786kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Oito mulheres morrem na Índia em programa de esterilização do Governo

Este artigo tem mais de 5 anos

Governo levou a cabo mais um programa de esterilização em massa, mas há pelo menos oito mortes e cinquenta feridos. Ainda há dezenas de mulheres em estado crítico.

i

Kevin Frayer/Getty Images

Kevin Frayer/Getty Images

Oito mulheres morreram e outras 50 estarão hospitalizadas depois de terem sido submetidas a uma intervenção cirúrgica, no âmbito de um programa do Governo de esterilização que está montado na zona central da Índia.

De acordo com a agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP), citando um responsável do Distrito de Bilaspur, foram ainda suspensos três médicos que realizaram operações a um total de 83 mulheres.

As mulheres tiveram alta da operação cirúrgica a que se submeteram na noite de sábado, mas mais de duas dezenas ficaram doentes e tiveram que ser transportadas de ambulância para hospitais privados. Até ao dia de hoje, oito mulheres já tinham perdido a vida, de acordo com o mesmo responsável.

“Todas tinham os mesmos sintomas”, de acordo com Arvind Gupta, o diretor do Hospital Apollo, um dos hospitais onde as mulheres deram entrada. Entre os sintomas estava a baixa pressão arterial, dores de cabeça, problemas respiratórios e sinais de choque.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O jornal indiano Times of India diz que foram 50 as mulheres que deram entrada nos hospitais após as intervenções cirúrgicas, e aponta para acusações de negligência médica.

A primeira vítima mortal tinha 30 anos e foi operada no sábado. A mulher terá visto a sua condição piorar significativamente nas primeiras 24 horas após a cirurgia e não resistiu às complicações, tendo falecido esta segunda-feira num hospital da região.

Programas de esterilização em massa

O Governo indiano, preocupado com o rápido crescimento da sua população – que ronda os 1,3 mil milhões de pessoas, só superada pela China – oferece esterilização grátis às mulheres que querem evitar o risco e o custo de ter mais um filho, num país onde centenas de milhares vivem abaixo do limiar da pobreza. Por vezes, as mulheres recebem mesmo um pagamento único como incentivo para fazerem a cirurgia.

Os campos de esterilização são organizados pelo equivalente ao serviço nacional de saúde do país, que diz já ter mandado abrir um inquérito ao incidente. O diretor dos serviços de saúde indianos, Kamalpreet Singh, citado pelo Times of India, explicou que, como é política do Governo, os familiares mais próximos receberão uma compensação financeira pela morte das mulheres das suas famílias, sendo uma parte libertada de imediato.

Assine por 19,74€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Assine por 19,74€

Apoie o jornalismo independente

Assinar agora