Rádio Observador

Supervisão Bancária

Missão de assistência técnica do FMI em Angola para reuniões com o Executivo

Uma missão de assistência técnica do Fundo Monetário Internacional iniciou, em Luanda, reuniões de trabalho com o Executivo angolano, no âmbito da supervisão financeira.

Em menos de um ano, trata-se da quarta visita de técnicos do FMI a Angola

JIM LO SCALZO/EPA

Uma missão de assistência técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI) iniciou nesta segunda-feira, em Luanda, reuniões de trabalho com o Executivo angolano, no âmbito da supervisão financeira, poucas semanas depois de ter sugerido o corte da subvenção aos combustíveis. De acordo com informação do Ministério das Finanças angolano, esta missão insere-se no artigo IV do Acordo Constitutivo do FMI, que prevê a avaliação regular da política económica dos Estados membros para “averiguar se esta é compatível com a estabilidade do sistema monetário internacional”.

A delegação presente em Luanda até 21 de fevereiro é liderada por Ricardo Velloso, chefe da Missão do FMI para Angola, e vai analisar a execução das políticas económicas do Executivo, “focando-se em adquirir atualizações e uma visão geral dos últimos desenvolvimentos a nível dos setores petrolífero e financeiro”.

Já hoje a delegação do FMI reuniu-se com o ministro das Finanças, Armando Manuel, prevendo-se também contactos com os titulares dos ministérios do Planeamento e Desenvolvimento Territorial, Petróleos, Economia e Construção. Outros contactos incluem o Banco Nacional de Angola, Sonangol, Fundo Soberano de Angola, Comissão de Mercado de Capitais, Instituto Nacional de Estatística, banca comercial e outros representantes do sector público e privado.

Em menos de um ano, trata-se da quarta visita de técnicos do FMI a Angola. Contudo, esta decorre em pleno processo de revisão do Orçamento Geral do Estado angolano, motivado pela quebra na cotação internacional do barril de petróleo, e que já foi entregue na Assembleia Nacional.

Num relatório revelado pela Lusa a 02 de fevereiro, posteriormente tornado público pelo FMI, aquela organização sugere a eliminação já em 2015 dos subsídios que o Estado angolano despende com a gasolina e redução faseada, até 2020, nas subvenções aos restantes combustíveis.

O documento foi elaborado após uma visita de técnicos do organismo a Luanda, precisamente a pedido do Governo angolano – que ainda não se pronunciou sobre o mesmo – para assistir tecnicamente a reforma dos subsídios públicos aos combustíveis.

Estes subsídios permitem manter os preços artificialmente baixos e custaram 3,7% do Produto Interno Bruto (PIB) angolano em 2014, mas beneficiam essencialmente as famílias “mais abastadas”, segundo o relatório. “Aproximadamente 80% dos combustíveis refinados são consumidos pelos 40% mais ricos, enquanto apenas 7% são consumidos pelos 40% mais pobres”, lê-se no documento.

Entre várias propostas, o plano de ação do FMI estabelece a eliminação, já este ano, dos subsídios à gasolina. Após dois aumentos em 2014, os primeiros em quatro anos, o litro de gasolina custa atualmente 90 kwanzas (77 cêntimos de euro), mas com a eliminação total do subsídio público subiria para 111 kwanzas (95 cêntimos de euro).

O FMI defende também um corte nos subsídios que provoque o aumento do litro do gasóleo dos atuais 60 kwanzas para 65 kwanzas (55 cêntimos de euros), já este ano. Novo aumento é proposto para 2018, para 90 kwanzas (77 cêntimos de euro), e no ano seguinte, para 120 kwanzas (1 euro). Com estas medidas, no âmbito de um plano a vigorar até 2020, o FMI estima que a poupança orçamental líquida resultante da reforma pode chegar aos 2% do PIB angolano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)