Rádio Observador

Diabetes

A resposta para a luta contra a diabetes pode estar numa planta

475

Harmina é um composto extraído de uma planta do Médio Oriente e da videira. A descoberta acontece 50 anos depois de uma experiência semelhante que desvendou o medicamento mais eficaz contra o cancro.

A batalha entre a medicina natural e a medicina tradicional já vai longa e os apologistas de cada uma delas não hesitam em apontar lacunas uma à outra. Mas a verdade é que cada vez mais que ambas se completam.

Uma equipa internacional de cientistas experimentou 100 mil remédios a fim de desvendar o mais eficaz na luta contra a diabetes. Conclusão: o melhor é um composto de nome harmina, que é extraída de uma planta do Médio Oriente e das videiras sul americanas. A explicação está publicada no El País.

A diabetes afeta 38 milhões de pessoas no mundo. Acontece quando as células beta do pâncreas deixam de fabricar insulina. Como consequência, os diabéticos tornam-se incapazes de controlar os níveis de açúcar sanguíneos, pelo que são obrigados a injetar insulina para compensar.

A solução que a comunidade científica procura passa por ser capaz de multiplicar as células beta produzidas pelo pâncreas dos doentes. Segundo os investigadores do Hospital Monte Sinai, em Nova Iorque, a molécula de harmina aumentou em três vezes essa produção de células beta em ratos geneticamente modificados para processar a informação da diabetes humana.

A descoberta foi possível graças a um sensor microscópico, através de um gene luminescente que brilhava perante a atuação de uma proteína responsável pela divisão celular. Das 100 mil amostras, 86 provocaram a expressão do gene, mas apenas a harmina provocou a proliferação das células.

O impacto terapêutico deste alcalóide é confirmado pelo biólogo Adolfo García Ocaña. O cientista afirma que a harmina pode ter efeitos noutros órgãos, pelo que um dos próximos passos é torná-lo mais preciso na atuação. O composto atua sobre uma proteína que impulsiona a divisão de outras células. Os investigadores acreditam que esta interação aumentaria os níveis de outros promotores da divisão celular.

Segundo Andrew Stewart, autor da investigação e diretor do Instituto de Diabetes, Obesidade e Metabolismo do Hospital, “ainda há muito trabalho para aumentar a especificidade e potencial da harmina e dos compostos relacionados, mas os resultados são uma peça chave para o futuro do tratamento da diabetes”.

A descoberta surge cinquenta anos depois da experiência que revelou o medicamento mais eficaz na luta contra o cancro, o Paclitaxel, numa altura em que o Instituto Nacional do Cancro dos Estados Unidos da América decidiu investigar a atividade anti-tumoral de 35 mil plantas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde Pública

Conhecer e compreender a diabetes

Estevão Pape

135

Sensibilizar os portugueses para a experiência de serem “diabéticos um dia" ou realizar “um dia sem açúcar ou açucarados" irá certamente contribuir para uma vida com menos doença no futuro.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)