UTAO

Dívida pública entre 127,9% e 128,7%, acima da meta do Governo, diz a UTAO

Dívida pública portuguesa deverá ter superado as previsões do Governo para 2014, situando-se entre os 127,9% e os 128,7% do PIB, segundo as contas da Unidade Técnica de Apoio Orçamental.

Estimativa da UTAO aponta para que o rácio da dívida pública se situe num valor "entre 127,9% e 128,7% do PIB

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A dívida pública portuguesa deverá ter superado as previsões do Governo para 2014, situando-se entre os 127,9% e os 128,7% do PIB, segundo as contas da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO). De acordo com uma nota da UTAO, a que a Lusa teve acesso nesta sexta-feira, a dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, “ascendeu a 224,5 mil milhões de euros no final de 2014, um valor que em termos nominais ficou acima do previsto” e que, a confirmar-se, “representa um aumento de 5,3 mil milhões de euros em termos nominais face ao final de 2013”.

Em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), a estimativa da UTAO aponta para que o rácio da dívida pública se situe num valor “entre 127,9% e 128,7% do PIB [Produto Interno Bruto]”, acima da última previsão oficial, incluída no Orçamento do Estado para 2015, que apontava para os 127,2%.

“Para este diferencial concorre não apenas o desvio verificado ao nível da dívida em termos nominais, mas também a eventualidade de vir a ser apurado um PIB nominal inferior ao previsto”, apontam ainda os técnicos que apoiam o parlamento, acrescentando que a previsão de crescimento económico do Governo (de 1%) era ligeiramente superior à divulgada hoje pelo INE – Instituto Nacional de Estatística (de 0,9%).

A UTAO refere também que, considerando o aumento de dívida pública acima do previsto, “para que a previsão do Ministério das Finanças ainda se pudesse concretizar (…) seria necessário um aumento do PIB nominal face a 2013 superior a 3%, cenário que não é entendido como provável”. Comparando com a estimativa mais recente do executivo, de 127,2%, a previsão da UTAO para o valor da dívida pública portuguesa “representa um diferencial de 1,2 mil milhões de euros”.

Os técnicos independentes referem que “para este desvio terá contribuído a menor utilização de depósitos em amortização de dívida e um efeito cambial desfavorável que deu origem a um aumento do ‘stock’ da dívida quando avaliada em euros”. A UTAO salienta ainda que, a confirmar-se a sua projeção, a dívida pública aumentou entre 2013 e 2014, não entrando numa trajetória de queda, como previa o Governo.

“A confirmarem-se as projeções da Comissão Europeia, de 128,9%, e o valor central da projeção da UTAO, de 128,3%, a dívida pública em percentagem do PIB terá aumentado em 2014, ainda que muito ligeiramente”, afirmam os especialistas. Em relação à dívida líquida de depósitos da administração central, a UTAO estima que tenha aumentado para os 207 mil milhões de euros, “mais 5,7 mil milhões de euros do que o registado no final de 2013”.

O Governo previa que a dívida pública se situasse nos 127,2% do PIB em 2014, uma estimativa mais otimista do que as dos credores internacionais: o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que o rácio da dívida seja de 127,8% e a Comissão Europeia aponta para os 128,9%.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Polémica

Caso encerrado (ainda "O regresso do 'eduquês'")

José Pacheco

O senhor Torgal crê – uma crença não se discute – que as escolas são prédios, dentro dos quais professores do século XX tentam ensinar alunos do século XXI, seguindo práticas pedagógicas do século XIX

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)