A estação de televisão britânica BBC acaba de tomar uma decisão definitiva em relação ao caso “Jeremy Clarkson”. Depois de ordenar a suspensão do mais controverso dos apresentadores do Top Gear, o diretor-geral da BBC, Lord Hall, anunciou ao princípio da tarde o despedimento de Clarkson.

Segundo o The Telegraph, que cita fontes próximas da direção da BBC, os responsáveis pelo canal britânico estão a preparar-se para substituir Jeremy Clarkson por Chris Evans, que já colaborou em vários episódios do programa sobre automóveis mais popular do Reino Unido.

Não se pode dizer que a decisão seja completamente inesperada. Afinal, o diretor-geral da estação pública britânica tinha antes aparado várias gafes e comportamentos menos próprios de Jeremy Clarkson – e foram muitos, mesmo muitos. Mas, depois da, alegada, agressão ao assistente de produção, Oisin Tymon, chegou o fim para Clarkson na BBC.

Ainda se pensou que a quebra de audiências do programa pudesse fazer a direção da BBC repensar o afastamento do apresentador britânico – depois de não ter transmitido o último episódio do Top Gear, a BBC perdeu quatro milhões de espetadores de um universo que representa, em termos de publicidade, qualquer coisa como 209 milhões de euros. Na altura, face aos resultados desastrosos, chegou a ser avançado que a estação britânica iria readmitir o apresentador em maio. No entanto, foi outro o desfecho.

Mesmo assim, a fazer crer nos rumores, nem tudo serão más notícias para Jeremy Clarkson: há quem garanta que o britânico se prepara para assinar um contrato milionário com a Netflix. Quanto aos outros apresentadores do programa, James May e Richard Hammond, não se sabe se continuam a colaborar com o Top Gear ou se se juntam a Clarkson no próximo projeto.

A verdade é que o homem que foi acusado de racismo, que disse que os grevistas deviam ser fuzilados, que (quase) provocou um incidente diplomático com a Argentina e que, ainda assim, colhe a simpatia de milhões de britânicos e, inclusivamente, do próprio primeiro-ministro David Cameron, diz adeus a Top Gear.