.

Alguns dos lesados ficaram numa situação económica ainda mais extrema. “Houve quem perdesse a casa e quem pedisse insolvência”, diz a PJ. Os suspeitos não tinham antecedentes criminais, mas ficaram em prisão preventiva enquanto o processo continua.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR