O cabeça de lista do CDS-PP às eleições legislativas regionais antecipadas de 29 de março, José Manuel Rodrigues, perguntou esta terça-feira ao eleitorado como é que um partido que deixa 50 por cento dos jovens no desemprego quer uma maioria absoluta.

“Como é que um partido que deixa 50 por cento dos jovens madeirenses no desemprego quer ter 50 por cento dos votos dos madeirenses e porto-santenses”, questionou numa ação de campanha eleitoral em São Vicente, no norte da ilha da Madeira.

José Manuel Rodrigues reiterou esta a ideia de que “maiorias absolutas e estabilidade política foi aquilo que se passou na Madeira nos últimos 40 anos e o resultado é falência financeira, desastre económico e rutura do tecido social”.

“Como é que um partido que deixa 50 por cento dos jovens madeirenses no desemprego quer ter 50 por cento dos votos dos madeirenses e porto-santenses”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O líder dos centristas madeirenses declarou que o PSD “não vai ter” uma maioria absoluta porque “o CDS será o partido que evitará que o PSD tenha maioria absoluta”

“O CDS vai fazer parte do próximo Governo Regional da Madeira, não para ter o poder pelo poder, mas para ter uma nova governação na Madeira que também atenda às questões do norte da ilha”, concluiu, sublinhando que o partido quer desenvolver as condições para que o norte da Madeira conheça um incremento turístico.

O CDS-PP, após 35 anos como terceiro partido na Região Autónoma da Madeira, nas eleições de 09 de outubro de 2011 guindou-se a segundo partido mais votado ao atingir 25.975 votantes (17,63%) tendo, então, elegido nove dos 47 deputados da Assembleia Legislativa.

Nestas eleições, o CDS-PP destronou uma posição que vinha a ser ocupada desde 1976 pelo PS.

O terceiro melhor resultado deste partido foi a 15 de outubro de 2000 que, com 12.612 votantes (9,72%), elegeu três deputados.

Os democratas-cristãos madeirenses apresentam como cabeça de lista às eleições legislativas regionais antecipadas de 29 de março José Manuel Rodrigues, presidente do partido desde 1999.

Foram oficialmente admitidas às eleições legislativas da Madeira de 29 de março onze listas, sendo oito partidos (PSD, CDS, BE, JPP, PNR, MAS, PND e PCTP/MRPP) e três coligações Mudança (PS/PTP/MPT/PAN), CDU (PCP/PEV) e a Plataforma de Cidadãos (PPM/PDA).

As eleições antecipadas de 29 de março na Madeira acontecem na sequência do pedido de exoneração apresentado pelo presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, depois de ter sido substituído na liderança do partido maioritário (PSD) por Miguel Albuquerque.