Rádio Observador

Parlamento

Em nome da “recuperação nacional”, PS quer repor feriados a 5 de outubro e 1 de dezembro

Os socialistas pensam que a suspensão dos feriados, em 2012, foi "insuficientemente fundamentada" e não teve impactos na economia portuguesa.

"Chegou o tempo de corrigir" a decisão de 2012, defende o PS

MARIO CRUZ/LUSA

O Partido Socialista apresentou esta quarta-feira no Parlamento um projeto de lei que tem como objetivo repor os feriados de 5 de outubro e 1 de dezembro, que foram suspensos pelo Governo em 2012. Para o PS, o restabelecimento dessas datas festivas é “um imperativo nacional cuja concretização não tem de esperar pela mudança do ciclo político”. O novo líder socialista, António Costa, já tinha anunciado no congresso do partido a intenção de repor os feriados.

A decisão do Governo de suspender quatro feriados – dois civis e dois religiosos – em 2012 foi, no entender dos socialistas, “insuficientemente fundamentada”.

Veio rasgar desde logo, de uma só penada e com total ligeireza, a tradição cultural e histórica de comemoração anual de duas datas marcantes e decisivas para a construção e afirmação dos valores patrióticos que nos guiam como povo e como nação”, argumenta o grupo parlamentar do PS.

E, acrescentam os deputados, “cada ano mais que passa, a eliminação legal destes feriados afeta negativamente o sentido coletivo da identidade e da independência nacional”, pelo que entendem ser agora o momento certo para os restabelecer.

É por isso urgente, num processo de recuperação nacional, reverter a decisão de 2012, reerguendo valores e símbolos nessa altura atingidos”, lê-se na proposta socialista que entrou esta tarde na Assembleia.

No texto que acompanha o projeto de lei, o PS diz também esperar que, com esta iniciativa, fique aberta a porta à “recuperação dos feriados religiosos suprimidos”, o Corpo de Deus e o Dia de Todos-os-Santos. A Igreja Católica portuguesa fez saber, através do porta-voz da Conferência Episcopal, Manuel Barbosa, em declarações ao Expresso, que a sua posição é de que “o princípio da igualdade na reposição dos feriados tem de ser mantido”. Segundo este responsável, para já não houve contactos entre o Governo e as autoridades eclesiásticas para novas negociações sobre os feriados.

Do lado da maioria, até agora só o CDS manifestou a intenção de recuperar feriados, mas, para já, só o do 1 de dezembro, relativo à Restauração da Independência. O líder parlamentar centrista, Nuno Magalhães, disse na segunda-feira que “o presidente do partido irá apresentar uma moção sobre essa matéria” no Conselho Nacional do CDS, que vai reunir-se em Elvas a 13 de dezembro.”

Bloco quer feriado no Carnaval

O Bloco de Esquerda também apresentou a sua proposta de reposição dos feriados esta quarta-feira. Nela, o partido pede que sejam restabelecidos não só os feriados civis, como também os religiosos. Os bloquistas propõem ainda que seja instituído um feriado na terça-feira de Carnaval.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

Atentados às crianças /premium

Maria João Marques

Não vejo bem como defender um quadro legal que permite que o agressor continue a contactar a vítima criança, muitas vezes usando-a para atormentar a mãe (o que também atormenta a criança).

PCP

PCP: partido liberal falhado?

José Miguel Pinto dos Santos

Será então que a proposta eleitoralista de taxar depósitos acima de 100 mil euros um desvio liberal de um partido warxista? De modo algum. Não só é iliberal como irá agravar a próxima crise económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)