As organizações são complexas e os métodos tradicionais de gestão podem ser contra-produtivos. O mais importante numa organização não é a liderança, mas a cooperação entre as pessoas. É o que argumentam Yves Morieux e Peter Tollman no seu livro “Six Simples Rules”, da Boston Consulting Group.

Yves Morieux e Peter Tollman defendem o conceito de simplicidade inteligente. O segredo é tornar as pessoas mais autónomas, cooperantes e capazes de resolver problemas. Só desta forma as organizações se podem tornar mais ágeis, competitivas e reativas.

No livro, os autores dão seis regras simples para promover maior autonomia e cooperação:

1. Compreender o que realmente se passa na organização
É preciso perceber como e por que razão as pessoas cooperam, encontram recursos e resolvem problemas. É também preciso perceber como e porquê não o conseguem fazer.

2. Identificar as pessoas que promovem a cooperação
Cooperar nem sempre é fácil. As pessoas devem reunir, perceber as necessidades umas das outras e produzir algo que seja mais do que a soma das partes. Muitas vezes isso pode aumentar a tensão, mas as pessoas que se ressentem podem ser essenciais para manter o espírito de cooperação. É essencial dar-lhes poder, incentivos e autoridade para terem sucesso.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

3. Dar mais poder a mais pessoas
Se mais pessoas tiverem autoridade para tomar decisões na organização, isso significa que podem resolver os seus próprios problemas.

4. Aumentar a reciprocidade
Criar condições para assegurar que as pessoas colocam a sua autonomia ao serviço do grupo com o objetivo de lidar com a complexidade. As pessoas devem tornar-se mais dependentes umas das outras para que cooperem de forma mais eficaz.

5. Integrar as pessoas no futuro da organização
Ao terem de solucionar um problema que pode vir a afetá-las diretamente, as pessoas compreendem a necessidade de resolver esse mesmo problema de forma mais eficaz.

6. Não se deve castigar quem fracassa, mas antes quem não coopera
Se as pessoas têm receio de falhar, terão tendência a esconder os problemas dos gestores e colegas de trabalho. Por isso, os gestores devem recompensar as pessoas que ultrapassam os problemas e penalizar aquelas que não trabalham em equipa para os resolver.

Segundo Yves Morieux, “se queremos que os colaboradores cumpram objetivos, devemos compreender as funções reais das pessoas e não aquilo que deixam por fazer, para que se mudem os objetivos e estes sejam cumpridos”.