Pedro Passos Coelho

Passos quer país a vencer “com a força da alma”

Passos Coelho quer que Portugal olhe para o passado e que com a mesma "vontade" e "força da alma" enfrente o futuro. Primeiro-ministro já fala nos trabalhos para a próxima legislatura.

NUNO VEIGA/LUSA

Autores
  • Liliana Valente
  • Agência Lusa

Passos Coelho já fala no trabalho que quer fazer nos próximos quatro anos. Esta segunda-feira, em Fronteira, falou da necessidade de continuar a reforma “Defesa 2020” na “próxima legislatura”. Nas comemorações da Batalha dos Atoleiros, em Fronteira, mas com olhos postos nas eleições legislativas deste ano, o primeiro-ministro falou da “vontade” e da “força da nossa alma” como chaves para que o país enfrente o futuro.

Reunidos aqui para recordar um marco importante do nosso passado, olhamos agora para o futuro, com uma nova confiança no nosso País, na nossa identidade e nas nossas escolhas coletivas. Está ao nosso alcance abrir agora uma nova página da nossa história, depois de ultrapassada e vencida a ameaça que todos conhecemos. E vencemo-la como vencemos as ameaças que tivemos de enfrentar no passado. Com a nossa vontade e com a força da nossa alma”, disse Passos Coelho nas comemorações dos 631 anos da Batalha dos Atoleiros, em Fronteira.

O discurso era sobre o passado, mas com mensagens implícitas para o futuro. É que Passos acabou por fazer uma comparação sobre números, dizendo que a Batalha – onde não se registaram mortos, nem feridos na parte portuguesa ao contrário dos invasores que sofreram pesadas baixas – demonstrou que Portugal é capaz de ultrapassar adversidades: “[Portugal] teve de se afirmar contra todas as probabilidades, contra a própria força dos números como a batalha que hoje comemoramos demonstrou, e que, apesar de tudo isso, venceu”.

E nos números para o futuro, Passos Coelho vê pelo menos um trabalho: a continuação da reforma na Defesa. “Como todas as grandes reformas, também a reforma ‘Defesa 2020’, pela sua abrangência, complexidade e especificidade, deve continuar a ser executada a avaliada”, disse. E, continuou Passos Coelho, “a próxima legislatura deve trazer a sua consolidação, o que tornará ainda mais patente diante do país a relevância e a indispensabilidade da defesa nacional e das suas Forças Armadas”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aníbal Cavaco Silva

Indispensável /premium

Maria João Avillez
268

Fica-se a conhecer a singularíssima relação que houve entre dois políticos, não quaisquer, Cavaco e Passos, e a aliança que teceram e nunca romperam. A visão é ampla e polifónica, goste-se ou não dela

Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
821

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)