O universitário mexicano Adán Cortés Salas, que, na quarta-feira, interrompeu a cerimónia de entrega do prémio Nobel da Paz, foi esta segunda-feira deportado para o México pelas autoridades norueguesas, informou a televisão pública NRK.

O jovem de 21 anos escolheu a cerimónia de entrega do prémio Nobel da Paz 2014 aos dois ativistas que lutam “contra a opressão de crianças e jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”, conforme os descreveu a Academia Nobel de Oslo, para subir ao estrado da câmara municipal de Oslo com uma bandeira do México. Adán Cortés Salas acabou por ser retirado do local por seguranças, mas, conforme disse à NRK, tudo o que pretendia era chamar a atenção sobre a situação no México, em particular o desaparecimento de 43 estudantes no final de setembro na cidade mexicana de Iguala, após uma investida policial.

Na sexta-feira um tribunal tinha determinado a sua liberdade condicional, com a obrigação de se apresentar diariamente a um juiz até ser eventualmente expulso do país, mas a decisão foi antecipada após uma iniciativa da polícia. Os responsáveis policiais pretendiam a prisão preventiva de Cortés Salas por existir risco de fuga e por violação das leis de imigração.

Cortés Salas, cujo pedido de asilo político foi recusado há dias, permaneceu retido durante o fim de semana no centro para estrangeiros de Trandum, a norte de Oslo, enquanto aguardava a sua eventual expulsão e a resolução de um processo judicial. Após permanecer detido, foi transferido no domingo para o centro de internamento para estrangeiros de Trandum, após a polícia ter encerrado o caso na vertente penal com uma multa de 15.000 coroas (1.693 euros), imposta por “alteração da ordem pública” e “entrada ilegal” na câmara municipal de Oslo.

Jens-Ove Hagen, o advogado de Cortés Salas, disse à NRK que o seu cliente tinha embarcado esta manhã num avião com destino à Cidade do México, uma situação posteriormente confirmada pelas autoridades norueguesas.