António Costa

A primeira vítima da “chinesice” de Costa: Alfredo Barroso abandona o PS

1.739

Alfredo Barroso não gostou dos agradecimentos de Costa aos investidores chineses e anunciou a sua desfiliação do PS. "Nunca me passou pela cabeça que se atrevesse a prestar vassalagem à China", disse.

Alfredo Barroso era membro do PS desde a fundação do partido, a 19 de abril de 1973

Autor
  • Diogo Pombo

Alfredo Barroso diz que “já chega”. O fundador do Partido Socialista (PS) revelou que vai esta semana “enviar uma carta” a pedir a desfiliação do partido, devido à intervenção, que apelidou de “vergonhosa”, que António Costa, secretário-geral do PS, proferiu a 19 de fevereiro no Casino da Póvoa de Varzim — na qual agradeceu aos investidores chineses que “disseram presente e deram um grande contributo para Portugal estar hoje” melhor do que há quatro anos.

Em mensagem que publicou, ao final da noite de quarta-feira, na sua página de Facebook, o antigo chefe de Gabinete da Presidência de Mário Soares, entre 1993 e 1996, escreveu que “nunca [lhe] passou pela cabeça que um secretário-geral do PS se atrevesse a prestar vassalagem à ditadura comunista e neoliberal da República Popular da China”. Para Alfredo Barroso, a declaração de António Costa foi “uma enorme chinesice”, que não teve “o menor respeito por centenas de milhar de desempregados e cerca de dois milhões de portugueses que estão no limiar da pobreza”.

Sou um dos fundadores do PS (em 1973) e sou, hoje, o militante número 15 do partido (com as quotas em dia). Mas já chega! Nunca me passou pela cabeça que um secretário-geral do PS se atrevesse a prestar vassalagem à ditadura comunista e neoliberal da República Popular da China, e se atrevesse a declarar, sem o menor respeito por centenas de milhares de desempregados e cerca de dois milhões de portugueses no limiar da pobreza, que Portugal está hoje melhor do que há quatro anos. A declaração de António Costa é uma vergonha!” — excerto da nota publicada por Alfredo Barroso no Facebook.

Na nota, intitulada “Depois da ignóbil ‘chinesice’ de Costa, demito-me do PS, e é já!”, Alfredo Barroso anuncia que, “ainda esta semana”, enviará uma carta “muito simples” à direção do partido, sem “considerandos ou justificações, solicitando, pura e simplesmente”, a desfiliação do partido. Aos 70 anos, o até aqui socialista indicou também que pretende “acabar a vida com alguma dignidade e coerência”, algo que considera não ser “manifestamente possível” caso continue “a militar” no PS.

Barroso, depois, assegura que não se vai filiar em qualquer outro partido, embora reconheça que irá “apoiar e votar” no Bloco de Esquerda — para tentar “contrariar o oportunismo daqueles que se tornaram dissidentes do BE, aproximando-se do PS de António Costa, à espera de um ‘lugarzinho’ na mesa do orçamento, ou seja, na distribuição de cargos num futuro governo”. O fundador do PS termina a mensagem com uma frase: “Não duvido das miseráveis campanhas que a ‘ralé’ que tomou conta do ‘aparelho’ do PS é capaz de se atrever a desenvolver contra mim.”

As declarações de António Costa surgiram na cerimónia comemorativa que, a 19 de fevereiro, no Casino da Póvoa de Varzim, assinalou a entrada no Novo Ano chinês. “Em Portugal, os amigos são para as ocasiões, e numa ocasião difícil em que muitos não acreditaram que o país tinha condições para enfrentar e vencer a crise, a verdade é que os investidores chineses disseram ‘presente’, vieram, e deram um grande contributo para que Portugal pudesse estar na situação em que está hoje, bastante diferente daquela em que estava há quatro anos”, disse. Parte da intervenção foi gravada num vídeo que Nuno Melo, deputado do CDS, publicou na sua página de Facebook.

Direção justifica Costa

Fonte da direção do PS disse, durante a noite, à agência Lusa que a intervenção de António Costa perante a comunidade chinesa foi “caraterizada pelo sentido de Estado”. “Perante o exterior, António Costa recusa-se a falar mal do país, mesmo que não goste deste Governo. PSD e CDS estão a tentar um ‘fait-divers’ com esse assunto”, justificou ainda a mesma fonte da direção dos socialistas.

Já Vieira da Silva, vice-presidente da bancada socialista, afirmou esta quarta-feira aos jornalista que a maioria PSD/CDS está a tentar desviar a atenção dos “reais problemas” ao explorar uma intervenção que António Costa fez enquanto presidente da Câmara de Lisboa. “Transformar umas imagens de uma cerimónia protocolar em que António Costa participou enquanto presidente da Câmara de Lisboa, proferindo as afirmações que são conhecidas, e pretender colocar isso como um ponto político só pode ter um efeito: tentar desviar a atenção dos portugueses da identificação dos problemas sérios que existem no país”, responde Vieira da Silva.

Perante a insistência dos jornalistas sobre as afirmações de António Costa, Vieira da Silva disse não estar confrontado com qualquer polémica, “mas com um ato secundário face à atual situação económica e social” do país. “Se existe alguma dúvida sobre qual é a posição do PS e do seu secretário-geral, António Costa, em relação à situação do país e sobre o efeito da governação PSD e CDS, é muito fácil confrontar esse eventual desconhecimento, porque ainda na terça-feira [numa conferência em Cascais] fez uma extensa e fundamentada intervenção para caracterizar o falhanço das políticas de austeridade.”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)