Rádio Observador

Beleza e Bem Estar

As mulheres britânicas não tomam banho regularmente e têm orgulho nisso

3.081

Um estudo realizado por uma marca de cosméticos revelou que quatro em cada cinco mulheres britânicas não tomam banho todos os dias. "E depois?"

Quatro em cada cinco mulheres admitiu não tomar banho todos os dias

Getty Images

Em pleno século XXI, há quem admita que tomar banho regularmente não é assim tão importante. Um estudo recente feito pela Flint+Flint, uma marca de cosméticos britânica, apurou que quatro em cada cinco mulheres não tomam banho todos os dias e que um terço chega mesmo a passar três dias sem lavar nenhuma parte do corpo. Incluindo a cara.

Mas, para muitas destas mulheres, uma higiene diária descuidada não é motivo de vergonha. Muito pelo contrário. O estudo, divulgado pelo Telegraph, gerou uma onda de solidariedade feminina, com várias mulheres a admitirem publicamente que não tomam banho diariamente. E que têm orgulho nisso.

Rowan Pelling é uma dessas mulheres. Numa artigo de opinião publicado também no Telegraph, admite ser uma “mulher suja” e deixa um apelo a todas as mulheres britânicas: “não tomem banho”. Para ela, quando alguém se gaba demasiado da higienie diária, é caso para desconfiar. “Fico surpreendida com o número de pessoas que insiste em dizer-me que toma dois duches por dia, como se fossem alguma espécie de Madre Teresa da higiene pessoal”, admite. “Que tipo de sujidade estão eles a lavar?”, questiona.

No mesmo artigo, Pelling chega mesmo a afirmar que a sujidade e o orgulho fazem parte da herança das mulheres britânicas.“Somos internacionalmente conhecidas pelas nossas maneiras anti-higiénicas”, escreve. Quanto à sua própria higiene pessoal, diz preferir um “banho à moda antiga”, mesmo que tenha de esperar “vários dias” para o conseguir fazer. O ritual é sempre o mesmo — água quente, um livro e um copo de whiskey.

No mesmo jornal, Daisy Buchanan escreve que as mulheres têm o direito de cheirar mal, de transpirar e de não mudar de cuecas. “E então?”, questiona, apercebendo-se de que ao longo da sua vida já gastou mais dinheiro em perfume do que em impostos. Mas o verdadeiro inimigo da higiene feminina parece ser a falta de tempo. De acordo com o estudo da Flint+Flint, 89% das britânicas admitiram querer melhorar a sua higiene pessoal. Porém, a falta de tempo ou o cansaço nem sempre o tornam possível. Para Virginia Smith não há mal nenhum nisso.

“A verdade é que a maioria das pessoas não tem tempo nem energia para uma rotina noturna de limpeza”, escreve para o Guardian. “Os duches matutinos são mais frequentes, mas nem sempre são possíveis num âmbito familiar”, acrescenta. Apesar de, por vezes, não haver tempo para tomar banho, Smith garante que, mesmo assim, “somos mais limpos que os nossos antepassados, graças às nossas excelentes casas de banho”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)