Rádio Observador

Consumo

Volume de vendas de combustíveis para particulares cai 10,7%

Os portugueses consumiram menos combustível no primeiro trimestre deste ano, uma quebra de 10,7% face a igual período de 2014, com os postos de combustível dos hipermercados a liderarem a preferência.

ANDY RAIN/EPA

Os portugueses consumiram menos combustível no primeiro trimestre deste ano, uma quebra de 10,7% face a igual período de 2014, com os postos de combustível dos hipermercados a liderarem a preferência dos particulares, divulgou hoje a APED.

“O que nos diz o relatório dos combustíveis relativamente ao mercado do primeiro trimestre de 2015 é que, de facto, os portugueses consumiram menos combustível no segmento dos consumidores particulares”, quando comparado com o mesmo período do ano passado, disse a diretora-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) à Lusa.

“Houve uma quebra de 10,7%” em volume de vendas nos primeiros três meses do ano, para 803 milhões de euros, disse Ana Isabel Trigo Morais.

“Os postos de abastecimento que pertencem às insígnias da distribuição [nos hipermercados] são líderes do mercado de combustíveis, continuam a liderar a preferência dos consumidores, mesmo depois de ter havido uma alteração do quadro legislativo”, sublinhou a diretora-geral.

De acordo com dados do estudo Kantar Worldpanel, referem, a rede de postos das marcas da distribuição moderna alcançou uma quota de 28,4% em volume e de 27% em valor no primeiro trimestre, o que comparam com 27,2% e 26,3%, respetivamente, em igual período de 2014.

“Os consumidores continuam a preferir o combustível que é vendido nas insígnias da distribuição e é por isso que [os portugueses] continuam a dar a liderança do mercado” aos postos de abastecimento dos hipermercados.

Ana Isabel Trigo Morais destacou que, de acordo com os dados hoje divulgados, “as pessoas vão menos vezes abastecer as suas viaturas, mas cada vez que o vão fazer abastecem-se com mais quantidade”, realçando que “o volume médio dos litros abastecidos em cada ida aumentou 10%”.

Isto significa que “os consumidores estão muito sensíveis à questão do preço, estão a ficar mais esclarecidos quando fazem as suas escolhas”, considerou.

O volume médio por abastecimento nos primeiros três meses do ano foi de 22,77 litros, o que compara com 20,70 litros em igual período de 2014.

No entanto, o número médio de abastecimentos recuou 6,7% para sete.

Por outro lado, o prémio médio do combustível registou uma maior queda nos postos da distribuição moderna do que nos das empresas petrolíferas.

“De facto há um acompanhamento da descida do preço médio do litro de combustível vendido, nós vemos que a distribuição moderna, acompanhando o movimento do mercado internacional, teve uma quebra do preço em relação ao período anterior, de 13,8%”, enquanto “nas empresas petrolíferas essa quebra foi de 11,7%”, acrescentou a diretora-geral da APED.

A responsável destacou que a distribuição moderna aposta na “transferência de valor para os consumidores”, pela via do preço, nomeadamente a sua estabilidade.

Salientou que a qualidade e todas as especificações dos combustíveis dos postos dos hipermercados, “que foram em tempos postas em causa”, continuam “a dar provas que é uma questão ultrapassada que nunca fez sentido” e que estes postos têm a confiança dos consumidores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)