Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Montepio Geral perdeu 200 milhões de euros em depósitos no espaço de um mês e 600 milhões nos últimos dois meses, noticiou na noite de quinta-feira a TVI. O valor, confirmado pela instituição, representa mais de 4% do montante total em depósitos. Também a Associação Mutualista Montepio Geral tem sofrido resgates por parte de alguns dos mais de 600 mil associados, num valor que já supera os 200 milhões de euros.

Segundo a TVI, a instituição liderada por António Tomás Correia, que se prepara para alargar o reforço dos capitais próprios para até 620 milhões de euros, está a reconhecer uma saída “anormal” de recursos. Ainda assim, para justificar os 600 milhões de descida dos depósitos, o Montepio diz que 100 milhões dizem respeito a clientes de retalho particulares, que por vezes gastam o dinheiro antes de o receberem.

Os restantes 500 milhões foram retirados por grandes clientes, garante o banco, fazendo referência a levantamentos da Segurança Social para efetuar pagamentos que normalmente são repostos antes do final do mês.

O Montepio tem, contudo, sido alvo de várias notícias desfavoráveis. Desde as perdas de 140 milhões de euros com aplicações ligadas ao Grupo Espírito Santo até à auditoria especial que o Banco de Portugal lançou para analisar “deficiências” de procedimentos. A instituição está, também, a sofrer uma separação de lideranças, com notícias de que o presidente da Inapa, José Félix Morgado, será o próximo presidente do banco.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR