Rádio Observador

Futuro da Grécia

Governo português fez pressão para exigir mais à Grécia, não discordou das conclusões – fonte do Governo

440

Maria Luís Albuquerque teve uma posição "firme" quanto aos procedimentos a seguir pela Grécia, mas não esteve contra o acordo, diz fonte do Governo ao Observador. Fé na Grécia é quase zero.

AFP/Getty Images

A ministra das Finanças de Portugal assumiu uma posição dura com o Governo grego na reunião desta sexta-feira do Eurogrupo, assumindo “posições firmes sobre o procedimento” a seguir a partir de agora, diz uma fonte do Governo ao Observador. “Nada que ver com a substância do acordado, com que todos acabaram por concordar”, acrescenta a mesma fonte.

Nas horas que se seguiram ao final da reunião, uma televisão grega noticiou que Portugal e Espanha tentaram bloquear o acordo, que foi construído antes da reunião pelo presidente do Eurogrupo, com o comissário europeu Moscovici e a diretora do FMI, Christine Lagarde – adiando até o início da reunião, com reuniões separadas destes três representantes das instituições com Wolfgang Schauble e Yanis Varoufakis.

A questão foi colocada logo na primeira conferência de imprensa da noite a Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo. E a resposta foi precedida por um silêncio, seguido por um “tivemos acordo total, tivemos discussão sobre os próximos passos, como vão ser aprovações parlamentares – tudo isso foi clarificado”, diz Dijsselbloem. A pergunta era sobre alguns ministros terem ficado descontentes com a decisão. Pelo meio houve ainda uma graça do presidente do Eurogrupo: “Estava a tentar não ser específico”. Mas a resposta veio, nestes termos:

Tivemos acordo total, tivemos discussão sobre os próximos passos, como vão ser aprovações parlamentares – tudo isso foi clarificado”, diz Dijsselbloem.

Um pouco mais tarde, a questão foi colocada ao próprio Varoufakis, numa altura em que já circulava que só a posição da Comissão e do FMI tinha demovido Maria Luís Albuquerque, Luis de Guindos e Wolfgang Schauble: “Portugal e Espanha foram contra?”

A resposta de Varoufakis também veio depois de uma pausa. “Eu comprometi-me a dizer a verdade, mas também há uma coisa chamada boas maneiras. Foi claro na reunião que os ministros de Espanha e Portugal que são motivados pelas prerrogativas políticas deles, eu respeito isso. Também é verdade que a Grécia pediu quantias significativas destes países (para Portugal foi menos porque o país é pequeno, mas proporcionalmente não foi insignificante). Eu em 2010 fui completamente contra estes empréstimos, porque era claro que não iam funcionar. O importante é termos uma conversa sensível sobre como a Grécia — e também Portugal — podem crescer e pagar as suas dívidas. Para fazer isto tenho que manter uma boa relação com a minha colega. Permitam-me, assim, que não continue esta conversa a este ponto.

Luis de Guindos, ministro espanhol, falou também com os jornalistas em Bruxelas (ao contrário de Maria Luís Albuquerque). E classificou como “muito positivo” o acordo, dado que “cumpre todas as exigências” colocadas por Madrid – desde o pagamento da dívida ao cumprimento das condições por parte de Atenas.

“É um acordo que permitirá ter quatro meses de discussão sobre o acordo futuro e, por outro lado, que cumpre todas as exigências que tinha colocado o Governo espanhol e muitos outros governos”. O ministro espanhol negou ter tentado bloquear o acordo e disse ter tido uma atitude “construtiva” – sublinhando que “ao mesmo tempo tinha que defender os meus interesses. As regras vão respeitar-se e respeitou-se este acordo totalmente”, assegurou, citado pelo El Mundo.

Segundo apurou o Observador, a reunião foi tensa entre estes protagonistas, essencialmente pela descrença dos três governos (não só destes) na capacidade de o Governo grego cumprir as regras negociais da zona euro. A fé em que o acordo conseguido – vago ainda em vários pontos – tenha desenvolvimentos consistentes da parte de Varoufakis é muito reduzida, embora exista plena consciência da vontade das instituições em segurar a Grécia na zona euro. Isso implica pelo menos que esta extensão do acordo (e do memorando) até junho seja cumprida sem mais problemas.

Já na manhã desta sexta-feira, o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, foi bastante duro com a posição assumida pelo Executivo de Alexis Tsipras. No debate quinzenal na Assembleia, respondeu nestes termos a uma crítica de Heloísa Apolónia, dos Verdes:

Diz que há 18 malandros que querem impor condições à Grécia porque querem provar que não há crescimento sem austeridade Como se fosse uma prova de sobrevivência. É importante manter uma espécie de programa inviável naquele país. Este é o seu ponto de partida e está errado. No dia em que a Grécia demonstrar que consegue crescer sem o dinheiro dos outros, serei o primeiro a dar razão à senhora deputada. Assim é muito fácil, assim também eu faço. Com o dinheiro dos outros é tudo muito simples”.

Garantindo que “não há nenhum acinte contra a Grécia”, Passos rematou assim: “Não estou a lutar pela minha sobrevivência política. Estou a defender as minhas convicções”.

No núcleo duro do Governo português há, porém, uma outra convicção: de que quanto mais tempo se der à Grécia para ir “contornando as regras” (ou “fingir”, na expressão de outra fonte ouvida pelo Observador), mais difícil pode ficar a situação política na Europa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)