Drogas

Consumo de drogas tradicionais desceu nas cadeias mas dois terços usam

Segundo o Inquérito Nacional sobre Comportamentos Aditivos em Meio Prisional, o consumo das drogas tradicionais nas cadeias decresceu no ano passado mas mesmo assim atingindo dois terços dos detidos.

Dentro das prisões consome-se especialmente canábis, hipnóticos/sedativos, heroína e cocaína

Hugo Delgado/LUSA

O consumo das drogas tradicionais nas cadeias decresceu no ano passado mas mesmo assim atingindo dois terços dos detidos, segundo o Inquérito Nacional sobre Comportamentos Aditivos em Meio Prisional, que compara dados de 2001, 2007 e 2014.

Os dados do Inquérito (o terceiro) foram divulgados pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) e indicam que há uma tendência de queda de consumos de substâncias como heroína, cocaína ou canábis se comparado com os inquéritos anteriores, mas um aumento se forem tidas em conta toda as drogas.

Com base num questionário aplicado a 20 por cento dos reclusos e abrangendo 47 das 49 prisões, o documento explica que há um aumento das declarações de consumo na população reclusa, 69,1 por cento, quando em 2007 era 63,6 por cento e em 2001 era 65,7%.

Este aparente contrassenso, explica-se no documento, deve-se ao facto de no inquérito de 2001 se especificarem sete substâncias e no do ano passado estarem 18. Pode-se concluir “que o aumento dos consumos é alavancado pelo consumo de novas substâncias integradas no questionário”, como os cogumelos e outros alucinogénios, buprenorfina e esteroides, o que denuncia “alterações nos padrões de consumo”.

Sem alteração está a tendência de decréscimo de consumo por via injetável na prisão, passando de 11,3 por cento em 2001 para 3,1% em 2007 e para 1,1% no ano passado.

E acrescenta-se no inquérito: “80,2 por cento dos reclusos/as consumidores/as de alguma substância declaram já ter consumido alguma vez na vida canábis, 56,2% cocaína, 38,1% heroína e 27,6% ecstasy, o que representa descidas em todas estas substâncias por referência a 2001 e 2007″.

As prevalências de consumo ao longo da vida (alguma vez na vida) são muito mais expressivas entre os presos do que na população em geral mas as tendências de descida de consumos nas cadeias acompanham as tendências gerais, diz o Inquérito, que salienta um aumento de consumo de substâncias psicoativas entre as mulheres.

Dentro das prisões, acrescenta-se também, consome-se especialmente canábis (pelo menos alguma vez), com 18,8 por cento, hipnóticos/sedativos (6,4%), heroína (5,3%) e cocaína (5,1).

Ainda que haja um decréscimo de infeções por HIV (quer no número total de seropositivos quer de seropositivos consumidores), 1,8% dos reclusos disse já ter partilhado agulhas/seringas alguma vez na prisão, 79,8% disse nunca ter usado preservativo em visitas intimas e 72,1% disse nunca ter usado noutros contextos (um retrocesso relativamente a 2001 e 2007).

O inquérito tem ainda dados sobre o consumo de tabaco e bebidas alcoólicas, concluindo que 65,2% dos inquiridos declarou já ter fumado, valor muito mais elevado do que na população em geral (46,2). Mais de metade dos detidos diz fumar na prisão.

Já quanto a bebidas alcoólicas, se 63 por cento diz que já bebeu ao longo da vida apenas 16 por cento diz ter consumido na cadeia (entrada dessas bebidas é mais difícil).

E um terço dos inquiridos admite ter jogado a dinheiro alguma vez, sendo que na prisão o dinheiro envolvido é superior. Dois terços dos que dizem jogar continuam a prática dentro da cadeia.

O Inquérito foi feito em articulação com a Direção-Geral da Reinserção e Serviços Prisionais e realizado pelo Centro Interdisciplinar de Estudos de Género do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Foi feito em outubro de 2014.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assalto em Tancos

Tancos: é ainda pior do que parece

Bruno Cardoso Reis

Se é certo que em Portugal as Forças Armadas sempre serviram para bem mais do que fazer a guerra, hoje em dia essas outras tarefas são cada vez mais numerosas e cada vez mais vitais. 

Mulher

Go girls, go! /premium

Laurinda Alves
114

Ainda tão jovens, com pouco mais de vinte anos, todas sabem exactamente por onde querem começar e atrevem-se a dizer, como Elvira: “sou parte da geração que vai mudar o meu país!”. E nós acreditamos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)