Michel Platini

UEFA investiga violência no Sérvia-Albânia

Michel Platini, presidente da UEFA, disse que o futebol "não se deve misturar com política", após o Sérvia-Albânia ter sido interrompido devido a confrontos entre jogadores e adeptos. UE também reagiu

Os adeptos invadiram o relvado pouco depois do 40.º minuto do Sérvia-Albânia

GENT SHKULLAKU/AFP/Getty Images

Indesculpáveis. Foi assim, com uma palavra, que Michel Platini, o presidente da UEFA, reagiu ao drone, à invasão de campo e às cenas de pancadaria que, na terça-feira, obrigaram a quem o encontro entre a Sérvia e a Albânia fosse interrompido. “É suposto que o futebol una as pessoas e o jogo não se devia misturar com política”, lamentou o gaulês. E a entidade que gere o futebol europeu já estará a investigar os incidentes.

Pelo menos é isso que vários jornais têm avançado, citando fontes da UEFA. A partida, que se integrava na segunda jornada da fase de qualificação para o Europeu de 2016, foi interrompida aos 40 minutos — quando um drone sobrevoou o relvado, carregando uma bandeira da Albânia e um mapa intitulado de “A Grande Albânia”, onde estava desenhada a região separatista do Kosovo.

Stefan Mitrovic, defesa sérvio que está contratualmente ligado ao Benfica, agarrou a bandeira e retirou-a dos fios que a ligavam ao drone. Aí começou tudo. Jogadores albaneses e sérvio entraram em confrontos e quando Bekim Balaj, avançado da Albânia, tentava abandonar o relvado com a bandeira, um adepto sérvio entrou em campo e bateu-lhe com uma cadeira.

Assim que os futebolistas albaneses conseguiram entrar no túnel de acesso aos balneários, não mais de lá saíram — e Mike Atkinson, árbitro inglês, decidiu suspender o encontro. Agora, adianta o The Guardian, as federações de ambos os países têm até 23 de outubro para apresentarem à UEFA informações para a investigação que já decorre.

Uma vez terminada, a entidade deverá aplicar sanções às duas seleções: que poderão passar por multas, perda de pontos ou interdição de os seus adeptos entrarem no estádio durante algumas partidas oficiais. A UEFA poderá igualmente atribuir a vitória correspondente a este jogo à Sérvia ou à Albânia. Em outubro de 2010, por exemplo, os adeptos sérvios interromperam um encontro em Génova, entre a Itália e a Sérvia. Como castigo, a UEFA atribuiu a vitória nessa partida aos transalpinos (3-0).

Violência que chegou antes de uma visita histórica

Após o encontro, o ministro dos Negócios Estrangeiros sérvio, Ivica Dacic, culpou o irmão do primeiro-ministro albanês, Olsi Rama, de ter comandado o drone enquanto estava na zona VIP do estádio, a assistir à partida. “Era suposto ele estar aqui [no estádio do Partizan, em Belgrado, capital sérvia, onde se realizou o encontro] como um convidado. Isto dá ao evento uma dimensão política. Foi uma provocação”, criticou o dirigente sérvio, em declarações ao Blic, um diário do país.

A agência Reuters escreveu que Rama chegou a ser detido pelas autoridades sérvias, mas seria libertado pouco depois. Isto quando, para 22 de outubro, está agendada uma visita oficial do primeiro-ministro da Albânia a Belgrado, capital sérvia — a primeira desde 1946, quando o território ainda era governado por Enver Hoxha, homem que liderou o país entre 1944 e 1985. A Reuters, aliás, descreve esta visita como um esforço conjunto das duas nações de pacificar as relações e melhorar a imagem junto da União Europeia (UE).

Entidade que, esta quarta-feira, também reagiu aos incidentes ocorridos em Belgrado. “Estamos desapontados com a interrupção do jogo de ontem [terça-feira], seguindo-se a um ato de provocação”, disse Maja Kocijancic, uma porta-voz da Comissão Europeia (CE), acrescentando que as autoridades sérvias “demonstraram profissionalismo a lidar com a situação”.

A UE rejeitou ainda a sugestão de alguma imprensa sérvia, de que teria desempenhado um papel nos incidentes verificados no jogo de terça-feira. “A política não se guia por provocações em estádios e neste contexto salientamos a importância da cooperação regional e da visita programada do primeiro-ministro da Albânia, [Edi] Rama, à Sérvia, nos próximos dias”, sublinhou a porta-voz, citada pela agência Lusa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)