Mais de 200 iraquianos da minoria religiosa yazidi foram libertados no sábado por um grupo do Estado Islâmico (EI) no norte do Iraque, muitos com problemas psíquicos e mentais, depois de terem estado meses nas mãos dos “jihadistas”.

Esta é a mais importante libertação de reféns pelo grupo extremista sunita responsável de várias atrocidades, disseram responsáveis iraquianos, afirmando-se surpresos por esta tomada de decisão sem qualquer coordenação com as autoridades, noticia a agência France-Presse.

A agência noticiosa francesa dá conta do “ar exausto e perdido” dos yazidi libertados, alguns em cadeiras de rodas, outros movimentando-se com apoio de cajados, e que foram levados para um centro de saúde na estrada que liga Kirkuk a Erbil, a capital do Curdistão iraquiano.

Os yazidi são uma comunidade étnico-religiosa curda, que representa uma crença com raízes no zoroastrismo, religião monoteísta fundada na antiga Pérsia pelo profeta Zaratustra.